Segunda-feira, 25 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

FEITOS & DESFEITAS > ECOS DE MOMO

Folha e a polêmica pela polêmica

Por Airton Gontow em 28/02/2012 na edição 683

Num trecho do texto “Mascarados”, de Barbara Gancia, publicado no sábado (18/2) no caderno “Cotidiano” da Folha de S.Paulo, a jornalista diz que o carnaval de São Paulo é torrada com estrume:

“Eu já desfilei na Sapucaí e no sambódromo de São Paulo. Sei dizer a diferença entre um desfile e outro. Saí na Mangueira nos anos 1980 e na Rosas de Ouro em 2004. E agora vou explicar a diferença entre um e outro. Vamos lá? Pegue duas torradas. Pe…gou? Numa você coloca caviar e, na outra, estrume. Sentiu a diferença? É isso. A torrada com caviar é o desfile do Rio…”

Poucas vezes vi um texto tão absurdo. Chamar de “estrume” o trabalho de todo um ano é não apenas uma opinião desprovida de veracidade como uma total falta de respeito. Sobre o trabalho no carnaval, o compositor Benito di Paula, nascido no estado do Rio e há anos vivendo em São Paulo, disse as seguintes palavras:

“Ensaiei meu samba o ano inteiro/ Comprei surdo e tamborim/ Gastei tudo em fantasia/ Era só o que eu queria/ E ela jurou desfilar pra mim/ Minha escola estava tão bonita/ Era tudo o que queria ver/ Em retalhos de cetim, eu dormi o ano inteiro/ E ela jurou desfilar pra mim…”

Quem lê o texto de Barbara Gancia constata que também é servido estrume no jornalismo paulistano. E a colunista torra a nossa paciência ao buscar a polêmica pela polêmica. Claro que o carnaval do Rio é superior ao de São Paulo. Mas por aqui também se faz um bom samba e muitos desfiles são encantadores. Além disso, o carnaval carioca, o melhor do Brasil, não serve sempre o tal caviar. Se assim o fosse, não teriam deixado Barbara Gancia desfilar.

***

[Airton Gontow é jornalista e cronista]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem