Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Como derrubar notícias e abortar debates

Por Alberto Dines em 29/04/2008 na edição 483

Fala pouco o ministro da Comunicação Social, jornalista Franklin Martins. Fala pouco, porém atua muito – é um dos mais influentes na esfera palaciana.


Na sexta-feira (25/4) participou dos debates da Conferência Nacional de Comunicação, promovida pelo PT, e pronunciou-se claramente sobre questões muito importantes: criticou o governo no tocante às rádios comunitárias, criticou os petistas que se agarram ao discurso de enfrentamento com as empresas de comunicação, e criticou a concentração da mídia na mão de poucas empresas.


Um prato cheio, se não houvesse a deliberada intenção de minimizar o que o ministro disse. Os jornalões paulistanos cobriram o evento, mas no dia seguinte preferiram publicar resumos irrisórios.


Sabe-se que a mídia não gosta de se ver no espelho. Agora ficou evidente sua má vontade com o ex-comentarista político da TV Globo. Má vontade tornada patente antes mesmo que assumisse formalmente o cargo no Planalto. Pode ser represália às anteriores tiradas antimídia do presidente da República ou antipatia corporativa a uma estrela do jornalismo que preferiu trocar de lado. À primeira vista, quem sai perdendo são os leitores; prejuízo maior é dos jornais que cobriram a fala do ministro e a derrubaram sem cerimônias.


No dia seguinte, sábado (26) o Estado de S.Paulo publicou no pé da página A-6 uma materiazinha com o seguinte título: ‘Franklin critica governo em encontro de petistas’. O motivo da reclamação: bagunça no setor das rádios comunitárias. ‘Há rádios que funcionam clandestinamente, outras que funcionam legalmente, mas não são comunitárias’. Antes, Franklin dissera que ‘não há justificativa para o governo Lula não ter honrado os compromissos que fez em relação às rádios comunitárias’.


Mídia não discute a mídia


O ministro foi adiante e enfrentou um assunto tabu sem meias-palavras: o conflito governo-mídia. Advertiu os companheiros que ‘sempre se pode cair na tentação de resolver um problema político, econômico ou social com medidas administrativas’. Segundo ele, o PT precisa entender como funciona a imprensa. ‘Por trás do discurso do enfrentamento (…) existe uma enorme dificuldade para travar a disputa política nos meios de comunicação’. Concluiu o Estadão: ‘Apesar da estocada, Franklin foi muito aplaudido’.


A Folha ressaltou outro ângulo da fala do ministro em matéria ainda menor, porém igualmente relevante: ‘Temos que trabalhar para diminuir a concentração existente nos meios de comunicação onde os mesmos grupos mantêm rádios, TVs e jornais. A propriedade é totalmente cruzada, precisamos discutir isso, não sei se existe uma forma de descentralizar’ (26/4, pág A-7).


Último sábado do mês, jornais carregados de anúncios, espaço de sobra: não se justifica a manobra para abortar um estimulante debate nos dias seguintes. Se a mídia não quer discutir a mídia, não deveria espernear tanto contra pressões e incompreensões.


***


O mais curioso é que dos três temas examinados por Franklin Martins, dois deles estavam na pauta do desaparecido Conselho de Comunicação Social (rádios comunitárias e concentração da mídia). Com relação ao CCS parece que há um consenso nacional: ninguém está interessado em ressuscitá-lo.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem