Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

A etimologia midiática

Por Gabriel Perissé em 21/11/2006 na edição 408

A etimologia é, para muitos, uma pequena obsessão. ‘Obsessão’, por exemplo, provém da palavra latina obsesio, que significa ‘cerco’. Quem tem uma obsessão fica sentado (o verbo sedére está incluído aqui) diante do objeto de seu desejo, permanece acampado noite e dia, sitiando, assediando aquilo que sonha conquistar.


Uma etimologia midiática dará atenção a palavras recorrentes. Jornal é o diurnális, o que está relacionado ao dia, ao que é diário (oficial ou não). O jornal que não é diário traiu a sua origem. Resigne-se, por exemplo, a ser um honrado hebdomadário. A título de curiosidade, hebdomadárius, entre os antigos monges, era todo aquele que, na comunidade, se encarregava de alguma função coletiva ao longo de sete dias seguidos.


A gazeta (seja ou não mercantil) nasceu de um periódico que circulava em Veneza no século 17, cujo nome surgiu de seu próprio preço, pois custava uma gazetta, moeda da época cunhada naquela região.


Qual é a pauta e qual é a da pauta? A pauta indica o assunto, os detalhes a serem abordados sobre este determinado assunto, e estabelece o modo de focalizá-lo. Provém do latim medieval pacta, gerado pelo latim clássico pactus, que por sua vez remete ao verbo pángere, ‘cravar’, ‘traçar em cera’. A pauta é o grande pacto, é o que foi escrito e ajustado. A pauta tem parentesco com ‘paz’, com o que é ‘pacífico’, pois toda a paz supõe um pacto, um acordo. Uma pauta furada deixa todo mundo em pé de guerra.


Verdade dos princípios


Já o repórter… nos reporta ao verbo francês medieval reporter, ‘relatar’, ‘narrar’. O repórter nos leva ao porto da notícia. E a notícia é o que se sabe, é o que tenho de conhecer (verbo latino nóscere).


Matéria, no sentido de texto jornalístico. Materia, em latim, é aquilo de que algo é feito, particularmente da madeira. Na construção de uma casa, de um instrumento, madeira é, ou era, a matéria-prima por excelência. E o texto, na comunicação, é sempre a matéria que dá forma. A matéria liga-se, mais remotamente, a mater, mãe. A matéria vai gerar tudo.


Nas coberturas, a etimologia sempre poderá comparecer, cobrindo para revelar. (Curiosamente, a cobertura não esconde.) Ela cobre e descobre tudo com a verdade dos princípios. E mesmo quando nos parece meio forçada ou inverossímil, é sugestiva, cria possibilidades de imaginação, cura-nos da cegueira verbal.

******

Doutor em Educação pela USP e escritor; www.perisse.com.br

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem