Domingo, 22 de Julho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº996
Menu

FEITOS & DESFEITAS > LEITURAS DE DOMINGO

A pauta Ingrid Betancourt

Por Alberto Dines em 07/07/2008 na edição 492

A novidade jornalística do fim de semana tem a ver com o resgate de Ingrid Betancourt e mais propriamente com o investimento feito pelos três jornalões nacionais, que rapidamente despacharam repórteres a Bogotá. Quando chegaram à Colômbia, a ex-refém já estava a caminho de Paris para rever os filhos e receber as homenagens de sua segunda pátria.


Mas os enviados especiais trouxeram uma contribuição importante para o leitor brasileiro, a Folha de S.Paulo especialmente: a fria e distante posição do nosso governo não apenas durante o longo seqüestro e as tentativas de negociação, mas também na hora da libertação dos 15 seqüestrados decepcionou os colombianos.


Hugo Chávez, até há pouco inimigo do presidente Uribe, depois da façanha chamou-o de ‘hermano’ e Fidel Castro condenou o seqüestro como anti-revolucionário e desumano.


A nossa diplomacia, famosa por sua competência e agora sob tripla direção perdeu uma rara oportunidade para projetar-se na América do Sul, simplesmente porque não queria desagradar as FARC. A prova disso está nos efusivos agradecimentos de Ingrid Betancourt à presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pelas demonstrações pessoais de carinho. Nenhuma palavra ao Brasil, nenhuma palavra ao governo e ao povo brasileiro.


Se nossos grandes veículos tivessem correspondentes fixos nas principais capitais sul-americanas, nossa diplomacia seria mais cobrada e talvez se comportasse de forma mais esperta e mais humana.


 


Leia também


Terrorismo sem maquiagem — A.D.

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/07/2008 Antonio Carlos Pinheiro

    Os EUA mandam cerca de 5 bilhões de dólares ao governo colombiano ao ano; e, hoje em dia, com o google maps e todos esses recursos, desconfio da incapacidade dos governos colombianos e americanos em aniquilar as FARCs. Será se não têm interesse em que essa guerrilha continue?

  2. Comentou em 08/07/2008 Augusto P. Sollo Sollo

    Apoio as opiniões que dizem que o A.D. está errado, quando critica o Brasíl e sua diplomacia. De fato, Lula agiu como estadista, com o cuidado de não se intrometer nos assuntos internos de outros países. Agora, cá para nós: Ingrid é uma senhora da alta classe social colombiana que foi candidata à presidêcia da República. Talvez por isso derramaram-se lágrimas por ela. Quando foi libertada, estava saudável e sereré, aparência muito distante das fotos divultadas pela imprensa durante o cativeiro e os alarmas de que ela estava morrendo aos poucos. A história da libertação falta esclarecer. Acho que houve acordo com os novos dirigentes das Farc. Algo me diz que os guerrilheiros presos revelam que Uribe traiu o acordo de libertação. Essa de infiltração de militares entre os guerrilheiros é história da carochinha. Agora, Ingrid estava linda e saudável. Nem parecia que teve tratamento desumano numa mata. Nessa parte fomos enganados por aquele drama todo.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem