Sexta-feira, 24 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

A possibilidade de fechar o Congresso abalou a República

Por Teresa Leonel em 14/04/2009 na edição 533

Deslize ou não, a idéia do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) de realizar um plebiscito questionando a população sobre a possibilidade de fechar o Congresso Nacional abalou, de fato, a República, a grande imprensa, os mais calados, os que conhecem os cleptomaníacos da Câmara Alta e todos que se dizem de esquerda e de direita neste país.

Ruim ou não, a proposta mexeu com nosso brio democrático, sobretudo num momento em que se está recapitulando e tirando dos porões a história da ditadura militar (que teve o apoio civil e da própria imprensa) a partir do golpe em 1964.

De uma certa forma, foi boa essa mexida. Estamos precisando trazer à baila o desejo de continuar buscando uma democracia plena. Até porque depois da abertura democrática algumas instituições ficaram sem prumo, não foram repensadas.

Estamos sem o inimigo direto, o tirano militar. Temos a liberdade de expressão, mas ainda não sabemos usá-la de forma coerente, estabelecendo limites. Nesse campo ainda somos aprendizes.

Também ficamos sem entender o que, de fato, é democracia, já que temos tão pouco tempo de prática. Daí a mistura ‘do tudo pode’ e ‘tudo é livre’. E o Congresso Nacional vai nesse embalo.

Na realidade, o que o senador Buarque queria mesmo dizer é que o Congresso é inoperante em suas atribuições como instituição. Não está agindo como baluarte da verdade, não atua de forma incisiva na busca pelo direito do cidadão, nem representa a democracia como prática de governo.

Grau de confiabilidade

Sem credibilidade e transparência, esboçando uma serie de escândalos envolvendo parlamentares e funcionários da Casa, desvio de verbas publicas, uso e abuso do dinheiro do contribuinte para gastos pessoais, mordomias, apadrinhamento, ‘cala boca’ disfarçado em gratificações e criação de cargos administrativos para ‘renovar’ favores.

É neste cenário que o Congresso Nacional está inserido. O mais preocupante nisso tudo é que a própria imprensa e os parlamentares não deram conta de que se existe uma possibilidade de um plebiscito sobre esta temática, e se o mesmo for legitimado pela população, é a maior prova de que os senadores e deputados não estão trabalhando em prol da sociedade.

E aí? Vão crucificar o povo? Por que o povo está pensando dessa forma? O que estão fazendo nossos parlamentares para obterem o menor grau de confiabilidade como representantes dessa sociedade?

Com a resposta, os parlamentares eleitos pelo povo.

******

Socióloga e jornalista, especialista no Ensino da Comunicação Social, professora do curso de Jornalismo em Multimeios da Universidade do Estado da Bahia (UNEB Campus III – Juazeiro), nas disciplinas Jornalismo Online, Temas Especiais, Administração de Empresa Jornalística e TCC e professora do curso Com. Social Hab. Publicidade e Propaganda da Faculdade São Francisco de Juazeiro nas disciplinas Comunicação Institucional, Sociologia, TCC e Mídia

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem