Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1066
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Copa Libertadores. O que saberia a Yoani Sánchez?

Por Eduardo Ribeiro Toledo em 05/03/2013 na edição 736

Não foi exclusividade do Observatório da Imprensa. Foi notícia em qualquer espaço da mídia. Mas, se o assunto é o Observatório da Imprensa, a pesquisa ou a interface do website apresenta claramente na edição 735: do “Caderno da Cidadania”, os sete primeiros textos fazem referência ao assunto da blogueira cubana (seria impróprio mencioná-la assim? Estaria agredindo alguma política ideológica?).

Seria razoável o leitor querer saber o porquê da recorrência temática. Em dia de jogo da Copa Libertadores da América, o destaque foi a Yoani – fato inegável. Uma presença na mídia que não evita a indagação automática do leitor: (i) qual seria o assunto exatamente?; (ii) isso me concerne; e como?; (iii) quem é exatamente (vamos conhecê-la, quem não a conhece…)?; (iv) tenho que saber sobre a repercussão do assunto que a mídia me informa – na medida e frequência como foi divulgado?; e (v) surgiu uma pauta para escritores?

Se surgiu uma pauta para escritores, melhor. Essa é a mordida da própria cauda do jornalismo – um uróboro da atividade profissional – textos para todos os gostos literários. Textos de opiniões cirúrgicas particulares, ou sobre fatos políticos. Não aceito, como leitor, o argumento de que os fatos políticos demandaram ostensiva cobertura da mídia – o que pode ter acontecido –, mas questiono a intensidade da repercussão. A eficácia da mensagem não se justifica pelas regras da comunicação social. O benefício final, então, é ler – independentemente da importância da pauta – textos de escritores. Para o regozijo dos leitores.

Belos textos

Ao buscar no website, propriamente na edição 735 do Observatório da Imprensa, percebe-se que Cacá Diegues fala de algo; algo este que não se fala no artigo do Luís Nassif. Renato Janine Ribeiro tem forma própria de criar a introdução do seu texto. Eugenio Bucci levanta questões afins importantes. E Luís Peazê nos oferece texto com outras lentes. Assim segue o Caderno da Cidadania, nesta edição acima.

Ler textos de grandes escritores é o benefício que se guarda do fato político divulgado. Importa dizer que muitos leitores perguntaram, à época, o porquê de massivo input pela mídia. Seria tarefa de o jornalismo fazer repercutir a farra acontecida de um fato político (aproveitado por partidos políticos) na intensidade em que o fez? Não creio. Fomos salvos porque há os textos – que nunca são demais.

Os textos apresentados – se o leitor que sabe, lê – oferecem a recompensa de aproveitar algumas leituras sobre fato político, digo eu, irrelevante, na intensidade da repercussão ocorrida. Além disso, há o benefício idêntico – ao leitor que lê e venha saber – por causa da repercussão. Porque no dia da massificação da informação ocorreram jogos de futebol da Copa Libertadores – e os leitores questionaram o porquê de toda a Yoani. Ela saberia algo sobre a Copa Libertadores? E a questão da proporção de divulgação entre temas – tanto como outros assuntos importantes que não ligados ao futebol – deixo como questão para os profissionais pensarem – se não fossem os belos textos apresentados.

***

[Eduardo Ribeiro Toledo é advogado e escritor]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem