Sexta-feira, 20 de Julho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº996
Menu

FEITOS & DESFEITAS > FOLHA DE S. PAULO

Carlos Eduardo Lins da Silva

22/07/2008 na edição 495

‘A recente prisão de Daniel Dantas, Salvatore Cacciola e outros acusados de crimes de colarinho branco, ainda que temporária, independentemente da comprovação de sua culpa, tem um importante significado simbólico positivo para a sociedade brasileira.

Infrações à lei cometidas por pessoas ricas, de respeitabilidade e alto status social não costumavam nem ser investigadas no Brasil, quanto mais minimamente punidas.

Quando se lia sobre ´mestres do universo´, como são conhecidos os grandes gênios financeiros, como Michael Milken, condenados a anos de reclusão nos EUA, costumava-se apontar esses casos como sintoma do sucesso institucional alheio e fracasso nosso.

Agora, o país se acostuma a ver alguns de seus principais magnatas, que gozavam da fama -justificada ou não- de useiros violadores da lei deixarem de desfrutar de impunidade garantida.

E como o jornal lida com isso? A Operação Satiagraha provocou verdadeira comoção entre leitores da Folha. Mais de 250 se manifestaram ao ombudsman, a maioria absoluta com críticas à cobertura.

Muitas me pareceram improcedentes e movidas apenas pela guerra sectária de petistas e tucanos que envenena o ambiente social e político brasileiro. Mas algumas são muito bem fundamentadas.

Minha maior crítica é ao que a Folha tem deixado de fazer. Como muito bem afirmou o leitor Gabriel Pinto, em vez de ´adotar seja um enfoque crítico, seja promover uma descrição densa dos fatos, ela se perdeu na descrição de fatos inúteis´.

Um exemplo foi a reportagem que parece ter tentado invalidar todo o inquérito da Polícia Federal a partir da desqualificação de seu autor por ele cometer erros de português no relatório. Para azar do jornal, a própria reportagem continha erros gramaticais.

Outro exemplo foi resumir a entrevista do juiz do caso na quinta-feira a aspectos de sua aparência psicológica em vez de discutir, mesmo sem citá-lo, a possibilidade que ele levantou de a legislação vir a ser modificada para travar a punição de crimes de colarinho branco. O leitor Júlio Simões se queixou de só ter sabido das opiniões do juiz porque as leu num concorrente da Folha.

Trata-se da mania de examinar o autor das idéias em vez delas. É o contrário do que precisa ser feito para o debate intelectual avançar.

Como lembrou a leitora Maria Tereza de Souza, faltou buscar exemplos internacionais. Como é a concessão de habeas corpus por tribunais superiores nos EUA, na Alemanha? Como se deu a Operação Mãos Limpas na Itália?

A Folha se prendeu ao imediato, ao acessório e, nesse plano, não foi mal. Mas, mesmo aí, até agora não apresentou uma boa análise de conjuntura sobre as conseqüências políticas possíveis no seio do governo federal da Satiagraha nem das dissensões internas do PT que a tornaram possível do jeito atabalhoado que ocorreu.

O jornal também não mostrou ainda com detalhe o grau de enraizamento do grupo de Daniel Dantas na política brasileira. O perfil do financista foi curto e ralo. Não foram exploradas a fundo suas relações com PSDB, DEM, PMDB, além do PT, nem com figuras de frente desses partidos.

Houve omissões importantes e injustificáveis. Nenhuma linha foi publicada sobre a relação de negócios entre a irmã de Dantas e a filha de José Serra, apesar de esta ter até divulgado um comunicado de imprensa para esclarecê-la.

A Folha, a seu favor, foi quem mais noticiou -na grande imprensa- as suspeitas sobre jornalistas levantadas pelo inquérito, na maioria absoluta inconsistentes. Mas não debateu temas importantes como a função de vazamentos seletivos por fontes policiais e de governo.’

***

‘Polarização de atitudes’, copyright Folha de S. Paulo, 20/7/08.

‘Vários leitores manifestaram interesse em saber mais sobre as pesquisas a que me referi no domingo passado que demonstram como o cérebro humano funciona para interpretar de maneiras opostas uma mesma informação, de acordo com opiniões anteriores a respeito do assunto de que trata.

O tema é fascinante e tem tudo a ver com reações impetuosas, radicais, exageradas, provocadas por notícias que atraem atenção generalizada, como a prisão de Daniel Dantas e seus desdobramentos.

Infelizmente, este não é o espaço para um debate mais aprofundado a respeito das experiências científicas mencionadas na coluna anterior. Mas elas podem ser lidas por quem quiser. Os endereços na internet para acessar os artigos acadêmicos que as descrevem estão ao fim desta nota.

Por enquanto, vale a pena ressaltar que suas conclusões reforçam uma visão pessimista. O acirramento do debate entre partidários do PT e do PSDB tende a fazer com que os dois lados enviesem cada vez mais sua leitura de dados empíricos em princípio objetivos.’

Na internet

http://faculty-gsb.stanford.edu/heath/documents/PSPB-FragaleHeath.pdf

http://synapse.princeton.edu/~sam/lord-ross-lepper79-JPSP-biased-assimilation-and-attitude-polarization.pdf

***

‘Para ler’, copyright Folha de S. Paulo, 20/7/08.

‘´Anatomia da Reportagem´, de Frederico Vasconcellos, Publifolha, 2007 (a partir de R$ 21,60) – umm dos melhores repórteres brasileiros mostra as dificuldades de investigar empresas, governos e tribunais, exatamente quem precisa ser investigado no caso Satiagraha

Para ver

´A Fogueira das Vaidades´, de Brian De Palma, com Tom Hanks, Mellanie Griffith e Morgan Freeman, 1991 (a partir de R$ 19,90) – a história de um ´mestre do universo´, que ao cair em desgraça vê antigos aduladores, inclusive jornalistas, festejar sobre seus destroços

´Wall Street´, de Oliver Stone, com Charlie Sheen, Michael Douglas e Martin Sheen, 1987 (a partir de R$ 12,90) – bom retrato da amoralidade que domina a vida de pessoas que se dedicam acima de tudo à arte de ganhar dinheiro

Assuntos mais comentados da semana

1. Operação Satiagraha

2. Sessão de ´descarrego´

3. Eleições municipais

ONDE O JORNAL FOI BEM

Equilíbrio

Muito útil o serviço prestado pelo suplemento ao listar cem idéias para melhorar a vida de quem passou dos 60 anos

Mais!

Artigos inteligentes de autores importantes ajudam a compreender os EUA às vésperas de uma de suas mais importantes eleições

E ONDE FOI MAL

Descarrego

Reportagem generaliza para todas as igrejas evangélicas prática usada por uma denominação, comete outros erros e não é corrigida

PSOL

Partido que teve 7% dos votos na eleição presidencial tem sido ignorado na cobertura das eleições municipais; nem presença de candidato em debate é registrada’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem