Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > ‘CHARLIE HEBDO’

Choque entre reverência e irreverência

Por Luis Fernando Verissimo em 13/01/2015 na edição 833
Reproduzido do Globo.com, 8/1/2015

O que merece reverência é a vida humana e o direito de ser a favor ou contra e crente ou cético e exercer estes direitos sem medo. O que contraria isto merece toda a irreverência que provoca.

Em Paris, ontem, houve um choque de extremos, a extrema irreverência do Charlie Hebdo atacada pela reverência levada ao fanatismo e à barbárie do objeto constante da sua critica, a intolerância religiosa e o obscurantismo.

Não era o Islã o alvo principal do humor do Charlie Hebdo, era toda forma de renúncia ao bom senso e ao convívio civilizado representada pelo pensamento totalitário, teísta ou não. A irreverencia do semanário era, na verdade, reverência pela liberdade, mesmo que extrema.

No rescaldo do choque de ontem muitas coisas serão discutidas, além do fatal fortalecimento da direita xenófoba e anti-Islã na França. Talvez se discutam os limites do humor crítico num clima combustível como o da Europa, hoje. Seria um erro.

Condenar, ainda que indiretamente, a irreverência do Charlie Hebdo pela tragédia seria condenar a inteligência. Que, mais do que nunca, e em memória de todos os mortos na tragédia, precisa ser reverenciada.

******

Luis Fernando Verissimo é jornalista e escritor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem