Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Jornalistas firmes e fortes na luta

Por Wemerson Augusto em 17/08/2010 na edição 603

O 6º Congresso Paranaense dos Jornalistas demonstrou que é possível mudar, transformar e discutir a categoria, o jornalismo e sua natureza. O encontro, com o eixo central ‘Formação Superior para um jornalismo mais democrático’, foi realizado em Foz do Iguaçu (PR), de 6 a 8 de agosto, com a participação de 190 jornalistas e estudantes das mais diferentes regiões do estado e de Ciudad del Este, Paraguai.

O professor Venício de Lima, da UnB, fez a abertura oficial do congresso. Em sua fala, ‘Conjuntura política, democratização da comunicação e o desafio do jornalista no momento dessa transformação’, destacou o direito à informação, diploma e batalha das ideias. Lima também lançou o livro Liberdade de expressão x Liberdade de imprensa.

Nesta sexta edição, os profissionais discutiram e deliberaram sobre temas relevantes à categoria no estado. Entre elas, propostas contra a precarização do trabalho da classe e reivindicações a ser inseridas na Convenção Coletiva 2009/2010. A assembleia elegeu seis delegados para representar o Paraná, no 34º Congresso Nacional dos Jornalistas, em Porto Alegre, de 18 a 22 de agosto.

Programação

A maior parte das atividades foi realizada no sábado, com duas mesas de debate. A primeira reuniu os professores Sérgio Gadini (UEPG) e Mário Messagi Júnior (UFPR), que abordaram ‘A formação leva a um jornalismo plural e democrático?’ Em seguida, o tema ‘Democratização da Comunicação’ foi explorado por Carina Pacolla (Sindicato de Londrina) e Elson Faxina (UFPR e TV Educativa).

Durante a tarde foram desenvolvidas quatro oficinas: ‘O fotojornalista: o free lancer na Copa’, ministrada por Rodolfo Büerher; ‘Assessoria de imprensa e gerenciamento de crise’, por Sulamita Mendes e Karin Villatore; ‘Fórum de periodismo na fronteira — a troca de experiências’, por Denise Paro, Sônia Mendonça e Mariana Ladaga; e ‘Novas mídias: ferramentas digitais e a cobertura dos poderes no Brasil’, por André Deak.

O Congresso contou com a participação da Guatá, que organizou uma banca de livros com temas ligados à comunicação e publicações alternativas, como as revistas Escrita, Coyote e Taturana. A associação protagonizou outras duas ações: a amostra Retratos de Foz e a distribuição do material do Tirando de Letras, projeto de popularização da leitura que recentemente foi classificado como de ‘Mídia Livre’ pelo Ministério da Cultura.

Grupos de trabalho

No sábado, os profissionais e estudandes se dividiram em grupos de trabalho, cujos temas foram: ‘Formação Superior + Estágio + Novas Matrizes Curriculares + Novos Desafios para Graduação’; ‘Condições de Trabalho + Filiação à Central Única dos Trabalhadores’; ‘Análise da Conjuntura + Democratização da Comunicação + Eleições 2010’; ‘Assessoria de Imprensa’.

Esses GTs analisaram e propuseram mudanças nas teses enviadas para discussão no 6º Congresso. As proposições foram votadas na plenária final, no domingo, quando também foi realizada a Assembleia-Geral Extraordinária para definir a pauta da Convenção Coletiva de Trabalho e eleger os delegados ao 34º Congresso Nacional dos Jornalistas.

******

Jornalista, especialista em Linguagem, Cultura e Ensino, Foz do Iguaçu, PR

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem