Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > ELEIÇÕES AMERICANAS

Imprensa desperta para o mundo

Por Alberto Dines em 08/02/2008 na edição 471

O interesse da nossa imprensa pela disputa eleitoral americana tem várias explicações, a primeira delas é óbvia: a sucessão de George W. Bush é, em si, uma das mais disputadas desde a de 1961 – quando pela primeira vez um católico, John Kennedy, entrou no páreo.


Agora, diante da possibilidade efetiva de um uma mulher ou um negro ocupar a Casa Branca, é natural que uma imprensa paroquial como a nossa dedique tanta atenção a um fato internacional.


Mas o que importa nesta alteração é que há pouco mais de dez anos os grandes jornais brasileiros decretaram que o leitor brasileiro não gosta de política internacional. Fizeram pesquisas, chamaram consultores e, de comum acordo, reduziram o espaço da cobertura e diminuíram drasticamente o número de correspondentes internacionais.


Lucro certo


O Brasil ficou de costas para o mundo justamente quando se iniciou o processo de globalização da economia. Agora, mesmo sem fazer pesquisas, nossa imprensa percebeu o auto-engano. A escalada autoritária de Hugo Chávez, o drama dos seqüestrados pelas FARC, a sucessão de Fidel, a erupção de violência no Quênia, sem falar no conflito no Oriente Médio que completa 60 anos consecutivos, estão exigindo mais atenção, mais espaço (ou mais tempo) e melhores coberturas.


Hillary Clinton, Barack Obama e John McCain ficarão nas manchetes até novembro e, com isto, vão ajudar a imprensa brasileira a reencontrar-se com o mundo. Quem vai lucrar é o Brasil.

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/02/2008 Fernando Schweitzer de Oliveira

    O jornalismo tapióca é uma nova versão do que o caipira diz: Tá pió cá, que lá! Vamos perder tempo com os assassinos americanos devatendo quem matou menos e desperdiçou mais, se os democratas néo-liberais ou se os Republicanos Nazistas? Pra que. Que país maldito esse brasil!!! e é com minúscula mesmo! Aqui já temos nossos algozes só que um pouco invertidos na qualificação: Aqui os Democratas que são nazistas, e néo-liberais são os tucanos Sociais Democratas! E de lambuja temos ainda uma Direita disfarçada de esquerda para nos fazer crer que todos são iguais. Fazendo a população crer que como a direita a esquerda também não é a solução… Mas alguém sincero e que não seja idiota ou vendido me diga… Quando tivemos uma política de centro neste país? NUNCA! Quem dirá de esquerda após a derrubada de Jango pelos aparelhos fascista-militares em 31 de Março de 1964, quando um presidente que após ter sido ministro e dado 100% de reajuste para os assalariados, resolve fazer a reforma agrária, e por isso é destituído. E os que o derrubaram usam esse argumento da reforma agrária hoje para pedir votos! Hipocrisia!!! HIPOCRISIA!!! Argentina tem um governo de esquerda cresce 10% ao ano, Venezuela 9 a 11%, Chile 9 a 10%… até a Bolívia com presidente Índio cresce mais… Esquerda já!!! Não Lula, que se vendeu para a CNI… Eu gritei ESQUERDA! Depois que All Gor citou Marx sem querer hehehe

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem