Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Em busca da verdade interessante

Por Gabriel Marquim em 29/09/2009 na edição 557

Em seu livro Conhecimento Objetivo, Karl Popper anunciou: ‘Não buscamos somente a verdade, vamos à procura da verdade interessante, iluminadora, teorias que ofereçam solução a problemas interessantes. Se é possível, vamos em busca das teorias profundas.’ Pode parecer fora de moda falar de um jornalismo nesses parâmetros, mas na verdade esse é o verdadeiro jornalismo.

Em um mundo cada vez mais líquido (Zygmunt Bauman), as notícias fluem na velocidade da luz e se vão numa velocidade ainda mais assustadora. O que é agora, em instantes, será um monte de lembranças despedaçadas ou apenas um link empoeirado do Google. O jornalismo cai no próprio abismo da novidade. Quando a novidade é mais importante, mais importante até do que a apuração, a consistência e a relevância do fato, então, não há mais jornalismo, apenas um rascunho dele.

Gaspar Miollo, em sua tese de doutorado, titulou de ‘verdade relevante’ a busca por uma verdade que não seja apenas objetiva, precisa, real. Mas uma verdade que busca as minúcias dos fatos, procurando tirar, da verdade, a verdade relevante, aquela que dá mais sentido, inclusive, à verdade. Um buraco no meio de uma avenida pode ser verdade, mas ‘verdade relevante’ é entender, por exemplo, o motivo pelo qual aquele buraco está ali.

Verdade capenga e desestimulante

Pode parecer o óbvio, mas, apesar de lição básica de jornalismo, os veículos estão, aos poucos, acostumando-se com notinhas frias e rápidas, dando conta do que acontece, mas esquecendo-se do que está por trás dos simples fatos.

Benjamin Constant defendeu que o jornalismo deveria ser uma voz. Daniel Cornu constata, sem exageros, que o jornalismo se transformou em eco. É a mensagem reproduzida e esticada à exaustão, sem reflexões, diálogos com o leitor. O leitor, afinal, fica como o menino do poema de Cecília Meirelles:

‘O menino pergunta ao eco

onde é que ele se esconde.

Mas o eco só responde: `Onde? Onde?´

O menino também lhe pede:

`Eco, vem passear comigo!´

Mas não sabe se eco é amigo

ou inimigo.

Pois só lhe ouve dizer: `Migo!´’

O jornalismo parece viver, hoje, das repetições. Deixando de procurar uma ‘verdade relevante’ para acostumar-se com uma idéia de verdade capenga, enfadonha, desestimulante para qualquer leitor. Por enquanto, o leitor, como o menino acima, continua tentando dialogar com os jornais. Um dia, a paciência pode faltar e o menino poderá ir embora.

******

Estudante de Jornalismo e pesquisador, Recife, PE

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem