A Copa dos prodígios | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

FEITOS & DESFEITAS > COPA DO MUNDO

A Copa dos prodígios

Por Alberto Dines em 14/06/2014 na edição 802

Reproduzido do El País Brasil, 13/6/2014; intertítulo do OI

Nunca antes: inédito, inaudito, insólito, incomum, inusitado, surpreendente, sem precedentes: depois de sete anos de apatia e um ano de revoltas, dissidências e fúria, começou a 20ª edição do Mundial de Futebol com uma extraordinária unanimidade: repúdio ao juiz que roubou a nosso favor.

No universo do esporte-rei onde a mão de Deus pode tudo, no país do jeitinho, do tapetão, da cervejinha e da formidável roubalheira, neste eldorado do vale-tudo, paraíso de exemplos nada exemplares, aquela corrente pra frente que em 1970 esqueceu a sangrenta ditadura, novamente endomingada, se levanta contra os malfeitos.

Sublime concordância: o pênalti no centroavante Fred não foi duvidoso – foi rigorosamente inexistente. O mago da grande área, capaz de fazer gols até deitado, forçou a barra, cavou a infração. Não é novidade, manhas fazem parte da perfomance dos grandes astros, sobretudo nestas bandas. Mas o mito do placar indiscutível, venerado como divindade, justo, preciso – padrão FIFA – pifou logo na festa da estreia. O resultado final teria que ser 2 a 1. Não faz diferença nos pontos para a classificação, mas importa muito quando um povo começa a se reencontrar com valores morais.

Vitória sofrida

O papa é argentino, porém Deus continua brasileiro, por isso advertiu os torcedores do Brasil ao vacilar o infalível Neymar na hora de marcar a penalidade indevida: o tiro saiu fraco, dúbio, sem convicção, o goleiro Pletikosa quase desviou. Estamos a caminho de encontrar um novo esquema tático para vencer e convencer no gramado: jogar limpo.

O conceito que permeia as propostas do Bom Senso Futebol Clube tem a ver com uma nascente rejeição a trapaças. A pilantragem incrustada em tantas esferas da vida nacional oferece num segmento – o futebol – nítidos sinais de decrepitude e fadiga. Graças às imposições e arrogâncias da FIFA articula-se um antififismo globalizado capaz de acionar a dinâmica da decência que a paixão pela bola tem condições de tornar insuperável.

O viral que tomou conta da blogosfera com a memorável bronca do pai que casualmente descobriu ser seu filho aquele vândalo mascarado pode ser muito mais eficaz que todo sistema dissuasório montado pelas autoridades para enfrentar as manifestações. Ou mais emocionante do que a vibração cívica do hino nacional cantado a capela.

Nos grotões do Brasil profundo, torcedores que jamais ultrapassaram os limites municipais descobriram a existência de um lindo país chamado Croácia que no último século sobreviveu a três devastadoras guerras, independente há apenas 23 anos, ex-fascista, ex-comunista e hoje democrático, membro da Comunidade Europeia e que, além disso, joga um excelente futebol.

Este inopinado fair play, fruto talvez da sofrida vitória da quinta-feira (12/6), pode nos empurrar para progressos impensáveis. Prodígios do futebol: no Itaquerão, um Maracanazo incruento, sem tragédia. 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem