Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > OUTROS TEMPOS

Assessoria de imprensa em tempos sem internet

Por Daniela Barbará em 04/11/2014 na edição 823
Reproduzido do Jornalistas & Cia nº 972, de 29/10 a 4/11/2014; intertítulo do OI

Um dos momentos mais divertidos na minha agência ou nas aulas para alunos de comunicação é quando começo a contar como fazia assessoria de imprensa em tempos sem a internet. Isso porque a atual geração de comunicólogos sequer imagina um mundo sem uma confirmação de recebimento de e-mails ou mesmo troca de mensagens via skype.

Uma das grandes novidades da minha época de estagiária era o fax. Com ele atrelado a um sistema de computador conseguia programar o disparo dos releases durante a madrugada e me organizava para fazer follow up alguns dias depois. Isso porque, no dia seguinte, imprimia na impressora matricial a lista de todos telefones que tinham dado erro de transmissão e passava muitas horas reenviando esses releases um a um para que todos os recebessem. O fax era tão importante que tinha uma mesa própria com cadeira, já que passávamos muito tempo ao seu lado.

Me lembro como se fosse hoje a folha de rosto sendo preenchida a lápis com cada um dos nomes e os protocolos de recebimento que recebia após o bipe final de envio. O follow up também era bem mais demorado porque o único contato que tínhamos com as redações era via telefone.

Nosso arquivo de imagens de clientes e produtos era uma grande pasta de plástico preta com fotos impressas coloridas e P&B e também slides. Muitas vezes mandava pelo correio para todo o Brasil envelopes com um ou mais slides e o release impresso. Tínhamos uma área com caixinhas para colocar o slide para que ele não deteriorasse. Quando um jornalista de outro estado solicitava mais opções de imagens, novamente enviava via correio os benditos slides.

Disquete e impressora

Naquela época o acesso às redações era mais fácil e comumente fazia visitas aos jornalistas levando debaixo dos braços pastas de press-kits sobre meus clientes. Hoje em dia isso seria impossível, levando em consideração a quantidade de assessores versus o número de repórteres.

O clipping também era um capitulo à parte. Na época, eram poucas as opções de fornecedores e muitas vezes tínhamos um delay de um dia a uma semana para recebermos matérias de outras cidades ou estados. Muitas revistas (segmentadas ou não) e muitos jornais chegavam dobrados em envelopes pelos Correios. Com isso, o horário em que o carteiro passava influenciava a minha programação de trabalho do dia.

Os computadores que tínhamos disponíveis também eram infinitamente mais lentos que os atuais, mesmo com a mais moderna tecnologia da época. Conforme a popularização da internet, algumas máquinas passaram a ter acesso discado à rede, mas naquele tempo não podia ficar conectada o dia todo.

Os mailings eram atualizados de tempos em tempos por um sistema que chegava via disquete e a impressora era carregada com aquele papel contínuo e somente podia ser usada em momentos em que não tivesse reunião na empresa e ninguém ao telefone porque ela era extremamente barulhenta.

Acreditem se quiserem.

Leia também

A vida do jornalista antes do computador – Apóllo Natali

******

Daniela Barbará é jornalista, diretora de Operações da EVCOM

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem