Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ENTRE ASPAS > LEITURAS DA FOLHA

As reinações do jornalzinho

Por Celso Lungaretti em 20/07/2010 na edição 599

Está na Folha de S.Paulo de 16/7: ‘Ex-prisioneiros cubanos criticam Lula’. Numa entrevista coletiva dos dissidentes recém-libertados, a colaboradora da Folha em Madri recebeu a tarefa de indagar qual a sua opinião sobre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O jornal apostou em que ainda estariam indignados com a posição de Lula face à greve de fome que culminou na morte de Orlando Zapata. Não deu outra.

‘O Lula se aliou ao crime, e não à justiça’, declarou Omar Rodríguez. Outros o secundaram, afirmando que Lula poderia ter salvado a vida de Zapata. Exageraram: não há como, honestamente, responsabilizá-lo por uma morte ocorrida no próprio dia de sua visita. Ele e todos os outros presidentes e premiês do mundo, além do Papa, deixaram de intervir em tempo hábil, apelando por Zapata enquanto sua salvação ainda era possível; na enésima hora não adiantaria fazer mais nada.

Também não é Lula o único governante estrangeiro capaz de influenciar decisões dos irmãos Castro. Na verdade, a greve de fome de Zapata não chamava atenção até o desfecho fatal, mesmo porque vem sendo um recurso utilizado em demasia pelos opositores de consciência cubanos. Deveriam preservá-lo para situações extremas. Então, o mais provável é que Lula nem sequer soubesse de sua existência.

A ‘sorte’ do povo brasileiro

O grande pecado do nosso presidente foi, ao ser surpreendido por um acontecimento imprevisto, deitar falação sobre o que não lhe dizia respeito:

‘A greve de fome não pode ser utilizada como pretexto de direitos humanos para libertar pessoas. Imagina se todos os bandidos que estão presos em São Paulo entrarem em greve de fome e pedirem liberdade!’

Deveria, simplesmente, alegar que se tratava de assunto interno cubano, sobre o qual não lhe cabia se manifestar. ‘Pessoalmente, admiro Lula e sua trajetória. Mas foi infeliz na comparação com os detentos de São Paulo e nos deve desculpas’, disse outro dissidente, Pablo Pacheco. Corretíssimo.

A Folha também foi à caça, por telefone, de um desabafo do Guilherme Fariñas, que deve ser o recordista mundial em quantidade e duração de greves de fome (nunca imaginei que cubanos se igualassem em determinação aos militantes do IRA…). Com todo respeito que sua luta merece, ele também deu exemplo de incontinência verbal:

‘O Lula é um mal-agradecido. Esqueceu-se de sua essência humana. Sorte para o povo brasileiro que já não pode mais ser eleito.’

São palavras ofensivas para o ‘povo brasileiro’, pois dão a entender que este faria a escolha errada se não tivesse a ‘sorte’ de Lula não poder mais ser reeleito.

É outro que deitou falação sobre o que não lhe diz respeito.

O outro lado

Por último, os leitores certamente estranharão o parágrafo final:

‘Ouvido pela Folha, o Palácio do Planalto afirmou que não irá se manifestar sobre as declarações dos ex-presos.’

Dá impressão de falta ou de profissionalismo, ou de argumentos, para responder às acusações. Mas, omitiu-se um detalhe importante: o Planalto foi ‘ouvido’ quando e como?

No tempo em que eu trabalhava na Coordenadoria de Imprensa do governo paulista, o serviço propriamente dito acabava por volta das 21h, mas sempre um de nós ficava de plantão até mais tarde, para qualquer eventualidade. Acontecia de jornalistas ligarem no fim da noite, querendo saber a posição do governador face a qualquer notícia ou declaração adversa, para publicação na edição que estava fechando. Era pura má-fé: sabiam que não havia a menor chance de obtermos um retorno do governador em tempo hábil. Meus colegas de trabalho respondiam que era impossível atender a essa solicitação e o repórter, satisfeito, colocava na matéria que o Palácio dos Bandeirantes não tinha se manifestado.

Eu era mais ousado: de tanto processar entrevistas do governador, estava careca de saber qual seria sua reação face ao que estava sendo perguntado.

Então, não só transmitia ao repórter a posição ‘do Palácio dos Bandeirantes’, como o fazia, vingativamente, da forma mais vagarosa possível, saboreando a aflição do jornalista do outro lado da linha, ansioso por entregar o quanto antes sua matéria…

******

Jornalista e escritor.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem