Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1020
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Ensaio sobre o sectarismo

Por Alberto Dines em 21/06/2010 na edição 594

A Folha de S. Paulo noticiou a morte de José Saramago no sábado com manchete na primeira página. Previu que o concorrente, o catolicíssimo Estado de S.Paulo, seria reservado e optou pelo destaque. Mas o texto escolhido pela Folha para avaliar a obra do único Nobel de literatura de língua portuguesa está impregnado do mesmo sectarismo e ressentimento do L´Osservatore Romano, órgão oficial da Santa Sé.


O colunista da Folha João Pereira Coutinho, como o seu colega do Vaticano, não soube guardar a necessária compostura e criticou Saramago antes que fosse enterrado alegando que ‘depois do prêmio tornou-se esquemático e primitivo’ (Folha, caderno especial, 19/6, pág. 5). O comentarista da Cúria Romana, por sua vez, designou Saramago de ‘populista extremista’ e ‘ideólogo antirreligioso’.


A Folha poderia ter privilegiado o comovido perfil biográfico escrito por Luiz Schwarcz (pág. 7), amigo íntimo e editor de Saramago no Brasil, responsável pelo seu extraordinário sucesso aqui, mas preferiu ser ‘diferente’, chamar a atenção. A Folha é audaciosa, mas não é generosa; afirma ter o rabo preso no leitor, na realidade tem o rabo atrelado à sua arrogância.


Mesmo divergindo politicamente do escritor recém-falecido, o Estadão foi digno e respeitoso: ‘Um talento que lembrava Shakespeare’, de Ubiratan Brasil, é um dos textos incluídos na edição especial do caderno ‘Sabático’. No domingo (20/6), nenhum dos três jornalões noticiou ou comentou o grosseiro e desrespeitoso ataque do Vaticano.


18 linhas


O Brasil descobriu e valorizou Fernando Pessoa no fim dos anos 1940, muito antes de Portugal enrustido na ditadura do também católico Oliveira Salazar.


Saramago chegou aqui em 1982 com o extraordinário Memorial do Convento em edição abrasileirada da Bertrand Brasil – um horror. Tirar a grafia e a sintaxe lusitana de Saramago é o mesmo que retirar a sonoridade das suas palavras e frases.


Com a Jangada de Pedra (Companhia das Letras) arribou ao Brasil o verdadeiro e inconfundível Saramago. E nesta mesma embarcação fez-se ibérico: deixou a amada Lisboa ferido com a submissão do governo às pressões da igreja católica por ter escrito O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991). Foi morar numa Espanha quase africana, a ilha de Lanzarote, no arquipélago das Canárias. Vinha ao Brasil com freqüência e só tinha uma queixa depois dos eventos: ‘Essa gente mata-me de amor’. Nem todos.


Portugal continua ranzinza: homenageou Saramago com luto oficial de dois dias – a grande fadista Amália Rodrigues mereceu três. O presidente Cavaco Silva (PSD, centro-direita) divulgou uma burocrática nota de pesar, mas não compareceu ao velório – ao contrário dos socialistas Mário Soares e Jorge Sampaio. Cavaco era o primeiro-ministro quando o nome de Saramago foi boicotado para representar o país num grande certame europeu.


A Espanha mais uma vez passou a perna no enfezado e pequeno vizinho: El País dedicou-lhe no sábado (19) oito páginas inteiras e no domingo mais duas – inspiradíssimas, generosas, altamente informativas.


Num texto de 18 linhas, o poeta argentino Juan Gelman constata: ‘Com as lágrimas que se vertem agora se poderia acabar com as secas do mundo.’


Memorial do Convento, a obra que celebrizou Saramago, não trata de religião – trata da brutal Inquisição.


 


Leia também


O homem que dizia não – Washington Araújo


Dossiê Saramago

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem