Domingo, 23 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

FEITOS & DESFEITAS > CONGRESSO DA ABRAJI

Elio Gaspari

Por Kenneth Maxwell em 19/08/2014 na edição 812
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 14/8/2014, tradução de Paulo Migliacci; intertítulo do OI

Elio Gaspari foi recentemente homenageado no 9º Congresso Internacional da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), realizado no fim de julho, em São Paulo, por seu trabalho jornalístico, seus quatro magníficos volumes atualizados sobre a história do regime militar brasileiro e por seu site “Arquivos da Ditadura” (www.arquivosdaditadura.com.br), uma coleção on-line de registros, diários e documentos, que usou como base para seus livros.

Um quinto volume está prometido, cobrindo os anos finais da ditadura até o ano de 1984. A Abraji produziu um vídeo maravilhoso em homenagem a ele. Fundada em 2002, a Abraji demonstra o quanto os jornalistas investigativos brasileiros são vitais para a prestação de contas na democracia do Brasil.

Conheci Elio Gaspari em 1966, em um coquetel oferecido por Christian e Pauline Adams em seu apartamento na praia do Flamengo, no Rio de Janeiro.

O motivo

Christian Adams era um jovem diplomata britânico que havia se formado pouco antes na Universidade de Oxford. Era um amigo encantador e se interessava por tudo que se relacionasse ao Brasil. Morreu depois, muito antes da hora, quando servia como embaixador britânico na Tailândia. Na época, Elio tinha 22 anos e trabalhava para o colunista social Ibrahim Sued. Eu tinha 25 anos.

Ele me perguntou o que eu estava fazendo no Rio de Janeiro. Estava pesquisando a história do Brasil no final do século 18 e contei a ele a respeito. Ele perguntou o que eu achava das respostas de Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810) aos seus interrogadores depois de ser aprisionado como conspirador da Inconfidência Mineira, em 1789. Eu ainda não tinha lido os “Autos da Devassa”.

A pergunta de Elio me chocou. Viajei a Minas Gerais. Cinco anos mais tarde, depois de vasculhar arquivos no Brasil, em Portugal, na Espanha, na França e no Reino Unido, e de ler cuidadosamente os “Autos da Devassa”, eu estava mais preparado para respondê-la.

Elio sempre foi um historiador manqué.

Nós o indicamos como professor visitante para a Universidade Columbia. Um cientista político se queixou de que ele era inelegível por não ter diploma universitário.

Expliquei o motivo: Elio, que estava estudando História, foi expulso da Faculdade Nacional de Filosofia (FBF – RJ) por Eremildo Luiz Vianna, então diretor da instituição.

Desde então, Eremildo (como personagem de ficção, é claro) vem sendo personagem importante nas colunas de Elio. Isso não é um cumprimento. Elio tem memória napolitana para as injustiças.

******

Kenneth Maxwell é colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem