Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > HORÁRIO ELEITORAL

Daniel Castro

04/10/2005 na edição 349

‘O ‘horário eleitoral gratuito’ só é gratuito para os políticos. Indiretamente, todo contribuinte paga por ele. Estudo que a Receita Federal acaba de concluir estima que em 2006 deixarão de ser arrecadados R$ 191,6 milhões por benefício fiscal para compensar o ‘horário eleitoral gratuito’.

Esse valor, que equivale a quase o faturamento anual da Rede TV!, é o quanto a Receita calcula que emissoras de rádio e TV abaterão do Imposto de Renda pela exibição, ao longo de 2005, de programas e inserções avulsas de partidos políticos, mais a campanha do referendo do desarmamento, que está ocupando 48 minutos diários da grade de cada emissora.

As emissoras podem abater do Imposto de Renda 80% do custo de tabela do espaço ocupado pela propaganda partidária.

As estimativas da Receita costumam errar por muito pouco. Em 2001, por exemplo, estimou um benefício fiscal de R$ 129 milhões. De fato, naquele ano as emissoras abateram R$ 127 milhões por ‘horário eleitoral gratuito’.

Em 2005, a Receita estima em R$ 283 milhões o benefício fiscal pela propaganda política. Isso porque em 2004 houve eleições municipais e o espaço ocupado pelos partidos na TV e no rádio foi muito maior do que em 2005.

Os R$ 191,6 milhões que a Receita deixará de arrecadar em 2006 pela propaganda de 2005 equivale a 0,01% do PIB e a 0,45% do total de benefícios fiscais do país.

OUTRO CANAL

Economia Para reduzir custos, a Band vai usar profissionais de suas emissoras de rádio para produzir o ‘Band Vida’, maratona televisiva para arrecadar recursos para entidades beneficentes. A emissora iria empregar no evento (ainda sem data) a equipe do ‘Dia Dia’, mas desistiu da idéia e demitiu todos os profissionais do extinto programa feminino.

Frente A GGP, empresa de Gugu Liberato que realiza o ‘SBT Rural’ (SBT) e o ‘Domingo da Gente’ (Record), deve produzir também o novo programa de Márcio Garcia, que entrará no ar ocupando parte do horário de Raul Gil aos sábados na Record.

Batismo 1 Vai se chamar Jornalista Roberto Marinho o edifício de dez andares que a Globo começa hoje a construir hoje no Brooklin, zona sul de São Paulo, e que a partir de 2007 abrigará quase todos os profissionais da emissora na cidade (menos os de produção de programas e do jornalismo).

Batismo 2 A Globo resolveu abrir os custos da obra. Serão gastos R$ 35 milhões para erguer o edifício, que, avalia o mercado imobiliário, poderá valer R$ 115 milhões quando pronto. A Globo diz também que, apesar de planejar construir uma nova torre para transmissões digitais, não pretende tirar sua antena analógica do prédio da TV Gazeta, na avenida Paulista.’



TV PAGA
Lulie Macedo

‘Série descortina o universo da tatuagem’, copyright Folha de S. Paulo, 03/10/05

‘Mano Brown tem. Gisele Bündchen também. Johnny Depp quase sempre esconde as suas. Se a tatuagem é hoje um adereço mercadológico que serve à composição das mais variadas identidades, natural que seja pintada também -ou principalmente- como negócio. É esse o viés escolhido por ‘Miami Ink’, nova série do canal People+Arts, que vai ao ar a partir de hoje, às 22h.

Quatro tatuadores e um ajudante-aprendiz são os personagens dessa novelinha formatada como ‘reality show’. A inauguração do novo estúdio em Miami é o pontapé para desavenças artísticas, apuros com clientes, vaidade e alguma discussão ética, tudo mostrado (ou interpretado) com razoável verossimilhança.

Para quem já sentiu o ardor semelhante ao de um forte arranhão ao gravar uma memória ou um desejo na pele, fica a sensação de que os moços de ‘Miami Ink’ são melhores comerciantes que tatuadores. Não que sejam maus artistas. Só fazem prevalecer o lado profissional, a busca pela excelência que, aplicada a atividade tão artesanal (para não dizer tribal), torna tudo meio impessoal.

Para o espectador leigo, a série ganha caráter educativo ao descortinar o prosaico ‘modus operandi’ do tatuador: a adaptação do desenho ao corpo, a transferência para um estêncil, que depois é decalcado na pele, o curativo com filme plástico.

Mas por que cargas d’água as pessoas ainda fazem isso? -certamente há quem pergunte. Para oferecer algumas respostas, a série exibe uma variada sorte de clientes que personifica recorrentes motivos: a garota cujo irmão cometeu suicídio e que, por isso, grava um trecho de uma música no pé esquerdo (superação), o surfista que tatua o mapa do Havaí (pertenço a algo), a drag queen que desenha uma pin up (minha identidade). Estão todos lá, cada um com sua marca. E todos com os mesmos conflitos.

Miami Ink Quando: estréia hoje, às 22h, no People+Arts’



Renata Gallo

‘Cartoon lança desenhos só para adultos’, copyright O Estado de S. Paulo, 01/10/05

‘Antes de mais nada é bom lembrar que o ideal é que toda criança vá para a cama no máximo até as 22 horas. Isso posto, de nada vai atrapalhar veicular desenhos para adultos a partir das 23 horas até a madrugada. É assim que Mike Lazzo, vice-presidente da recém-criada faixa Adult Swin explica a nova empreitada do Cartoon Network.

A partir de sexta-feira, às 23 horas, o canal, até então dedicado apenas aos pequenos, vai contar com desenhos para adultos. Calma, não estamos falando de sexo, mas de desenhos estúpidos, como bem define Lazzo. ‘Muitos adultos assistiram a desenhos quando crianças e continuam gostando. Mas adultos não gostam de desenhos da Disney, gostam de coisas mais no estilo Simpsons, mais nonsense’, diz o fã inveterado de Bart.

O investimento do Cartoon no segmento adulto se explica. Segundo dados do canal, 1/3 de sua audiência vem de gente com mais de 18 anos. O canal é mais visto por adultos do que canais como E! Entertainment, Universal Channel e Discovery.

CANAL SÓ PARA ADULTOS

A iniciativa do Adult Swin, segundo Lazzo, é um teste, já que a idéia é, assim que tiver material disponível, criar um canal só de desenhos para adultos. ‘Desenho e humor são universais.’

A nova programação, que conta com nove produções, será transmitida de sexta a domingo, das 23 à 1 hora, com reprises da 1 às 3 horas e das 3 às 5 horas. Entre as novidades está Harvey, o Advogado, um personagem que, depois de tentar a vida como super-herói, se transformou em um advogado de segunda linha que tem como clientes personagens de desenhos animados como Scooby, Catatau e Salsicha. Outro que promete agradar é Aqua Teen: O Esquadrão Força Total. O desenho, que deve virar filme em 2006, mostra as aventuras de três detetives que vivem no subúrbio de New Jersey. Tudo natural se os três não fossem produtos de fast food, mais especificamente uma batata frita, uma almôndega crua e um milk shake.

Na lista ainda estão Laboratório Submarino 2021, Show do Brak, Mission Hill, Bob e Margaret, Os Universitários, Filmes Caseiros e Projeto Clonagem, que vai mostrar uma cidade povoada de clones famosos como Joana d’Arc, Gandhi e John F. Kennedy.’



TV DO GUGU
Daniel Castro

‘Gugu insiste em TV e negocia novo canal’, copyright Folha de S. Paulo, 02/10/05

‘Apesar de ter perdido um canal de TV em Cuiabá (MT), que comprou irregularmente em 2001, o apresentador Gugu Liberato não desistiu de montar sua própria rede. ‘Estou analisando a compra de uma outra geradora’, revela. ‘Por enquanto, estamos vendo várias possibilidades’, diz, sem dar mais detalhes, até para não prejudicar as negociações.

Gugu precisa de uma geradora para iniciar sua rede. Geradora é o canal de TV (como o 4 e o 5 de São Paulo) que irradia programas e anúncios. Hoje, só se consegue geradora comprando uma que já exista (são cerca de 300 no país) ou participando de licitações.

O apresentador possui mais de uma dezena de retransmissoras (que são concedidas pelo governo, sem concorrências), inclusive na Grande São Paulo, mas não pode usá-las para sua rede porque não tem uma geradora.

A TV de Gugu já tem dois estúdios, em Alphaville (Grande São Paulo), que são alugados para comerciais e programas de outras redes (o ‘SBT Rural’, do SBT, o ‘Domingo da Gente’, da Record).

O apresentador ainda tenta no Supremo Tribunal Federal reaver o canal de Cuiabá. A concessão foi anulada, em 2002, após a Folha revelar que havia sido adquirida irregularmente. Gugu comprou a empresa (Pantanal Som & Imagem) que venceu a licitação antes de o canal entrar no ar. A lei só permite a venda de TVs novas após cinco anos de operação. OUTRO CANAL

Baixa 1 Um dos 59 policiais afastados sob suspeita de envolvimento no furto de cerca de R$ 2 milhões dentro da Superintendência da Polícia Federal no Rio, recentemente, pertence ao corpo de seguranças particulares da apresentadora Xuxa Meneghel.

Baixa 2 Xuxa trocou parte de seus seguranças após um fã conseguir invadir sua casa, no Rio, em julho. O policial federal entrou na nova leva. Mas a assessoria de imprensa da apresentadora nega. Diz que não há nenhum agente federal entre seus seguranças.

Criativo 1 Autor de novelas da Globo, Euclydes Marinho (‘Desejos de Mulher’) criou uma comunidade no Orkut (site de relacionamentos) para conseguir de mulheres depoimentos que pretende usar em um ‘filme sobre sexo’, que mostrará ‘uma visão bem-humorada (e safadinha) da sexualidade feminina’.

Criativo 2 A comunidade de Marinho (‘Filme sobre Sexo’) já coleciona vários relatos picantes de mulheres que resolveram responder a questionamentos do tipo ‘Relações sem orgasmo são incompletas?’ ou ‘Tamanho é ou não é documento?’.

Adaptação Por falar em sexo, o Canal Adulto (TVA) está fazendo uma adaptação dos ‘reality shows’ de transformação. Vai mostrar o ‘antes’ e ‘depois’ de uma cirurgia plástica em uma apresentadora. Original é a forma de apresentar as mudanças: com stripteases.’

Todos os comentários

ENTRE ASPAS > HORÁRIO ELEITORAL

Daniel Castro

04/10/2005 na edição 349

‘O ‘horário eleitoral gratuito’ só é gratuito para os políticos. Indiretamente, todo contribuinte paga por ele. Estudo que a Receita Federal acaba de concluir estima que em 2006 deixarão de ser arrecadados R$ 191,6 milhões por benefício fiscal para compensar o ‘horário eleitoral gratuito’.

Esse valor, que equivale a quase o faturamento anual da Rede TV!, é o quanto a Receita calcula que emissoras de rádio e TV abaterão do Imposto de Renda pela exibição, ao longo de 2005, de programas e inserções avulsas de partidos políticos, mais a campanha do referendo do desarmamento, que está ocupando 48 minutos diários da grade de cada emissora.

As emissoras podem abater do Imposto de Renda 80% do custo de tabela do espaço ocupado pela propaganda partidária.

As estimativas da Receita costumam errar por muito pouco. Em 2001, por exemplo, estimou um benefício fiscal de R$ 129 milhões. De fato, naquele ano as emissoras abateram R$ 127 milhões por ‘horário eleitoral gratuito’.

Em 2005, a Receita estima em R$ 283 milhões o benefício fiscal pela propaganda política. Isso porque em 2004 houve eleições municipais e o espaço ocupado pelos partidos na TV e no rádio foi muito maior do que em 2005.

Os R$ 191,6 milhões que a Receita deixará de arrecadar em 2006 pela propaganda de 2005 equivale a 0,01% do PIB e a 0,45% do total de benefícios fiscais do país.

OUTRO CANAL

Economia Para reduzir custos, a Band vai usar profissionais de suas emissoras de rádio para produzir o ‘Band Vida’, maratona televisiva para arrecadar recursos para entidades beneficentes. A emissora iria empregar no evento (ainda sem data) a equipe do ‘Dia Dia’, mas desistiu da idéia e demitiu todos os profissionais do extinto programa feminino.

Frente A GGP, empresa de Gugu Liberato que realiza o ‘SBT Rural’ (SBT) e o ‘Domingo da Gente’ (Record), deve produzir também o novo programa de Márcio Garcia, que entrará no ar ocupando parte do horário de Raul Gil aos sábados na Record.

Batismo 1 Vai se chamar Jornalista Roberto Marinho o edifício de dez andares que a Globo começa hoje a construir hoje no Brooklin, zona sul de São Paulo, e que a partir de 2007 abrigará quase todos os profissionais da emissora na cidade (menos os de produção de programas e do jornalismo).

Batismo 2 A Globo resolveu abrir os custos da obra. Serão gastos R$ 35 milhões para erguer o edifício, que, avalia o mercado imobiliário, poderá valer R$ 115 milhões quando pronto. A Globo diz também que, apesar de planejar construir uma nova torre para transmissões digitais, não pretende tirar sua antena analógica do prédio da TV Gazeta, na avenida Paulista.’



TV PAGA
Lulie Macedo

‘Série descortina o universo da tatuagem’, copyright Folha de S. Paulo, 03/10/05

‘Mano Brown tem. Gisele Bündchen também. Johnny Depp quase sempre esconde as suas. Se a tatuagem é hoje um adereço mercadológico que serve à composição das mais variadas identidades, natural que seja pintada também -ou principalmente- como negócio. É esse o viés escolhido por ‘Miami Ink’, nova série do canal People+Arts, que vai ao ar a partir de hoje, às 22h.

Quatro tatuadores e um ajudante-aprendiz são os personagens dessa novelinha formatada como ‘reality show’. A inauguração do novo estúdio em Miami é o pontapé para desavenças artísticas, apuros com clientes, vaidade e alguma discussão ética, tudo mostrado (ou interpretado) com razoável verossimilhança.

Para quem já sentiu o ardor semelhante ao de um forte arranhão ao gravar uma memória ou um desejo na pele, fica a sensação de que os moços de ‘Miami Ink’ são melhores comerciantes que tatuadores. Não que sejam maus artistas. Só fazem prevalecer o lado profissional, a busca pela excelência que, aplicada a atividade tão artesanal (para não dizer tribal), torna tudo meio impessoal.

Para o espectador leigo, a série ganha caráter educativo ao descortinar o prosaico ‘modus operandi’ do tatuador: a adaptação do desenho ao corpo, a transferência para um estêncil, que depois é decalcado na pele, o curativo com filme plástico.

Mas por que cargas d’água as pessoas ainda fazem isso? -certamente há quem pergunte. Para oferecer algumas respostas, a série exibe uma variada sorte de clientes que personifica recorrentes motivos: a garota cujo irmão cometeu suicídio e que, por isso, grava um trecho de uma música no pé esquerdo (superação), o surfista que tatua o mapa do Havaí (pertenço a algo), a drag queen que desenha uma pin up (minha identidade). Estão todos lá, cada um com sua marca. E todos com os mesmos conflitos.

Miami Ink Quando: estréia hoje, às 22h, no People+Arts’



Renata Gallo

‘Cartoon lança desenhos só para adultos’, copyright O Estado de S. Paulo, 01/10/05

‘Antes de mais nada é bom lembrar que o ideal é que toda criança vá para a cama no máximo até as 22 horas. Isso posto, de nada vai atrapalhar veicular desenhos para adultos a partir das 23 horas até a madrugada. É assim que Mike Lazzo, vice-presidente da recém-criada faixa Adult Swin explica a nova empreitada do Cartoon Network.

A partir de sexta-feira, às 23 horas, o canal, até então dedicado apenas aos pequenos, vai contar com desenhos para adultos. Calma, não estamos falando de sexo, mas de desenhos estúpidos, como bem define Lazzo. ‘Muitos adultos assistiram a desenhos quando crianças e continuam gostando. Mas adultos não gostam de desenhos da Disney, gostam de coisas mais no estilo Simpsons, mais nonsense’, diz o fã inveterado de Bart.

O investimento do Cartoon no segmento adulto se explica. Segundo dados do canal, 1/3 de sua audiência vem de gente com mais de 18 anos. O canal é mais visto por adultos do que canais como E! Entertainment, Universal Channel e Discovery.

CANAL SÓ PARA ADULTOS

A iniciativa do Adult Swin, segundo Lazzo, é um teste, já que a idéia é, assim que tiver material disponível, criar um canal só de desenhos para adultos. ‘Desenho e humor são universais.’

A nova programação, que conta com nove produções, será transmitida de sexta a domingo, das 23 à 1 hora, com reprises da 1 às 3 horas e das 3 às 5 horas. Entre as novidades está Harvey, o Advogado, um personagem que, depois de tentar a vida como super-herói, se transformou em um advogado de segunda linha que tem como clientes personagens de desenhos animados como Scooby, Catatau e Salsicha. Outro que promete agradar é Aqua Teen: O Esquadrão Força Total. O desenho, que deve virar filme em 2006, mostra as aventuras de três detetives que vivem no subúrbio de New Jersey. Tudo natural se os três não fossem produtos de fast food, mais especificamente uma batata frita, uma almôndega crua e um milk shake.

Na lista ainda estão Laboratório Submarino 2021, Show do Brak, Mission Hill, Bob e Margaret, Os Universitários, Filmes Caseiros e Projeto Clonagem, que vai mostrar uma cidade povoada de clones famosos como Joana d’Arc, Gandhi e John F. Kennedy.’



TV DO GUGU
Daniel Castro

‘Gugu insiste em TV e negocia novo canal’, copyright Folha de S. Paulo, 02/10/05

‘Apesar de ter perdido um canal de TV em Cuiabá (MT), que comprou irregularmente em 2001, o apresentador Gugu Liberato não desistiu de montar sua própria rede. ‘Estou analisando a compra de uma outra geradora’, revela. ‘Por enquanto, estamos vendo várias possibilidades’, diz, sem dar mais detalhes, até para não prejudicar as negociações.

Gugu precisa de uma geradora para iniciar sua rede. Geradora é o canal de TV (como o 4 e o 5 de São Paulo) que irradia programas e anúncios. Hoje, só se consegue geradora comprando uma que já exista (são cerca de 300 no país) ou participando de licitações.

O apresentador possui mais de uma dezena de retransmissoras (que são concedidas pelo governo, sem concorrências), inclusive na Grande São Paulo, mas não pode usá-las para sua rede porque não tem uma geradora.

A TV de Gugu já tem dois estúdios, em Alphaville (Grande São Paulo), que são alugados para comerciais e programas de outras redes (o ‘SBT Rural’, do SBT, o ‘Domingo da Gente’, da Record).

O apresentador ainda tenta no Supremo Tribunal Federal reaver o canal de Cuiabá. A concessão foi anulada, em 2002, após a Folha revelar que havia sido adquirida irregularmente. Gugu comprou a empresa (Pantanal Som & Imagem) que venceu a licitação antes de o canal entrar no ar. A lei só permite a venda de TVs novas após cinco anos de operação. OUTRO CANAL

Baixa 1 Um dos 59 policiais afastados sob suspeita de envolvimento no furto de cerca de R$ 2 milhões dentro da Superintendência da Polícia Federal no Rio, recentemente, pertence ao corpo de seguranças particulares da apresentadora Xuxa Meneghel.

Baixa 2 Xuxa trocou parte de seus seguranças após um fã conseguir invadir sua casa, no Rio, em julho. O policial federal entrou na nova leva. Mas a assessoria de imprensa da apresentadora nega. Diz que não há nenhum agente federal entre seus seguranças.

Criativo 1 Autor de novelas da Globo, Euclydes Marinho (‘Desejos de Mulher’) criou uma comunidade no Orkut (site de relacionamentos) para conseguir de mulheres depoimentos que pretende usar em um ‘filme sobre sexo’, que mostrará ‘uma visão bem-humorada (e safadinha) da sexualidade feminina’.

Criativo 2 A comunidade de Marinho (‘Filme sobre Sexo’) já coleciona vários relatos picantes de mulheres que resolveram responder a questionamentos do tipo ‘Relações sem orgasmo são incompletas?’ ou ‘Tamanho é ou não é documento?’.

Adaptação Por falar em sexo, o Canal Adulto (TVA) está fazendo uma adaptação dos ‘reality shows’ de transformação. Vai mostrar o ‘antes’ e ‘depois’ de uma cirurgia plástica em uma apresentadora. Original é a forma de apresentar as mudanças: com stripteases.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem