Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

FEITOS & DESFEITAS > A TUMBA DO SENHOR

Jesus Cristo voltou à mídia

Por Deonisio da Silva em 06/03/2007 na edição 423

Jesus voltou à mídia, desta vez por obra do cineasta James Cameron, que atestou em Nova York ter descoberto a tumba de Jesus, a grande personalidade entre fins do segundo milênio e alvorecer do terceiro, quando foram publicados mais livros sobre ele do que em todos os séculos anteriores.

Jesus é um fenômeno editorial. Em cômputo recente, constatou-se que apenas na França foram publicados 500 livros sobre ele. Na Inglaterra, 1.000.

Num misto de história, lenda e ficção foram publicados livros que deram conta de insólitos acontecimentos até então escondidos do público. Num deles, movido pelas advertências de sua mulher, que tivera um pesadelo danado na noite anterior à condenação, Pilatos foi cúmplice de uma proposta de Nicodemos e José de Arimatéia e permitiu que Jesus fosse retirado da cruz quando agonizava. No lugar dele foi posto outro crucificado. Sobravam crucificados na Palestina daqueles anos. Menos de 100 anos antes de Jesus, tinham sido crucificados numa única vez 2.500 fariseus.

Retirado da cruz, Jesus foi tratado segundo técnicas hoje desconhecidas, recuperou-se, casou com Maria Madalena e foi morar no sul da França. Outros escreveram que Jesus vivera na Índia, entre sacerdotes budistas, dos 13 aos 30 anos.

Um historiador russo escreveu que Jesus sobreviveu à crucificação porque era um disciplinado praticante de ioga. A face mais visível da filosofia ortodoxa conhecida como ioga é um elevado controle dos meios fisiológicos e psíquicos, obtido por treinamento sistemático que mistura orações, meditações e exercícios físicos.

Grandes negócios

Juízes, advogados, promotores, enfim homens de notável saber jurídico, debruçaram-se sobre o julgamento de Jesus, que resultou em sua condenação à morte, e concluíram que se tratou de um assassinato de Estado. As revisões judiciárias contribuíram para a estratégia, em curso desde o concílio Vaticano II, de retirar uma culpa secular lançada sobre o povo judeu, dado como deicida, que teria lastreado o anti-semitismo responsável pelos numerosos massacres de que os campos de extermínio na Segunda Guerra Mundial são o emblema mais terrível.

Também no Brasil ressurgiu o interesse por Jesus no mesmo período, de que é exemplo o livro do general de exército Danilo Nunes, Judas: traidor ou traído, hoje bibliografia rara porque nosso mercado editorial enveredou por uma estranha obsessão: só se interessa por novidades. Em muitas editoras, o catálogo passivo é de muito melhor qualidade do que o atual. É só conferir.

Jesus anunciou que voltaria. Talvez tenhamos entendido mal a mensagem. Ele voltou de um modo que não esperávamos. Aos livros, ao cinema, ao teatro, à música, à pintura, aos papéis de parede. Incrementou diversas seitas que transformaram pequenas igrejas em grandes negócios. Mas Jesus sempre nos surpreendeu.

Crédito exíguo

Para o escritor é motivo de grandes vacilações saber que Ele jamais escreveu livro algum. A única vez que escreveu, esculpiu frases na areia. E as narrativas históricas e lendárias concordam que escreveu para perdoar a mulher que estava para se apedrejada por adultério. O diálogo final, depois da escrita na areia, é muito bonito.

– Mulher, ninguém te condenou?

– Ninguém, Senhor!

–Nem eu te condeno. Vai e não tornes a pecar.

Desta vez, apesar de toda a força da mídia, poucos estão dando crédito ao diretor de Titanic.

******

Escritor, doutor em Letras pela USP, professor da Universidade Estácio de Sá, onde dirige o Instituto da Palavra; www.deonisio.com.br

Todos os comentários

  1. Comentou em 06/03/2007 Paulo Bandarra

    Caro Bancário Fábio Alves , Brasília-DF – Estou há mais de um mês esperando que você coloque alguma coisa além de seus juízos de valor! Mas parece que pelo jeito nem o que é um juízo de valor você sabe! Releia o que você escreveu verá o que é? Já lhe disse que não perco tempo em troca de e-mails pessoais para discutir. Não preciso esconder o que sei. O que você teme em público?

  2. Comentou em 06/03/2007 Paulo Bandarra

    Caro Bancário Fábio Alves , Brasília-DF – Estou há mais de um mês esperando que você coloque alguma coisa além de seus juízos de valor! Mas parece que pelo jeito nem o que é um juízo de valor você sabe! Releia o que você escreveu verá o que é? Já lhe disse que não perco tempo em troca de e-mails pessoais para discutir. Não preciso esconder o que sei. O que você teme em público?

  3. Comentou em 06/03/2007 Américo Leal Viana Leal

    Especulações de toda ordem devem ser colocadas de lado, quando o assunto é Jesus Cristo. Ideologias religiosas também. Mercadológicas, idem. E assim sucessivamente. Por que abordar um tema, que – inexoravelmente, lida com a fé de milhões de pessoas? Que interesses há – da parte de quem não crê, em querer desqualificar o ministério de Jesus Cristo? Ora, quem não crê, que fique com sua desconfiança, e deixe de lado aqueles que crêem, naquilo que Ele foi e continua a ser, independentemente, dos erros cometidos – no passado e no presente, por nós, que somos cristãos. Se estamos certos ou errados em nossa fé, isso só a nós pode interessar. Por que Cameron, Deonísio e outros mais estão tão preocupados com isso? Por que isso os incomoda tanto?

  4. Comentou em 06/03/2007 Marco Costa Costa

    Gostaria de saber quem esta ou ficou responsável em receber direitos autorais sobre às milhares de publicações, filmes, novelas e assemelhados, falando da rápida passagem do salvador na terra. Pelo menos alguns espertalhões vinculados a uma centena de ‘religião’ é que enchem os bolsos em nome do homem.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem