Domingo, 27 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

FEITOS & DESFEITAS > ACORDO ORTOGRÁFICO

Um acordo sobre o qual

Por Ruy Castro em 24/12/2012 na edição 726
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 22/12/2012; intertítulo do OI

O governo adiou para 2016 a obrigatoriedade de uso no Brasil do novo “acordo” ortográfico, marcada inicialmente para 1º de janeiro de 2013. Ou seja, de nada serviu a pressa dos nossos jornais e livros para aplicar o “acordo” assim que ele botou a cabeça de fora, em 2009. Com isso, pelos próximos três anos, quem quiser escrever “lingüiça”, “qüinqüênio”, “idéia”, “contra-regra” e “vôo” em vez de “linguiça”, “quinquênio”, “ideia”, “contrarregra” e “voo” poderá fazê-lo sem tirar nota vermelha na escola.

Para mim, nada se alterou. Não aderi ao “acordo” e continuo a produzir textos com os arcaicos tremas, circunflexos e hifens de sempre. Se os artigos saem bonitinhos na nova ortografia, é porque os editores e revisores dos jornais e livros de que participo os “corrigem” por mim. Não que eles também não façam duras restrições ao “acordo”. Posso até garantir que não concordam com o fim dos acentos em “pára” (do verbo parar), “pêlo” e “pólo” -sobre o que, aliás, não foram consultados.

Para quê?

Nem eles, nem os professores, os escrivães, os secretários de reuniões de condomínio, os juízes de futebol (que têm de escrever as súmulas dos jogos que apitam), os autores de róis de roupa em lavanderias e qualquer pessoa que viva de escrever no dia a dia. Segundo sei, nenhum desses profissionais da língua foi ouvido sobre se concordava com os desenxabidos “leem” e “veem” no lugar de “lêem” e “vêem”.

Algo me diz que a razão desse adiamento é para tentar convencer os portugueses a aderir ao “acordo” e abrir mão do “c” e do “p” em “facto”, “direcção”, “óptimo”, “Egipto” – letras que influem na sua pronúncia dessas palavras. Mas para que unificar a ortografia se suas pequenas variantes são perfeitamente compreensíveis nos dois lados do Atlântico?

E que “acordo” é esse sobre o qual ninguém concorda?

***

[Ruy Castro é jornalista, colunista da Folha de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem