Domingo, 22 de Julho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº996
Menu

FEITOS & DESFEITAS > IMPRENSA SOB CONTROLE

Breves considerações (e hipóteses) sobre ‘grampo’ no jornalismo

Por Sérgio Luiz Gadini em 15/07/2008 na edição 494

Uma das coisas com as quais não se pode concordar – que acontece em alguns municípios do interior do Paraná e na região dos Campos Gerais não é diferente – é o hábito que algumas bancas, mercados e até livrarias têm de grampear os jornais impressos.

Como se sabe, na maioria das capitais brasileiras, e mesmo em cidades de inúmeros países do mundo, o jornal fica ali, na calçada, na praça, expondo a primeira página aberta na parte externa da banca, buscando motivar o leitor à compra, ou pelo menos para reunir interessados em manchetes ou chamadas de capa.

Por aqui, talvez o temor ou crença de que os poucos compradores de jornais impressos poderiam reduzir, caso tivessem acesso ao produto antes de pagar, leva alguns proprietários de bancas, mercearias e até livrarias a grampearem o jornal. Assim, tentam criar um mistério com o que o comprador pode encontrar no miolo do produto, caso tenha dinheiro e concorde em pagar o valor de mercado. O hipotético mistério, aí, ganha um duplo sentido: o (in)explicável grampo e, ao esconder o projeto, a promessa de algo inédito no embrulho, só acessível aos que topam pagar.

Uma amiga que conheceu os Campos Gerais, lançou, dia desses, o desafio de (se) encontrar uma explicação lógica e defensável para tal prática mercantil. Depois disso, andei circulando em outras bancas – além das já conhecidas, algumas das quais administradas por educados comerciantes – mas a resposta continua distante.

‘Proibido folhear’

Daí, o esforço em abordar o assunto. Quem sabe, alguém arrisca uma explicação para este negócio! Até o momento, contudo, nada. ‘Outro engano da mídia’, sugerem alguns adeptos tardios das interpretações frankfurteanas. ‘Uma bem bolada tática publicitária’, podem pensar vendedores de embalagens eficientes. Ou, ainda, ‘uma burrice que afasta o leitor’. Tal prática em nada se aproxima dos tradicionais e espontâneos apelos dos feirantes e mercadores, que insistem para que o cliente arrisque uma prova, experimente, para se sentir encantado com o produto em oferta. Deve existir uma gama de interpretações possíveis.

O que chama atenção é o fato de que grampo pressupõe uma ‘segurança’ no produto, um lacre – rude, é claro, mas se trata de um lacre – que indica embalagem segura, que ninguém usou ou leu e, pois, estaria intacto. É de se imaginar um leitor, virtual comprador de jornal numa das mais prestigiadas livrarias da cidade, se sentir mais tranqüilo ao levar um periódico com o devido lacre (digo, grampo), pois não foi lido por nenhum outro espertinho que não gosta de pagar.

Mas fosse apenas o grampo o hipotético mistério seria menos desafiador. Dramático é verificar, também, que alguns estabelecimentos expõem cartazes – muitas vezes com grafia não tão visível – alertando: ‘É proibido folhear jornais ou revistas’. Pronto: dado o recado! Aqui, ou lá, no referido estabelecimento, só fica na banda (melhor, banca) se tem dinheiro para levar. Do contrário, já não se vende fiado, imagine ‘folhear’ tais produtos?

Dispositivo de controle de embalagem

Alguns cartazes, aliás – talvez por uma ausência de familiaridade do autor com as regras gramaticais da língua padrão –, ainda proíbem de ‘folear’ ou ‘foliar’ revista e jornal. Quem sabe, até, o autor optou por tal grafia, associando o virar página de jornal com papéis pela calçada, o que poderia indicar uma espécie de ‘folia’, possivelmente numa aproximação com atividades festivas (sacras ou profanas).

Será que isso pode ganhar adesão e envolver os livros de estantes de livrarias comerciais? Saint dieu! Que ninguém leia este negócio! Melhor ficar no plano da imaginação. Mesmo sem entender os motivos e justificativas para se fechar um produto que poderia funcionar como dispositivo de informação e interesse público. Como alguns jornais ou revistas se propõem a ser.

Enfim, este tipo de grampo – aparentemente fácil e simples – pode ser tão danoso quanto aqueles grampos que tentam controlar vozes e ações humanas. O grampo, do grampeador que se paga 1,99 em lojas de calçadão e galerias populares, é uma prática de mercado. E não contribui em nada para deixar a comunicação mais eficaz e democrática, pois continua sendo um mero dispositivo de controle de embalagem, que indica acesso aos poucos que podem pagar. Por isso, ele também não parece ser um ‘grampo’ simples, usado por supostos inocentes (úteis ou não).

******

Leitor de jornal (às vezes, também nas bancas que deixam folhear)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem