Sexta-feira, 22 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

FEITOS & DESFEITAS > JORNALISTA HISTORIADOR

Jornalista sai da redação e entra na História

Por Luiz Recena em 26/05/2015 na edição 852
Reproduzido do Jornal ANJ, abril de 2015

A história estuda o passado e o jornalismo trata do presente. Verdadeiro? Falso? As duas certas? As duas erradas? Não sei? A múltipla escolha é método recente; para a história, uma criança; para o jornalismo, nem tanto. Para quem gosta de fazer análises sem se complicar é o muro largo que faltava. Subir nele, morar e entrincheirar-se ali era tudo o que faltava e ele, o método, veio então para ficar. Juntar episódios, alinhavar opiniões de outros, não concluir ou concluir pouco, apelando mais para a indução; eis o quase-melhor dos mundos. Mas o bicho-homem é danado e o jornalista dele descendente pode ser ainda mais. Então, do fim do século passado para cá, bons repórteres, jovens ou mais veteranos, enveredaram pelos caminhos do passado e bamburraram bons filões de preciosidades para contar. A descoberta, as batalhas para manter a lusitana colônia, as invasões dos invejosos e ambiciosos de variadas matizes europeias, os sonhos de independência, a vergonha da escravidão, o país finalmente partejado por Napoleão, séculos, ciclos idades e eras, varguismos e outras modernidades.

Tanto mar, vasta pauta. Que sorte a nossa! O que se segue é um brevíssimo resumo de alguns desses exemplos, pesquisas, debates e livros. E se os ventos forem servidos, mais haverá.

Livros têm aprovação acadêmica

Ver com bons olhos e perceber até um posi­tivo e certo desafio aos historiadores. Essa posição, do professor José Otávio Nogueira Guimarães, da Universidade de Brasília, não é unânime entre seus pares, mas parece indicar uma leve tendência majoritária, porque, na dialética da questão, jornalistas e historiadores teriam muito mais convergências no trabalho deles do que o contrário. A conversa com o professor, mesmo rápida, indicou com clareza vários elementos da dialética que norteia essa convivência, que pode bem começar pelo trato com a fonte ou pela natureza da dúvida de cada um.

A historicidade vem de Heródoto e Tucídides, gregos que fizeram autópsias de guerra. O jornalismo veio bem depois, com per­guntas que desorganizavam certos relatos para buscar, talvez em outras fontes, versões distintas para os mesmos fatos. Historiadores não trabalham em “off”. Jornalistas precisam reinventar-se diante da disciplina dos docu­mentos, datas, detalhes. A dificuldade diminui porque o rigor moderno da profissão não exi­miu repórteres da obediência aos fatos, embo­ra muitas vezes a pressa e o prazo do fecha­mento tenha obrigado um esgarçamento tênue nessa teia.

O jornalista pode proteger o sigilo da fonte. O historiador se fragiliza se não mostrar provas dos seus estudos e pesquisas. Aqui não se esconde nada. Quanto mais evidências, melhor. Aprender tudo isso e se aproveitar, na prática dessas ferramentas só traz vantagens ao traba­lho do jornalista que escreve sobre história.

Enfim, “ampliar o público, chamar atenção para temas históricos mal estudados na educa­ção básica, tudo isso ajuda muito, enriquece o debate e a agenda”, encerra o professor.

***

Luiz Recena, do Jornal ANJ

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem