Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > VISÕES DE PORTUGAL

Crioulo Doido faz matéria de turismo

Por Carlos H. Knapp em 17/06/2008 na edição 490

Com um sorriso irônico, Carlos Saboga, querido amigo e cineasta português a quem fui visitar há três semanas, me estendeu recorte de Mulher Moderna, semanário de Lisboa, onde li o seguinte:

Será que existe outra Lisboa?

A falta de conhecimento do nosso país por terras americanas é algo a que estamos habituados. Parecia difícil imaginar que uma publicação brasileira, especializada em viagens, pudesse ser tão ‘imprecisa’ sobre o nosso país, em particular, Lisboa. Turismo & Negócios foi fundada há 12 anos em Maceió e circula por toda a América do Sul. Bom, vamos lá ao que interessa. Aqui fica um excerto do texto que nos faz pensar se estamos no continente, no país ou na cidade certa…

Lisboa em ascensão turística

A capital de Portugal, Lisboa, é a porta de entrada para a Europa. A cidade está em ascensão turística. O idioma oficial é o português mas fala-se fluentemente o espanhol. É uma civilização marcada por diferentes costumes, de origem européia e africana. Sua arquitetura é essencialmente gótica. Banhada pelo Oceano Pacífico e tendo como principal o rio Tejo, Lisboa tem entre seus vultos históricos nomes importantes da história do Brasil, haja vista que já fomos colônia portuguesa. D. Pedro I e II, D.João VI e Dona Maria Leopoldina, entre outras, figuram em nomes de ruas, museus e demais patrimônios públicos. Lisboa é uma cidade plana, de velhos mas bem conservados casarios, clima tropical úmido, temperatura variável, fria no inverno e quente no verão, mas nada comparável ao calor brasileiro. Graças ao Estreito de Gibraltar, Portugal liga-se também ao Oceano Atlântico. O curioso é que 2/3 da capital portuguesa desapareceram após a II Guerra Mundial, mas o primeiro ministro de então, Marquês de Pombal, providenciou a recuperação das ruínas, com orientação de excelentes arquitetos, preservando a originalidade das construções (…)

Primeiro, não acreditei. Achei que se tratava de humorismo da publicação lisboeta. Afinal, para eles, os brasileiros é que são os ‘portugueses’ da anedota. Depois, refleti, só podia ser que a revista Turismo & Negócios tivesse uma página humorística, tipo Planeta & Casseta. Podia, por exemplo, ter transcrito um desses bestialógicos que, verdadeiros ou falsos, circulam na internet como sendo respostas dadas por estudantes a certas questões de provas escritas. E o que Mulher Moderna, com curto senso de humor, não tivesse percebido a graça.

Decadência do ensino

A revista Turismo & Negócios existiria realmente? Não seria uma invencionice? Fui à internet e verifiquei que, sim, ela até parece ter alguma significação. Eis o que informa o seu expediente:

‘A revista bimestral Turismo & Negócios circula em todo o País e no Mercosul, através de mala direta para órgãos oficiais de turismo, companhias aéreas, operadoras turísticas, agências de viagens, agências marítimas, hotéis, restaurantes, locadoras, bancos, autoridades em geral, jornalistas da imprensa especializada, e está presente em grandes eventos.

Artigos assinados e conceitos emitidos por entrevistados não representam necessariamente a opinião da revista.’

Esse último parágrafo salva um pouco a cara do editor. Ele poderá afirmar que não acredita que Portugal seja banhado pelo Oceano Pacífico, que este oceano se comunique com o Atlântico pelo estreito de Gibraltar, que o Marquês de Pombal ressuscitou para mandar reconstruir Lisboa semidestruída na Segunda Guerra Mundial, que Lisboa seja uma cidade plana (teria sido achatada pelos bombardeios nazistas?), de clima tropical úmido, que sua arquitetura seja gótica etc. Enfim, poderá discordar do Crioulo Doido, já que os conceitos deste não representam necessariamente a opinião da revista.

Mas, se a matéria não foi assinada, não foi uma entrevista, como fica a cara da publicação? Não pude esclarecer este ponto porque o site da revista não dá acesso a edição alguma, impressa ou digital. Pedi uma busca pelo título da matéria, ‘Lisboa em ascensão turística’, e obtive como resposta vários textos relacionados com Portugal, mas nenhum é aquele em questão. De qualquer modo, não posso duvidar da seriedade de Mulher Moderna. Ela não iria transcrever um texto inexistente.

Sergio Porto incluiria o caso no Festival de Besteiras que Assola o País. Mas ele não chegou a ver como a decadência do ensino enriqueceu o Febeapá, hoje um megaevento e grande desgraça do nosso país.

******

Comunicólogo, São Paulo, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem