Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

FEITOS & DESFEITAS > NÚMERO-NOTÍCIA

Como mentir com estatística

Por Ricardo Mioto em 12/05/2015 na edição 850

Quanto mais as pessoas se divorciam no Estado americano do Maine, maior fica o consumo de margarina naquele país. Por outro lado, quanto mais Nicolas Cage lança filmes em um ano, menos pessoas morrem em acidentes de helicóptero.

Quem diz isso são os números. A correlação é muito forte, não há o que se questionar. Certo? Errado, óbvio.

O doutorando em direito em Harvard Tyler Vigen criou um site (tylervigen.com) para mostrar com exemplos engraçados algo que os estatísticos já sabem há muito tempo: correlação não significa causalidade. Mesmo quanto a correlação é muito forte.

Abra o jornal. Veja a frequência com que argumentos estatísticos questionáveis são utilizados por políticos ou analistas. Após determinada lei, o número de homicídios caiu. Tal governo fez o desemprego ser mais baixo.

Vigen lembra que o mundo é muito mais complexo. “Coincidências existem”, diz. “Para estabelecer relações entre duas variáveis, temos de analisar muito bem quais são as relações causais entre elas.”

Ele lembra que estatísticos têm várias ferramentas à disposição para analisar correlações. A mais clássica, que ele usa, mede só o quanto duas variáveis caminham juntas. Se a correlação é 1, então elas se relacionam perfeitamente: se uma cresce, a outra faz igual na mesma proporção.

Se esse valor é -1, então a correção é perfeitamente inversa: toda vez que uma variável cresce, a outra diminui na mesma razão. Por fim, se a correlação é 0, os dados se absolutamente independentes.

Sabe qual a correlação entre o número de americanos que se afogam por ano depois de caírem de um barco quando pescavam e a taxa de casamentos em Kentucky?

Impressionantes 0,95.

E entre a idade da Miss América e o número de assassinatos por queimadura no país? É 0,87 –quanto mais velha a moça, mais você deve suspeitar de quem chega perto com água fervente.

(Nos EUA, eles têm mesmo estatísticas para tudo.)

Modos mais sofisticados de análise estão à disposição. Um conceito importantíssimo é o de significância estatística –com ele, é possível calcular a chance de um resultado ser fruto de mero acaso.

O problema que Vigen tenta apontar é que todo esse arsenal mais robusto da estatística é complicado de compreender e muitas vezes acaba ignorado pelo público.

Eis um bom motivo para ensinar matemática direito nas escolas. Toda vez que um país fracassa com a disciplina, condena gerações a uma vida de conclusões erradas.

Mentiras

Vigen é fã do clássico “Como Mentir com Estatísticas”, de 1954, por Darrell Huff –por incrível que pareça, ele era jornalista, não matemático.

O estatístico Marcelo Menezes Reis, da Universidade Federal de Santa Catarina, também fã do livro de Huff, escreveu uma interessante página sobre o tema (www.inf.ufsc.br/~marcelo/contest.html). Ele quer evitar que “o fascínio por números e percentagens turve o senso crítico das pessoas”.

Um exemplo de malabarismo estatístico comum citado por ele é a utilização sem cuidado da média. Imagine uma empresa em que quatro funcionários recebem R$ 300; outros três, R$ 400. Um único, porém, ganha R$ 25.000. A média salarial é de R$ 3.350 –esse povo não ganha tão mal, alguém poderia dizer.

Em outras palavras, um sujeito com a cabeça no forno e as pernas na geladeira está com a temperatura corporal média ótima. É piada, mas pode convencer.

***

Ricardo Mioto é editor-adjunto de “Cotidiano” da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem