Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

FEITOS & DESFEITAS > JB EM JUIZ DE FORA, MG

Camelotagem jornalística

Por Ivanir Yazbeck em 04/10/2005 na edição 349

Da mesma forma que se canta que um dia o sertão vai virar mar, Juiz de Fora virou Ubá… Assim foi num suplemento caça-níqueis que o Jornal do Brasil circulou domingo (25/9), cujo tema era ‘Juiz de Fora – Terra de oportunidades’.

Na capa do tablóide, os leitores se depararam com uma estranha foto panorâmica da cidade, de um ângulo que ninguém conhecia – até que se descobriu que aquilo era Ubá, e não Juiz de Fora – um erro tão grosseiro como o do NYTimes ilustrar uma reportagem sobre o Rio de Janeiro com uma foto de Cabo Frio.

No expediente, quem assume a responsabilidade pela coisa é um tal Departamento de Projetos Especiais, e não um editor-jornalista, como se espera de um veículo com informações jornalísticas.

O ‘engano’ da diagramação

Leitores do JB – os poucos que ainda se mantêm fiéis àquele que um dia foi a referência nacional de jornalismo ético, atraente, inovador, desde fins dos anos 1950 até meados dos 1970 – muitos deles manifestaram seu espanto e protesto em e-mails enviados ao jornal, exigindo retificação. Nenhum deles mereceu retorno, ainda que formal. Outros tentaram registrar seu protesto pelo telefone. Atendida por uma central de atendimento ao leitor, a ligação era repassada ao Departamento de Projetos Especiais. Mas, após espera irritante, desistia-se. [Aí vai ele para quem quiser checar: (21) 2101-4364.]

O professor Adilson Zappa, um dos introdutores do curso de Comunicação na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), detectou, além do absurdo na troca das fotos, uma série de erros primários de redação: ‘Os textos pareciam de ginasianos, sem nenhuma noção de notícia, e ainda por cima, com dados apurados por telefone, e não pessoalmente, como se exige de uma boa apuração de reportagem.’

Zappa tanto insistiu em ser ouvido por alguém responsável pela edição que acabou sendo atendido por uma burocrata do tal departamento. Entre outras barbaridades para justificar o injustificável, ficou sabendo que a foto de Ubá é de 1997, e que ela estava arquivada na pasta de fotos de Juiz de Fora. Daí, o ‘engano’ da diagramação. E mais: para sanar um pouquinho o mal-estar, o jornal está agendando uma entrevista com o prefeito Carlos Alberto Bejani… e que nada mais poderá ser feito.

Um por fora

Dos anunciantes induzidos a comprar espaço no tablóide-exaltação (a Prefeitura Municipal, que ocupou a página central e, em páginas inteiras, UFJF, Belgo Mineira, Unipac, Pangea, Villa Empreendimentos, Cofercil, Cave e mais de uma dezena de empresas em espaços menores), espera-se que se unam na exigência de uma reedição do tablóide com a correção e as desculpas de praxe. Ou que paguem a fatura, sem chiar, tornando-se coniventes com a gafe jornalística (gafe é um eufemismo bastante delicado para classificar o erro).

E que eles, os anunciantes, fiquem sabendo: no próximo ano, novamente, o tal Departamento de Projetos Especiais do JB voltará a bater em suas portas prometendo mais um tablóide (de circulação regional, no máximo uns dois mil exemplares, e olhe lá, e não nacional, como apregoam, no máximo uns 60 mil). A pauta será a mesma, os textos requentados, e nenhuma novidade em relação aos anteriores – exceto que terão mais cuidado em selecionar a foto da cidade em questão, sobre isso, não há dúvida. Em troca, levarão daqui uma boa grana, que deveria ser mais bem empregada em iniciativas e projetos culturais locais. Em vez disso, estimulará o JB em sua luta inglória contra o rebaixamento a jornal de segunda categoria.

Na verdade, o objetivo do JB era mesmo faturar um por fora de seu padrão diário. No velho jargão das redações, uma bela picaretagem. Só que desta vez, mal sucedida, explicitamente na capa, onde a simpática e vizinha Ubá tornou-se Juiz de Fora – a ‘terra das oportunidades’ para os camelôs, por exemplo, que vêm da Baixada Fluminense para explorar seus negócios em bancas que armam no Centro da cidade, oferecendo aos incautos artigos piratas como verdadeiros. Foi o que o JB fez com os anunciantes que tornaram realidade o tablóide: camelotagem jornalística…

(O autor trabalhou por 20 anos no Jornal do Brasil, participou das evoluções que o elevaram à grande escola do jornalismo brasileiro nas décadas de 1960 e 1970, e se desligou da empresa, em 1982, quando o declínio já era visível e seu futuro se prenunciava de decadência irreversível.)

******

Jornalista e escritor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem