Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

ENTRE ASPAS > SEXTA-FEIRA, 9/1

Israel intensifica campanha na mídia internacional

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 09/01/2009 na edição 519

Leia abaixo a seleção de sexta-feira para a seção Entre Aspas.


************


O Estado de S. Paulo


Sexta-feira, 9 de janeiro de 2009


 


GAZA
Denise Chrispim Marin


Conflito na região esquenta ‘guerra de propaganda’


‘Diante das críticas ao ataque à Faixa de Gaza, que resultou na morte de 763 palestinos em 13 dias, Israel intensificou esta semana uma campanha na mídia internacional para justificar sua estratégia no conflito. Nos últimos dois dias, a embaixada israelense em Brasília divulgou oito vídeos à imprensa por orientação do Exército de Israel. Alguns deles, como o ‘Crianças do Hamas’, deram margem a conclusões negativas sobre Israel – que a própria diplomacia de Tel-Aviv apressou-se a dissipar.


O vídeo, um dos oito apresentados pela representação diplomática, mostra uma sequência de imagens de uma sala de aula, com crianças supostamente sendo treinadas para ações militares pelo Hamas, e fotografias de garotos vestidos como homens-bomba. Com uniforme militar, um menino afirma que pretende se tornar mártir. Seu objetivo seria ‘matar os judeus’ porque são ‘animais’. A entrevista teria sido concedida a uma rede de televisão palestina, conforme informou o vídeo.


O conselheiro Rafael Singer, da embaixada de Israel, sustentou que a divulgação desse vídeo teve o objetivo de alertar para a maneira como o Hamas se vale de crianças para atingir seus objetivos.


Não seria, como pareceu em um primeiro momento, uma justificativa à morte de mais de 220 crianças palestinas desde o início dos ataques israelenses à Faixa de Gaza. Diferentemente dos outros sete vídeos, o ‘Crianças do Hamas’ havia sido enviado de Tel-Aviv a Brasília em maio do ano passado.


‘Lamentamos a morte dessas crianças. Mas quisemos, com esse vídeo, advertir para o fato de que muitas delas vêm sendo usadas pelo Hamas, que pretende formar gerações e gerações de terroristas’, afirmou Singer. Na história dos conflitos entre Israel e palestinos, esse não é o primeiro caso de adoção de uma estratégia de propaganda questionável.


Em setembro de 2000, nos primeiros dias da segunda intifada (levante palestino), a imagem da morte pelas forças israelenses do garoto palestino Mohammed al-Durra, de 12 anos, abraçado ao seu pai, causou furor em todo o mundo. O garoto rapidamente virou símbolo da luta palestina contra Israel.


Em 2004, entretanto, o jornal francês Le Figaro levantou suspeitas sobre a veracidade da filmagem. Finalmente, em maio de 2008, foi descoberta a trapaça – as imagens haviam sido forjadas por uma rede francesa de televisão.


Outros três vídeos divulgados pela embaixada israelense mostram cenas que, do ponto de vista de Israel, comprovam a mobilização de civis, especialmente de crianças, para a defesa de supostos arsenais do Hamas em prédios públicos e residências.


Em um vídeo gravado em outubro de 2007 e divulgado após o ataque de terça-feira a escolas da ONU, Israel claramente tentou dar substância à tese de que escolas, prédios públicos e residências da Faixa de Gaza têm sido usados pelo Hamas para o lançamento de foguetes. A gravação mostra três supostos militantes disparando projéteis da escola de ensino fundamental Beit Hanoun, mantida pela ONU. As imagens teriam sido feitas de um avião militar de Israel.


Na última terça-feira, no campo de refugiados de Jabaliya, 43 palestinos foram mortos em decorrência de ataques das forças israelenses a duas escolas administradas pela ONU. A embaixada de Israel insiste que, entre essas vítimas, não havia crianças – apenas militantes do Hamas.’


 


 


Gustavo Chacra


Cobertura da imprensa desagrada a israelenses


‘Os israelenses se sentem injustiçados com a imprensa internacional. Consideram que a cobertura tem tido um viés pró-Hamas, sem se importar com a situação das cidades fronteiriças de Israel. Nas rádios e TVs israelenses, os disparos de foguetes palestinos contra cidades, como Sderot e Ashkelon, ganham muito mais destaque do que as mortes em Gaza.


Em jornais locais, como o Jerusalém Post, com a exceção do ataque à escola da ONU, as baixas palestinas são colocadas em páginas internas. A preocupação é maior com o que ocorre no lado israelense – seja nas cidades do sul, seja com as tropas em Gaza. O jornal Yediot Ahronot chegou a chamar a imprensa internacional de ‘mentirosa’ em reportagem de capa.


Já as autoridades israelenses, ao acompanhar as notícias de órgãos internacionais em TVs a cabo e na internet, ficam revoltadas com o pouco espaço que concedem para Israel. O cenário poderia ser ainda pior se jornalistas estrangeiros tivessem permissão para entrar no território palestino.


PRESSÃO


Mark Regev, porta-voz do gabinete do premiê israelense, Ehud Olmert, aparece quase todos os dias nos principais canais de TV internacionais, como a CNN e a BBC, sempre dizendo que os governos americano, britânico e francês não agiriam de forma diferente da de Israel se fossem atacados por terroristas todos os dias.


Até o exemplo da operação do Exército do Líbano contra o grupo Fatah al-Islam, em um campo de refugiados palestinos em Trípoli, em 2007, quando dezenas de palestinos e militantes de outras nacionalidades morreram, é citado por autoridades de Israel.


Para os israelenses, é complicado entender esse viés da mídia. O Ministério das Relações Exteriores fornece toda a assistência necessária para repórteres estrangeiros. Respondem às perguntas e dão apoio em Sderot. O problema é que, como escreveu o correspondente da revista The Economist no diário israelense Haaretz, Gideon Lichfield, fica difícil vencer a guerra de propaganda quando os números mostram ‘600 palestinos mortos de um lado e 9 israelenses do outro’.


Em Israel, os jornalistas também assistem às imagens da rede de TV Al-Jazira, que mostram os corpos despedaçados de vítimas palestinas.


Já as cenas de destruição israelense não chocam tanto. Ainda é possível observar um certo clima de normalidade nas áreas de Israel envolvidas no conflito. Os moradores continuam em suas casas, e, apesar de muitas vezes terem de ir para abrigos antibomba, o comércio abre e carros circulam pelas ruas.


O cenário não pode ser comparado ao de julho de 2006, quando milhares de israelenses do norte do país tiveram de se refugiar em outras cidades, nem à paranoia vivida durante a segunda intifada. Em Jerusalém, ainda é necessário abrir as mochilas e bolsas para entrar em shoppings, mas o olhar de suspeita não existe mais.’


 


 


RODADA DOHA
O Estado de S. Paulo


Artigo da Science critica liberalização


‘A revista Science de janeiro traz um artigo que condena a liberalização do comércio proposta pela Rodada Doha. O texto, intitulado ‘Liberalização do comércio e desenvolvimento econômico’, diz que a promoção do livre comércio prejudica os países mais pobres em desenvolvimento, em vez de ajudá-los. Os autores, Jomo Sundaram, secretário-geral assistente da ONU e Rudiger von Arnim, professor de Economia da Universidade de Denver, projetam ganhos de apenas 0,2% do PIB mundial em 2015, provenientes do livre comércio. Dinheiro que deve ficar nas mãos dos países desenvolvidos e grandes países em desenvolvimento.’


 


 


TECNOLOGIA
Ethevaldo Siqueira


Com novo Windows, Microsoft espera apagar críticas ao Vista


‘A partir de hoje, quem quiser baixar a versão beta do Windows 7 na internet, novo sistema operacional da Microsoft, poderá fazê-lo em âmbito mundial. Com isso, milhões de usuários poderão colaborar para o aprimoramento do software, que pretende superar em tudo o Windows Vista. O anúncio foi feito anteontem à noite pelo presidente e executivo-chefe da Microsoft, Steve Ballmer, na apresentação que, tradicionalmente, precede a abertura do Consumer Electronics Show (CES), maior evento mundial de eletrônica de entretenimento. Juntamente com o Windows 7, a Microsoft lança uma nova versão do Windows Live, um conjunto de serviços de comunicação pessoal e aplicações para o sistema operacional.


Com seu entusiasmo e estilo de comunicação de marqueteiro, Ballmer disse que ‘o Windows 7 não apenas integrará o computador ao celular, à internet e a uma incontável quantidade de serviços, como proporcionará muito mais simplicidade e confiabilidade em seu uso’. O novo sistema operacional e o Windows Live são parte de uma cadeia de produtos de tecnologia que, segundo Ballmer, ‘permite que as pessoas se comuniquem, compartilhem o máximo de experiência e produzam mais’.


O novo Windows Live, que é, na realidade, um conjunto de aplicações grátis para serviços de comunicação e participação para o ambiente de PCs, também estará disponível mundialmente para download na internet a partir de hoje. Na descrição de Ballmer, o Windows Live tem como escopo principal tornar mais fácil a vida das pessoas, por intermédio da comunicação e da troca de experiências, num só local e com um só login. Na avaliação dele, o Live traz serviços melhorados – como o Messenger, o Windows Live Mail e o Photo Gallery -, todos projetados para trabalhar com mais de 50 serviços populares de internet.


A característica dominante da Microsoft no mercado mundial de PCs atualmente é a associação de software e serviços, de modo a oferecer o máximo de soluções para necessidades de ordem pessoal dos usuários. Aparentemente, tudo que podia ser melhorado no sistema operacional Windows Vista – muito criticado por grande número de usuários – deverá estar disponível e utilizável no Windows 7.


O presidente da Microsoft mostrou também os mais recentes avanços da tecnologia de monitores de diversos fabricantes de notebooks, em especial os recursos das telas de toque (touch screen), que poderão alcançar melhor desempenho com o Windows 7. Esse sistema operacional é o primeiro que oferece o recurso da tecnologia multi-touch, que permite às pessoas usar os dedos diretamente nas telas para interagir com o computador da forma mais intuitiva possível.


Ballmer fez sua apresentação em conjunto com Robbie Bach, presidente da Divisão de Dispositivos de Entretenimento da Microsoft, que conduziu diversas demonstrações dos videojogos do Xbox 360, dos quais a Microsoft já vendeu 28 milhões de consoles. Na opinião de Bach, ‘a Microsoft busca integrar no mais alto grau o computador à TV, ao celular e à internet, para proporcionar entretenimento em qualquer tipo de tela ou monitor’.


ALIANÇAS


Em sua apresentação, Steve Ballmer anunciou novas alianças da Microsoft com a Dell, Facebook e a operadora de telefonia celular Verizon. No caso da fabricante de computadores Dell, a empresa é a primeira a comprometer-se a pré-instalar o Windows Live Essentials em todos os seus PCs, de modo a permitir a personalização de conteúdos, de conexões e compartilhamento.


Com o site de relacionamento Facebook, os usuários do Windows terão, nos próximos meses, a possibilidade de compartilhar fotos, e-mails e compartilhar mensagens instantâneas, diretamente pelo Windows Live.


Com a operadora Verizon, a Microsoft fez um acordo em que os usuários de ambas as empresas poderão buscar produtos e serviços locais, por meio de publicidade no celular. O usuário pode localizar, por exemplo, um restaurante italiano ou a butique mais próxima em alguns segundos.’


 


 


Ethevaldo Siqueira


Feira de Las Vegas mostra evolução das TVs


‘O primeiro dia do Consumer Electronics Show superou largamente as expectativas sobre as inovações que seriam introduzidas na tecnologia de monitores e de televisores. Embora tenham aparecido os dois primeiros produtos da TV a laser, sua maior concorrente deverá ser a TV de Led (light emitting diode, ou diodo emissor de luz). Samsung, LG e Toshiba foram as três primeiras a apresentar seus novos televisores com a tecnologia Led.


Os EUA vivem o final da transição entre a TV analógica e a TV digital, já que no dia 17 de fevereiro, as emissoras tiram do ar suas transmissões analógicas. Para o presidente da Associação Eletrônica de Consumo dos EUA (CEA, na sigla em inglês), Gary Schapiro, por mais otimistas que possam ser os dirigentes, haverá problemas para milhares de telespectadores que ainda não adquiriram – mesmo com subsídios -, os sintonizadores digitais (set top boxes). ‘Pior do que o dia 17 de fevereiro, serão os dias 18, 19, 20 e outros que se seguirão.’


As maiores emissoras de TV dos EUA devem anunciar neste CES 2009 suas novas experiências com a TV digital móvel, em veículos e em celulares.


A Feira de Las Vegas continua até domingo, com um sucesso que surpreende até os próprios organizadores, que não escondem sua preocupação com a crise em 2009, embora a queda de produção no setor de eletrônica – segundo as pesquisas da CEA – não deverá superar os 4%.’


 


 


TELES
Daniele Carvalho


Oi paga R$ 5,37 bilhões e assume o controle da BrT


‘A Oi tornou-oficialmente ontem a controladora da Brasil Telecom, com o pagamento de R$ 5,37 bilhões pelo equivalente a 61,2% do capital votante da empresa. Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários, a Oi explica que o valor pago equivale ao preço de R$ 5,86 bilhões acertado no contrato de compra, atualizado pela variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), deduzido da dívida líquida da Invitel, controladora da BrT, de R$ 998 milhões. O valor também foi ajustado pelos proventos declarados entre 1º de janeiro do ano passado e a data do fechamento do negócio.


Agora, a Oi tem um prazo de 30 dias para apresentar à CVM o pedido de registro de oferta pública para aquisição das ações ordinárias em poder dos minoritários, o chamado tag along. A empresa tem de assegurar aos minoritários o pagamento de no mínimo 80% do valor pago aos integrantes do bloco de controle, que foi de R$ 77,04% por ação. No total, calcula-se que toda a operação de compra de ações, incluindo controladores e minoritários, chegue a R$ 13 bilhões.


De acordo com a Oi, concluída a oferta pública de aquisição, será feita uma reorganização societária das empresas envolvidas no negócio, de modo que os acionistas remanescentes das atuais BrT Participações e BrT recebam ações da Telemar Norte Leste (TMAR), que é o nome da Oi na Bolsa de Valores.


De acordo com fontes que participaram da reunião de ontem no Rio que sacramentou o acordo, o encontro também serviu para definir nomes da diretoria da nova empresa. Desde o final do ano passado, a Oi já vinha realizando mudanças em seus quadros. Uma das alterações mais importantes foi a saída de José Luiz Salazar, que ocupava a diretoria financeira do grupo. Em seu lugar assumiu Alex Zornig. Também já havia sido decidido que a empresa não teria mais direções regionais, o que culminou com a saída de Roderlei Generali, que comandou a entrada da Oi no mercado de São Paulo.


O último passo para a criação da supertele agora é o crivo do Cade. Para evitar um ‘congelamento’ das empresas enquanto o Cade não dá seu veredicto final, o órgão acertou com a Oi acordo preventivo que tem por objetivo impedir a tomada de medidas irreversíveis de concentração.’


 


 


TELEVISÃO
Alline Dauroiz


Silveirinha na África


‘Nem assistiu à derrocada de sua comparsa Flora (Patrícia Pillar) em A Favorita e Ary Fontoura, o Silveirinha da trama das 9 da Globo, já está com passaporte para aprontar mais na África do Sul, em outra novela.


O ator faz parte do time que embarca rumo à África para as gravações de Caras & Bocas, próxima trama das 7 da Globo.


O folhetim de Walcyr Carrasco começa a ser gravado no Rio no dia 19. No dia 25, elenco e produção migram para São Paulo, já que a trama acontece na cidade paulistana.


‘Mas, na história, tudo começa na África do Sul, com gravações previstas para março’, diz Carrasco.


Segundo o autor, os personagens principais vão a turismo ao país africano, para conhecer as minas de diamantes das empresas de Jacques (Ary Fontoura), avô da protagonista Dafne (Flávia Alessandra). No elenco que gravará por lá também estão Isabelle Drummond, Sérgio Marone, Henri Castelli, Maria Zilda, além da vilã Deborah Evelyn. Haverá também gravações na Inglaterra.


Cabala, judeus ortodoxos, deficiência visual e defesa de animais estão entre os temas da novela, que tem estreia prevista para abril.’


 


 


 


************


Folha de S. Paulo


Sexta-feira, 9 de janeiro de 2009


 


SOBRE A IMPRENSA
Vinicius Mota


Dor de barriga


‘SÃO PAULO – Azia, má digestão, enjoos, cólicas… Atire a primeira pedra aquele que nunca penou com esse gênero atroz de males da finitude. Que o digam mais de 300 passageiros que se sentiram mal num navio, atracado na quarta para averiguações em Salvador e já liberado.


Um rotavírus altamente contagioso, uma salmonella, uma intoxicação alimentar. A Anvisa ainda investiga as causas do incidente coletivo. Deveria considerar, também, a hipótese de uma exposição generalizada dessas pessoas ao noticiário.


Não há de ser só o estômago do presidente Lula que se indispõe com a leitura de jornais e revistas e com o acompanhamento de notícias e opiniões pela TV, pelo rádio e pela internet. À revista ‘Piauí’, Lula debochou da mídia. Não acompanha o noticiário por opção; porque tem ‘problema de azia’, fez troça.


Não é de hoje que Lula demonstra, em gestos, biografia e palavras, desprezo solene pela leitura e outros hábitos de instrução e informação. A resposta a quem aponta essa falha, grave num presidente da República, é sempre a mesma: é acusado de elitista e preconceituoso.


‘A imprensa brasileira tem um comportamento histórico em relação a mim’, disse na entrevista. A indolência, de repente, toma a forma de prevenção contra ataques de um inimigo ‘histórico’, a mídia.


Eis um clássico do escapismo esquerdista. Não me exponho ao diálogo na esfera pública, não cotejo minhas opiniões e minhas atitudes com a crítica porque os meios de comunicação não têm legitimidade; estão entregues à burguesia, ao império, aos bancos, aos tucanos.


E toda essa teoria sobre mídia e parcialismo, lançada por um presidente que deplora a instrução e vive cercado de intelectuais aduladores, terminou com uma atitude. Lula criou a TV Brasil para contar a versão popular da história.


O problema é que quase ninguém assiste à TV de Lula. Talvez a programação esteja enjoativa.’


 


 


GAZA
Painel do Leitor


‘Eliane Cantanhêde, em sua coluna de ontem (‘Simples assim: pela paz!’), disse tudo.


Quanto à foto da menina morta, os leitores têm de entender que esta é a guerra real, e não a imagem glamourizada que estamos acostumados a ver nos filmes de Hollywood.’


LUIZ ANTÔNIO BAPTISTA (Lorena, SP)


‘Excelente o artigo de Carlos Brickmann sobre Marco Aurélio Garcia (‘O assessor que sabia javanês’, ontem). Está mais do que na hora de o presidente Lula livrar o Brasil desta ‘eminência parda da diplomacia’, que só faz atrapalhar o posicionamento do país no cenário internacional.’


ANDRÉ PEDROSO (São Paulo, SP)


‘Ora, desde quando o fato de o governo brasileiro denunciar o genocídio que está sendo cometido no Oriente Médio é ‘importar a luta entre israelenses e palestinos?’


O que acrescenta rotular Marco Aurélio Garcia de trotskista? Que importância tem?


O articulista busca amedrontar os brasileiros quanto ao risco de semear a discórdia entre os imigrantes e seus descendentes simplesmente porque o governo brasileiro, como de resto 99% dos países do mundo, está denunciando essa tragédia humana.’


JAFETE ABRAHÃO (Belo Horizonte, MG)’


 


 


TURISMO
Felipe Seligman


União quer proibir revista que chama brasileira de ‘máquina de sexo’


‘A pedido da Embratur, a AGU (Advocacia-Geral da União) acionou a Justiça Federal do Rio para tirar de circulação um guia turístico para estrangeiros sobre a capital carioca. A publicação ‘Rio For Partiers’ (Rio para festeiros) define parte das brasileiras como ‘máquina de sexo bunduda’.


Segundo a Embratur, o guia ‘viola a dignidade humana e expõe o povo brasileiro a situação vexatória’. A publicação, vendida pela internet, é editada em inglês pela Solcat Publishing Editora e está em sua 7ª edição.


De acordo com o site do guia, são vendidos cerca de 8.000 exemplares anualmente.


Segundo a ação da AGU, o guia classifica as mulheres brasileiras em quatro grupos: ‘Britney Spears’, ‘popozuda’, ‘hippie/raver’ e ‘Balzac’.


As primeiras seriam ‘as filhinhas de papai, se vestem como a Britney Spears, são maravilhosas, mas não deixam ninguém cantá-las. Pode esquecê-las a menos que seja apresentado a uma’.


Já a ‘popozuda’ é definida da seguinte forma: ‘Máquina de sexo bunduda (…). Bom para você investir seu tempo porque o motel é sempre uma possibilidade com essas maravilhas’. Segundo o guia, ‘elas malham, usam calças apertadas enfiadas na bunda, pintam o cabelo de loiro e se esforçam ao máximo para aparecer’.


As ‘hippies/ravers’ são definidas como ‘garotas divertidas, fáceis de se aproximar, fáceis de conversar, difíceis de beijar, fáceis de ir para a balada’. A ‘Balzac’, por sua vez, seria a mulher que ‘quer se divertir, dançar, beber e beijar’. O guia sugere ao estrangeiro para trata-la ‘como uma dama, que elas te tratarão como um rei, talvez não hoje a noite, mas amanhã com certeza’.


Para a Embratur, no entanto, o guia estimula a prática de exploração sexual e utiliza em sua capa, sem autorização governamental, um selo do Ministério do Turismo -o Brazil Sensational-, criado em 2005 para estimular a vinda de turistas estrangeiros ao Brasil.


A Embratur também afirma que o livro explicaria aos estrangeiros que os bailes de carnaval são ‘festas ao ar livre com atividades de semi-orgia (não tem sexo em público, mas é garantido quando você traz ele/ela de volta)’.


A Folha tentou comprar o livro pela internet, mas não obteve sucesso. Também tentou falar com o autor da publicação, Cristiano Nogueira, que não atendeu o telefone até o fechamento desta edição.


A AGU cita a Lei de Imprensa para justificar o pedido, alegando que o guia pratica ‘abusos no exercício da liberdade de manifestação do pensamento e informação’.


Também alega que ‘o teor da publicação viola os princípios da Política Nacional de Turismo e, em última instância, um dos fundamentos do próprio Estado Democrático de Direito- a dignidade da pessoa humana (…), tendo em vista a exposição vexatória do povo brasileiro com o intuito de promover a exploração sexual’.


Até o início da noite de ontem, a Justiça do Rio de Janeiro não havia analisado o caso.’


 


 


BASQUETE
Folha de S. Paulo


TV avaliará as arenas de liga independente


‘A Liga Nacional de Basquete fará, a partir da semana que vem e com a participação da Globo, inspeção nas arenas das 15 equipes que jogarão o NBB (Novo Basquete Brasil).


O torneio, que substitui o Nacional masculino, terá início no próximo dia 28.


‘Haverá vistoria para ver se as quadras estão aptas ao nível de exigência do torneio’, diz Kouros Monadjemi, presidente da LNB. ‘Serão verificados itens como piso, vestiário, segurança. E se obedecem ao Estatuto do Torcedor.’


Segundo ele, a iniciativa terá a participação da emissora de TV, que assinou parceria com a liga e irá ajudá-la a obter patrocínios. ‘A Globo vai vistoriar a iluminação, para ver se os ginásios têm as condições mínimas exigidas.’’


 


 


CENSURA
Mônica Bergamo


Ditadura


‘Depois de ter exposto suas obras no MAM, no MIS, na Pinacoteca e no exterior, o fotógrafo Gal Oppido teve suas imagens -muitas delas com corpos nus- censuradas. O veto veio da Digipix, contratada para imprimir cerca de 200 fotos do artista em um livro-portfólio, que seria apresentado a galerias de Nova York. A empresa se recusou a entregar o trabalho por considerar as imagens de ‘conteúdo indevido’, que poderia ‘ser considerado ofensivo, pornográfico, obsceno (…) que venha a ferir a ética, a moral, os bons costumes’. E afirma que ‘não analisa as imagens com base em critérios artísticos’.


INQUISIÇÃO


Oppido, que teve de viajar sem seu portfólio impresso, avalia o ocorrido como ‘um evento com tons medievais, lembrando a malfadada aventura inquisitória’.’


 


 


TELEVISÃO
Bruna Bittencourt


Programas sobre animais de estimação proliferam na TV paga


‘Abordando desde a forma física ao comportamento problemático, uma série de programas estrangeiros dedicado aos animais de estimação ganhou espaço na TV paga brasileira (veja destaques ao lado).


Diferentemente das produções que abordam os animais com olhar científico, essas atrações concentram-se na vida dos bichos dentro de casa e na relação com seus donos. Cães são os protagonistas mais frequentes dos programas, que mostram gatos e outros bichos como coadjuvantes.


‘O Encantador de Cães’ (Animal Planet), espécie de ‘Supernanny’ para cães, traz o especialista em comportamento canino Cesar Millan, que reeduca cães problemáticos -de um dogue alemão com fobia de pisos brilhantes a um buldogue excessivamente carinhoso. O especialista diz se conectar com a mente dos animais, o que explica o nome do programa.


A adestradora Victoria Stilwell também reabilita cães desobedientes em ‘Ou Eu ou o Cachorro’, exibido pelo GNT, que concentra outros quatro programas sobre o tema.


‘É a identificação com seus bichos de estimação que faz as pessoas assistirem a esses programas’, diz Christianne Marques, gerente de programação do GNT. Em setembro, o canal estreou sua primeira produção nacional sobre bichos, ‘Pet.Doc’, que traz histórias sobre a relação entre animais e seus donos.


Outra atração do GNT, ‘Magnetismo Animal’ também se vale de histórias de cumplicidade, como a do casal que cria répteis em casa e uma psicóloga que diz se comunicar telepaticamente com os cães para solucionar suas inquietações.


E nem os animais escaparam da febre de programas sobre alimentação saudável. Em ‘Como Deixar Seu Pet em Forma’, uma veterinária e um treinador promovem uma transformação na vida de animais sedentários. Fitness animal também é o tema de ‘Meu Cão É Tão Gordo Quanto Eu’, reality show no qual pares de cachorros competem para alcançar a melhor forma física.’


 


 


***


‘Vai pra Onde?’ dá dicas para viajantes


‘Havaí, Califórnia e África do Sul estão no roteiro da terceira temporada do programa ‘Vai pra Onde?’, que estreia hoje no Multishow.


Apesar do rótulo de ‘reality trip’ dado pelo canal, ‘Vai pra Onde?’ é apenas um programa sobre viagens, no qual seu apresentador, Bruno de Luca, vai a destinos com pouco dinheiro no bolso e pede dicas a moradores das cidades que visita, para tentar fugir dos roteiros óbvios.


A temporada começa em San Diego (Califórnia), no albergue onde o apresentador ficará hospedado. Dali, ele vai até o Balboa Park, um parque com exposições ao ar livre, onde é possível comer em lugares baratos. À noite, com amigos de albergue, visita uma boate na cobertura de um hotel, que não cobra pela entrada.


O problema está nas falas ‘malandras’ do próprio Luca, que começa o programa apresentando seu ‘roléee internacional’, pontua as boas surpresas dos passeios com um ‘ah, muleque!’ e introduz algumas informações da cidade com frases como ‘sente só o que isso representa…’.


De olho no público adolescente, o mais interessante de ‘Vai pra Onde?’ são as dicas de empregos temporários em seus destinos, assim como cursos e locais de ensino para quem quer aprender outra língua ou fazer intercâmbio, além das belas paisagens filmadas.


VAI PRA ONDE?


Quando: estreia hoje, às 21h15


Onde: Multishow


Classificação: não informada’


 


 


Matemático sai do ‘BBB’ por causa de hipertensão


‘A TV Globo substituiu o matemático Milton, do Rio, escolhido anteontem para ser um dos 18 integrantes do ‘Big Brother Brasil 9’, que começa na próxima terça. O motivo declarado foi o participante de 27 anos ter hipertensão, o que desaconselha as provas de resistência física presentes no reality show. Em sua vaga entra o administrador de empresa Alexandre, 35, do Recife.’


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem