Domingo, 25 de Junho de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº946

FEITOS & DESFEITAS > LULA, MÍDIA E VENEZUELA

G-5, G-8, G-20 e G-Chávez

Por Alberto Dines em 10/06/2007 na edição 436

Culpa de Fernão de Magalhães que colocou todos no mesmo mar, ou culpa dos construtores dos canais de Suez e Panamá que redesenharam o mapa-múndi – a verdade é que hoje nenhuma nação é uma ilha. Estamos no mesmo continente, vizinhos, condôminos involuntários de uma propriedade sem proprietários, gerida por síndicos cada vez mais questionados.


A interdependência entre as nações é um dado concreto, irreversível; isso evidenciou-se mais uma vez na entrevista concedida pelo presidente Lula ao jornalista Clóvis Rossi, da Folha de S.Paulo: deveria circunscrever-se à política externa, mas na versão publicada pelo jornal na sexta-feira (8/6), 70% do espaço é dedicado ao fim da concessão à RCTV venezuelana que o delírio de Hugo Chávez e o impensado apoio do PT converteram em polêmica nacional.




‘O fato de ele [Chávez] não renovar a concessão é tão democrático quanto dar [a concessão]. Não sei porque a diferença entre dois atos democráticos. A diferença com o Brasil é que conseguimos colocar na Constituição que isso passa pelo Congresso. Não é uma decisão unilateral do presidente. Lá é. Faz parte da democracia deles.’


Com rara felicidade, o presidente Lula colocou o dedo na questão central: ‘a democracia deles’. A pequena diferença tem enorme importância. A democracia defendida pelo chavismo não é a nossa, é chaveco, mera formalidade que contraria o princípio pétreo do equilíbrio entre os poderes.


Proposta alucinada


Não cabe ao chefe do Executivo determinar quem merece ou deixa de merecer a concessão de um serviço público, essa decisão deve ser obrigatoriamente referendada pelo Legislativo que representa a sociedade. Ela sabe o que lhe convém e quando contrariada de forma tão arrogante vai para as ruas como está acontecendo em Caracas.


No Brasil – teoricamente pelo menos – estamos mais perto dos princípios basilares da democracia. Na entrevista de 80 minutos o presidente Lula preferiu não alongar-se sobre a diferença entre o conceito brasileiro e venezuelano de democracia representativa, mas justamente esta diferença foi a causa do inusitado acesso de fúria do senador José Sarney (um dos principais aliados do presidente Lula) que acionou o protesto dos seus pares e tanto irritou Hugo Chávez.


Não temos o direito de interferir nas relações entre o governo e mídia na Venezuela. Mas temos a obrigação de opinar sobre a questão, da mesma forma com que condenamos a invasão do Iraque ou o suicídio ambiental proposto por George W. Bush. São decisões domésticas, intestinas, que afetam o destino do mundo.


O apoio do PT a Hugo Chávez manifestado na segunda-feira (4/6) não pode ser ignorado nem minimizado. Trata-se do partido do presidente, o partido que mais influi na sua política externa, o partido que dá sustentação a algumas das propostas mais alucinadas sobre o financiamento de uma ‘imprensa independente’ e também o partido que nas eleições passadas tentou avacalhar a imprensa com o Dossiê Vedoin e, em seguida, estimulou o linchamento daqueles que o denunciaram.


Socialismo conspurcado


Diante da repercussão da sua entrevista à Folha de S.Paulo, o presidente Lula procurou explicar-se ao longo da sexta-feira: ‘Eu não apoiei o Chávez nem no primeiro dia, nem ontem, nem hoje. A única coisa que defendo é que aquilo é um problema da Venezuela’.


O presidente Lula está certo, aquilo é um problema da Venezuela. Mas esqueceu que em novembro passado, já reeleito, foi ao território venezuelano prestar solidariedade a Hugo Chávez justamente na questão da mídia. Naquele momento dava uma contribuição decisiva para a chavização da nossa pauta política. Cabe a ele, apenas a ele, desligar este desastrado circuito.


O Brasil, pelo seu tamanho, riqueza e importância política, tem condições para exigir sua participação em todos os grupos internacionais, do G-5 ao G-20. Mas para afirmar sua soberania e demarcar-se dos EUA não pode resignar-se à condição de acólito de um caudilho que, depois de conspurcar o socialismo, liquida a democracia e compromete o futuro da América Latina.

Todos os comentários

  1. Comentou em 10/06/2007 Ivan Moraes

    ‘liquida a democracia e compromete o futuro da América Latina.’: e donos de media na politica, desvio de verbas, saude abandonada, seguranca jogada pela janela, justica so pra quem eh contra? Liberdade de imprensa? Nao compromete o futuro da America Latina? Eh de uma folga tremenda criticar Chavez enquanto o Brasil tem uma anarchia de direita e insiste em chamar la de ‘democracia’. Quanto a ser aprte dos G s, perdao pela francesa, mas o governo do Brasil como eh, hoje, nao alcanca ponto G.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem