Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

‘Catolé do Norte’, praça de guerra…

01/09/2009 na edição 553

‘Papai, olha aquele homem ali, é o Chico César?’

‘É, filho, é ele mesmo…’

‘O que ele fazendo aqui no Shopping Sul? Ele é de verdade?’

‘Filho, ele é de verdade, sim, é mesmo o Chico César.’

‘E o que ele vai fazer lá em cima, papai?’

‘O mesmo que a gente fez: almoçar fora porque hoje é sábado…’

O diálogo entre pai e filho se encerra ao cruzarmos com o cantor de Catolé do Rocha que vai subindo a rampa. Ele escuta parte da conversa e, apressado, sorri para os fãs.

Como sempre, não acredito em coincidências, depois explico o porquê.

Ao chegarmos a casa, abro a caixa de correio em busca da revista Veja ou do jornal de domingo, que eles teimam em nos antecipar nos tediosos dias de sábado. Ela está lá, sim, bem no fundo, enrolada como uma cobra de papel colorido.

A ‘notável’ entrevistadora

Aos lulistas de plantão ou esquerdistas asmáticos, daqueles que desmaiam ao ouvir qualquer referência à direita, vou logo explicando que não assinei a revista, apesar de recebê-la com regularidade. Como é que é? Eu era um dos milhares consumidores da Revista da Semana, do Grupo Abril, publicação bem legal, num formato econômico, que tinha tudo para dar certo. Sem mais nem menos, a Abril acabou com a magra revista e nos enviou uma correspondência avisando que não teríamos nenhum prejuízo, pois seríamos agora assinantes de Veja. Como ensino a disciplina Redação em Revista no Curso de Comunicação Social da UEPB, em Campina Grande, aproveitei a promoção apenas para ter mais assunto nas minhas aulas.

Agora vamos às coincidências. Pois bem, achava que tinha encontrado o Chico César por acaso…

Estava folheando a revista e vendo o desafio de se fazer uma publicação semanal no Brasil, lugar de escândalos quase diários. Pois bem, para dar uma arejada no leitor ou para aproveitar a queda nos preços das passagens aéreas por conta da tal da gripe suína, escalaram a repórter Thaís Oyama para entrar no que Veja considera o ‘país mais fechado e estranho do mundo’: Coreia do Norte.

Lembrei que, coisa de dez anos atrás, em Campina Grande, mais precisamente no auditório da Associação Comercial, cedido gentilmente ao Curso de Comunicação, fui um dos incautos a compor a platéia formada quase totalmente de estudantes de Jornalismo ávidos a escutar os conselhos da então ‘notável’ entrevistadora de páginas amarelas da principal revista do grupo Abril, Thaís Oyama.

‘Opção por armas nucleares’

O burburinho dos estudantes só seria aplacado quando a professora Socorro Palito foi ao microfone dizendo ‘Alô, alô, alô, som… Boa noite!’ Convidou para o palco principal a repórter de Veja, que daria uma palestra sobre a entrevista jornalística. Do meio da estudantada surge uma moça de descendência japonesa, trajando um vestidinho básico preto. Contratada dois anos antes para compor a equipe da Abril, ela passeia pelas recomendações básicas para uma boa entrevista, fala da importância dos equipamentos, das pilhas do gravador, da fita etc. Os estudantes, maravilhados com as informações óbvias, não escondem o delírio de estarem vendo alguém de Veja, veja que subdesenvolvimento regional ainda sofríamos. O meu bom humor de sempre foi substituído por uma cara feia, daquelas de quem ouviu e não gostou. Fiquei pensando nas minhas aulas de teóricas sobre reportagem, todas inúteis frente aos olhos da jornalista de SP.

Anos depois, já em 2008, Thaís Oyama continua suas dicas no livro A arte de entrevistar bem, publicado pela Editora Contexto (de São Paulo) e consumido e fotocopiado aos montes pelos estudantes de Jornalismo de todo país… São as mesmas informações, me decepciono ao comprar o livrinho, lá na Livraria Almeida. E agora, na orelha do manual, ela se diz especialista em palestras sobre técnicas de entrevistas…

Mas o que tem a ver o olhar de Thaís Oyama na ‘reportagem especial’ de doze páginas de Veja sobre a Coréia do Norte com o nosso Chico César de Catolé do Rocha? Pois bem, ao escrever sobre o filho do líder comunista norte-coreano Kim Jong-II, Thaís Oyama nos lança o seguinte comentário: ‘Onde está Kim Jong-II, o filho? Não demora para o visitante entender que o tirano norte-coreano, de cabelos espetados como os do cantor Chico César, é, entre os Kims, o menor. O `Querido Líder´, como é chamado no país, é pouco mais do que o representante de seu pai na terra (…)’ (p. 107-8), e, mais adiante, ela completa sua comparação com a frase: ‘O Chico César coreano não é exatamente um gênio da política e da administração – sua opção preferencial é pelo investimento em armas nucleares’ (p.108).

Revisor da Abril

‘Catolé do Rocha/ Praça de Guerra/ Catolé do Rocha/ onde o homem bode berra.’

Caro professor e poeta Amador Ribeiro Neto, será que finalmente entendi a letra de Beradêro, cantada à capela, que ecoa desde o distante primeiro disco do paraibano Chico César em ‘Aos vivos’ de 1995? Ou a repórter de Veja, enviada aos confins da terra, a um ‘país fechado e estranho’, errou a mão (ou melhor, o cabelo) na comparação superficial e sem sentido entre o ditador norte-coreano e o cantor paraibano? Acho que sim. Entre o olho vesgo para a direita de Veja e o olhar preconceituoso com os cabelos de Chico César, Oyama esqueceu de se reconhecer num país de milhares de pessoas de olhinhos simpáticos, esqueceu das diferenças entre oriente e ocidente. Perdeu uma grande chance.

E olha que o Chico César já tinha cantado tal questão num disco chamado paradoxalmente de ‘Respeitem meus cabelos brancos’, lançado em 2002, do qual vale transcrever parte da letra: ‘Respeitem meus cabelos brancos/ Chegou a hora de falar, vamos ser francos/ Pois quando o preto fala, o branco cala ou deixa a sala com veludo nos tamancos/ Cabelo veio da África, junto com meus santos (….) Batuques, toques, mandingas, danças, tranças, cantos/ Respeitem meus cabelos brancos/ Se eu quero pixaim, deixa!/ Se eu quero enrolar, deixa!/ Se eu quero colorir, deixa!/ Se eu quero assanhar, deixa!/ Deixa, deixa a madeixa balançar (…) /fui claro?’

Não podia terminar sem lembrar ao leitor que, antes de despontar no cenário musical brasileiro contemporâneo como um dos grandes compositores do país, Chico César trabalhou duro como revisor na Editora Abril, lá em São Paulo, nesse ‘lugar fechado e estranho’ de um país aberto chamado Brasil.

Com certeza, ele não deixaria passar uma comparação sem nexo desse tipo!

******

Professor do curso de Comunicação Social da UEPB, Campina Grande, PB

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem