Sábado, 16 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > AZIAS & ALKA-SELTZER

Bem-vindo ao Observatório, presidente!

Por Alberto Dines em 13/01/2009 na edição 520

O ano começou com um bom debate. Debate sobre a imprensa na imprensa é coisa rara desde o momento em que o assunto foi expurgado pelo pool da grande mídia. E neste comecinho do ano, com metade do país em recesso e a outra metade na sombra, o desempenho da imprensa foi discutido pelo presidente da República em pessoa!


O pronunciamiento está na edição de janeiro da excelente piauí (‘Azia, ou o dia da caça‘, págs. 18-20), a revista mais bem escrita e mais bem editada do Brasil. Esvoaçou pelos jornais (apenas o Estado de S.Paulo comentou em editorial, em 8/1), azedou o humor de poucos colunistas e até provocou a inédita republicação em versão integral (OI e Folha Online, em 9/1, e O Globo, em 10/1, pág. 8).


A reprodução de O Globo veio acompanhada pela informação de que a versão completa foi distribuída pelo Planalto. Não é verdade: as íntegras de todas as manifestações do presidente são disponibilizadas no site da Secretaria de Imprensa da Presidência da República, vinculada à Secretaria de Comunicação Social (Secom).


O assunto morreu e ninguém tentou exumá-lo. O presidente de uma república democrática afirma solenemente que ‘a imprensa brasileira tem um comportamento histórico em relação a mim’, acrescenta que não lê jornais ou revistas ‘por que tem problemas de azia’, anuncia a obsolescência da mídia impressa diante da internet e ponto final, estamos conversados.


‘Questões mercadológicas’


Não estamos: o cidadão-leitor ficou preocupado com a azia (ou pirose) presidencial. Lula vai bem, obrigado, a saúde está ótima, a qualidade das metáforas é que caiu ligeiramente. E o bordão ‘ou seja’ usado com tanta freqüência prejudica a compreensão da frase que pretende explicitar.


O texto da piauí registra que Lula repetiu duas vezes a afirmação de que a sua ascensão à presidência ‘é produto direto da liberdade de imprensa’ e foi enfático ao dizer que não precisa da imprensa para informar-se: ‘Um homem que conversa com o tanto de pessoas que eu converso por dia deve ter uns trinta jornais na cabeça todo santo dia… Não há hipótese de eu estar mal informado’.


O presidente listou alguns pecados clássicos da imprensa (Escola Base etc.), citou distorções e os casos em que foi obrigado a agir judicialmente contra veículos jornalísticos (Folha de S.Paulo e Rede Bandeirantes). Não há má-fé, segundo Lula, apenas ‘questões mercadológicas’. Sensacionalismo, conclui o autor da matéria Mario Sergio Conti, diretor de Redação do mensário desde a sua criação.


Sem embargos


A parte final da entrevista consistiu numa espécie de miniprêmio Esso às estrelas do colunismo conferido pelo chefe da nação. O repórter citava um nome e o presidente sapecava a sua nota. A matéria de piauí reproduziu todos os nomes e respectivos pareceres. Omitiu Mino Carta, não é justo.


A grande verdade é que a matéria de piauí é menos importante pelo que publicou e muito mais pelo que deixou de publicar. Mario Sergio Conti é um dos mais competentes editores de revista do país e certamente tem argumentos para explicar porque uma entrevista exclusiva concedida por um presidente da República tão avesso a entrevistas pessoais sofreu tamanho corte. Tamanha manipulação – esta é a palavra.


O autor da entrevista deve esta explicação à sociedade, aos demais jornalistas, aos historiadores. O que diz um presidente da República num encontro formal, agendado e gravado, não pode estar sujeito a embargos de qualquer natureza. Faz parte da história.


Saldos e balanços


A entrevista aconteceu no dia 18 de dezembro, véspera das festas de fim de ano. A edição de janeiro deveria estar nas bancas na primeira semana útil do ano e, certamente, só ficaram abertas aquelas três pagininhas. O que fazer – reabrir a edição correndo o risco de atrasar a distribuição ou adiar a publicação para fevereiro?


Óbvio, ululante: não se amputa um pronunciamento presidencial. Sob nenhum pretexto. Mesmo que entre entrevistador e entrevistado existam vínculos pessoais, antigas empatias, a função social do jornalista obriga-o a ser rigorosamente fiel ao que foi dito e ouvido. Fiel no tocante ao teor e fiel no tocante à extensão. Um jornalista não tem mandato para avaliar ou eliminar partes de uma manifestação presidencial. A não ser que esteja a serviço do governo. Não é o caso.


A versão publicada pela piauí tem no máximo um terço da íntegra divulgada pela Secom. Justifica-se uma adaptação do texto à linguagem escrita, justificam-se cortes de palavras (ou palavrões) inaudíveis. Injustificável foi a severa compressão. Ou supressão.


Pela íntegra (ver ‘Presidente com azia da imprensa‘) percebe-se que o presidente Lula não quer brigar com a imprensa enquanto instituição. É um extraordinário avanço, admirável trabalho de pacificação empreendido pelo ministro Franklin Martins (que num dos momentos da versão impressa aparece como ‘ministro Franklin de Oliveira’; tudo bem, lembrar o admirável Franklin de Oliveira é sempre oportuno).


Enquanto evita o confronto institucional com a mídia, Lula mostra que não engole certos jornalistas. Daí a azia. Está no seu direito gostar ou não gostar de alguém. O que não pode é manifestar publicamente as antipatias. Equivale a veto, soa como ameaça.


Saldo do episódio: perdeu-se formidável oportunidade de promover um grande e salutar debate sobre a nossa imprensa. Fomos todos relegados à esfera gástrica. Não merecemos.


O presidente está tinindo. Pronto para participar do Observatório da Imprensa. Vai gostar: as entrevistas não são editadas.


***


Num dos trechos eliminados, o presidente Lula rebate a acusação de que o governo ajuda pequenos veículos com grandes verbas de publicidade oficial. Lula alega que a distribuição de verbas obedece a critérios técnicos, não há privilégios. ‘Não é assim que eu trabalho.’


Na última edição de CartaCapital foram publicadas 11 páginas de anúncios: seis pagas por entidades federais e governos estaduais do PT: 54,5%.


***


Para entrar no clima da piauí, mensagem aos companheiros do watch-room do Planalto: este observador é admirador de Lev Davidovitch Bronstein desde o início dos anos 1950. E enquanto espera o entrevistado poderá trocar alguns dedos de prosa com Clara Ant em idisch (e não iídiche).

Todos os comentários

  1. Comentou em 15/01/2009 Rogério Furtado

    Alô, Alberto Dines, li sobre você no blog do Mino Carta:
    ‘Recordo, porém, fotos dele, ainda jovem e pimpão. Uma o retrata a receber uma medalha na praça dos Três Poderes, ou em logradouro semelhante, das mãos do ministro da Aeronáutica, em plena ditadura. Ou seria da Marinha?’
    Pergunto: deu pra falar com o tal ministro em iídiche (Aurélio e Hoaiss mandam escrever assim)? Você ainda guarda a medalhinha? Que bons serviços você prestou, rapaz?

  2. Comentou em 14/01/2009 nilton franzoi

    Lula nao generalizou ,mas,deixou claro q a internet oferece uma noticia melhor q os telejornais ,radios em fim…exemplo este site(observatorio da imprensa)informa bem e explica,isto é fato.Lula exagerou?nao,pois assisto telejornais sobre a materia de politica e vi muita coisa errada.1997 quando houve muita zoeira no congresso ,a imprensa só mostrava a positividade no brasil,pelo menos neste governo a corrupçao nao ficou escondida,mas a imprensa nao acha isso.quando comecei assistir o observatorio d/imp. na antiga TVE vi toda a verdade,foi graças o observatorio q eu entendi a diferensa entre jornal e jornaléco milionario.

  3. Comentou em 14/01/2009 Rogério Ferraz Alencar

    ‘Saldo do episódio: perdeu-se formidável oportunidade de promover um grande e salutar debate sobre a nossa imprensa. Fomos todos relegados à esfera gástrica. Não merecemos.’ Não merecem? Há controvérsia…/// Acho Sidnei Brito deu boa idéia, e Tiago Ferraz fez boa observação. Como vários leitores falaram em José Serra, e no favorecimento que a mídia dá a ele, me lembrei: Alberto Dines, há umas três semanas, sentou a pua em Aécio Neves, que, segundo ele, se omitiu em relação às enchentes em Minas. Pois bem: José Serra nada disse sobre as enchentes em São Paulo, onde, até na capital, morreu gente por causa delas. E Alberto Dines nem aí…

  4. Comentou em 14/01/2009 Fábio Missura

    ‘O assunto morreu e ninguém tentou exumá-lo’ Claro que não, pois a grande mídia sabe que o Lula tem razão!

  5. Comentou em 14/01/2009 Fábio Missura

    ‘O assunto morreu e ninguém tentou exumá-lo’ Claro que não, pois a grande mídia sabe que o Lula tem razão!

  6. Comentou em 13/01/2009 maria luizateixeira

    Pois é, Dines, luta manifesta sua antipatia a determinados jornalistas e isso é uma ameaça… já Serra não fala nada e demite… vc acha melhor? Ou só não acharia se o demitido fosse outro que não o Nassif?
    Olha que começa a dar azia de ler certos jornalistas do Observatório também…
    Mas não se preocupe… a gente fica só com azia, tucanos passararalho…

  7. Comentou em 13/01/2009 Rodrigo Whatever

    Dines,
    Lamentável algo que se supõe um observatório que, se não imparcial, deveria tentar ser isento, imprimir um viés tão pró-Israel às avaliações sobre a cobertura da imprensa brasileira da ofensiva em Gaza. Quando Estadão, Folha e Globo conseguem ser mais imparciais e pluralistas que o OI, é porque alguma coisa está muito errada…

  8. Comentou em 13/01/2009 Luiz Armando B.

    Concordo com Alexandre, Renata e Marcelo. Não concordo com o Dines em relação aos limites que pretende impor ao presidente para que expresse opiniões sobre alguns jornalistas medíocres (desde que as críticas não constituam, como não é o caso das ‘notas’, veto ou ameaça).

  9. Comentou em 13/01/2009 Mauro Gilberto Simas

    Quando o presidente Lula falou sobre a imprensa com azia, certamente ele deve ter lembrando que imprensa paulista em especial o jornal Estado de S.Paulo parece mais assessor de imprensa de Serra e Alckmin do que um jornal que deve tentar manter uma certa imparcialidade na veiculação de informações.
    É incrível ver em todos os meios de comunicação de São Paulo a linearidade de idéias de jornalistas dos principais jornais e revistas com o entreguismo, elitismo de partidos como o PSDB. Não sou PTista, mas é incrível perceber um certo ranço partidario com relação ao PT.Hoje no Estadão um editorial estava elogiando a admnistração Serra por diminuir a quantidade de remédios distribuidos gratuitamente.As justificativas dadas pelo editorial são as mesmas da assessoria de imprensa do partido do mesmo. É ridículo esse papel de cabo eleitoral que esse jornal e outros tb exercem a favor de administrações tucanas. Desde o começo da prefeitura de Serra, o Estadão vem elogiando quase que todas as atitudes tomadas por ele e culpa todas as difuculdades e escorregões do prefeito a antiga administração.Assim como faz com o governador Alckmin, o qual é poupado de críticas e sempre elogiado pessoalmente pelo jornal. Parece que o Estadão junto com a Folha e é claro a Veja já estão preparando para favorecer a candidatura tucana nas próximas eleições. http://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com

  10. Comentou em 13/01/2009 Marcelo Carvalho

    Devo concordar com a Renata. O Presidente tem todo o direito constitucional de gostar ou simpatizar com quem quer que seja; não pode, isso sim, usar de tal antipatia para censurar, vetar ou agredir o ‘antipático’. Liberdade de imprensa é poder dizer tudo sobre o presidente (só não vale ofensa!). Liberdade de expressão, tão exigida por você, caro Dines, também é ouvir do Presidente as causas da ‘azia’.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem