Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

FEITOS & DESFEITAS > COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

A matemática afetiva

Por Paulo Nassar em 16/02/2010 na edição 577

A exposição ‘O Número’, do pernambucano José Patrício, no espaço Caixa Cultural Rio de Janeiro, até 7 de março, sugere a existência de afetividade sob a aparente frieza da matemática. A mostra, com 12 obras e foco na ideia de número, foi produzida a partir de elementos que estimulam o observador a quantificar, a organizar. Uma delas, ‘A Coleção’, contém 6274 botões de roupa. Outras obras são compostas por peças de quebra-cabeça, dados e alfinetes que me lembraram a proposta de linha de produção de alfinetes, quantificados e organizados, no livro A Riqueza das Nações, de 1776, de Adam Smith.

José Patrício parece estimular comunicadores de empresas e instituições a pensarem sobre a comunicação mecânica, que despeja informação massificada na sociedade, sobretudo nos empregados, sem preocupação ética e estética. Afinal, vivemos na sociedade dos excessos e, entre eles, a obsessão pela medida, pela organização, amplamente reforçada pela comunicação empresarial, sem afetividade, porque não há lugar para a contemplação, para o pensar e o criar desinteressado ou para a conversa que integra, que gera o sentimento de pertencer, de fazer parte de alguma coisa.

Para o administrador, todo gesto deve corresponder a uma intenção, uma meta, um objetivo, um resultado. É imperativo viver sobre uma linha do tempo, traçada dentro do relógio. A vida, orientada pela produção, acabou com a rotina desejada pelos trabalhadores franceses organizados na segunda metade do século 19: 8 horas de trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso.

Espírito & imaginação

No ambiente corporativo, prolongado por meio das formas digitais de relacionamento, o mantra quantitativo destaca a avaliação de homens e mulheres por réguas. Mensuração, resultados, metas, indicadores, índices, percentual, entre outros, são os verbetes do dicionário do trabalho. A transcendência foi escoada pela torrente de contagem dos escritórios, das fábricas e das ruas.

Nenhum deus quer morar na casa de máquinas, na memória do computador ou na encruzilhada esfumaçada. Os deuses e arteiros, longe do trabalho insano, parecem gostar dos jogos, das mulheres e de combinações infinitas. As suas igrejas e galerias são lugares de inovação e provocação. O mundo do trabalho, com seus slogans de inovação, se afastou das artes e suas possibilidades. O artista pernambucano José Patrício aponta para um caminho no qual as artes da medida e da contagem se fundem com o espírito e a imaginação.

******

Jornalista, professor da ECA-USP e diretor-geral da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem