Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1025
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Do release à pauta: a seleção da notícia

Por Jordania Freitas em 21/12/2010 na edição 621

‘Nem só do envio de releases vivem as assessorias de imprensa’, disse a jornalista e escritora Maristela Mafei. Pois bem, deixando de lado a clássica briga entre assessor de comunicação e jornalista de redação, as visitas institucionais aos veículos de comunicação constituem formas usuais de relacionamento com a imprensa, sobretudo quando os releasesenviados pelas assessorias não conseguem ganhar status de pauta ao passar pelas mãos apressadas dos jornalistas das redações. Foi o que fez o jornal A Tarde com um releasedo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5) no último mês de setembro.

De acordo com assessoria de comunicação do TRT5, após enviar, por diversas vezes, release sobre a construção da nova sede do órgão para o A Tarde, sem obtenção de êxito, foi necessário lançar mão da visita institucional para que os jornalistas compreendessem a importância da notícia, do serviço que estariam prestando para a sociedade baiana.

Sendo assim, no dia 20 de setembro, a presidente do TRT da Bahia, desembargadora Ana Lúcia Bezerra, visitou a redação do referido jornal. Na ocasião, ela apresentou o projeto de construção da nova sede do Tribunal, que ficará no Centro Administrativo da Bahia (CAB), local onde já existem outros órgãos do Judiciário e do Executivo baiano.

Previsão para inauguração é de dois anos

A visita resultou na publicação de uma matéria de meia página (ímpar) na versão impressa do jornal, além de uma reportagem menor em seu site, ambas com direito, inclusive, a foto da maquete. Por meio da reportagem, a população ficou sabendo que o complexo contará com oito prédios interligados e que a obra custará R$ 320 milhões.

Além disso, a construção vai priorizar o reaproveitamento de recursos naturais. Nas palavras da desembargadora, ‘a obra é minha menina dos olhos’. Esta afirmação parece reforçar o compromisso do Regional com o término da obra, que já iniciou a construção do primeiro módulo.

Hoje, o TRT5 funciona em três edifícios distintos: dois no bairro de Nazaré e um no Comércio. A nova sede vai congregar todos os serviços do Regional, de primeira e segunda instância, em um só lugar, gerando comodidade para os usuários que, muitas vezes, têm que se deslocar de um bairro para o outro. A previsão para inauguração é de quase dois anos.

Priorizar a transmissão das informações

A reportagem do site rendeu 10 comentários entre favoráveis e contra a construção da futurística sede e, certamente, muitos acessos. Entretanto, as manifestações dos leitores mostram que a visita institucional pensada pela assessoria de comunicação do TRT5 cumpriu, efetivamente, o papel a que se destina: divulgar um fato que é relevante para a população que utiliza ou que pode precisar usufruir dos serviços da Justiça do Trabalho, além de mostrar de que forma o dinheiro público está sendo aplicado nesse contexto, uma espécie de prestação de contas.

O erro grave reside no fato de os jornalistas do jornal A Tarde não conseguirem – por questões de pressa ou critérios de noticiabilidade – transformar os releases enviados pelo TRT5 em reportagem sem a necessidade de uma visita do órgão. O que ocorre em muitos casos é mero preconceito por parte de alguns jornalistas para com os releases, pelo fato destes serem oriundos de assessorias de comunicação, estigmatizadas como ferramenta de publicização de toda e qualquer informação do assessorado, independente de possuir ou não relevância social.

Contudo, as rotinas de produção dos jornalistas são tão desgastantes que poderiam até ‘justificar’ a falha do jornal. Nesse sentido, se houvesse mais jornalistas nas redações, a quantidade de trabalho diminuiria e, portanto, teriam mais chances de se dedicar ao recebimento dos milhares de releases que lotam, diariamente, as caixas de e-mails das redações.

Mesmo assim, com visita ou não, o que veículos e assessorias precisam priorizar é a transmissão das informações para a população, uma vez que, quando as notícias são omitidas, ela é quem mais sai prejudicada nesse processo.

******

Estudante de Jornalismo, Salvador, BA

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem