Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

FEITOS & DESFEITAS > O escândalo Volkswagen

Kaputt, a derrocada

Por Alberto Dines em 25/09/2015 na edição 869

Já foi Auf Wiedersehen, Até a Vista, depois Alles Blau, Tudo Azul, mais recentemente a expressão alemã mais popular no Brasil passou a ser Das Auto, O Carro, honrosa referência à linha de automóveis fabricados pela Volkswagen, não tão luxuosos como os Mercedes ou BMW, porém sólidos, acessíveis, duráveis — padrão Alemanha, confiável e correto.

A falsificação dos resultados dos testes de emissão de gases através de um software instalado nos carros movidos a diesel gerou o maior escândalo da indústria automobilística mundial obrigando o gigante de quase 80 anos a fazer um colossal recall de cerca de 11 milhões de carros em todo o mundo. Junto veio uma devastadora desvalorização de suas ações, pedido de demissão do presidente do grupo e o inescapável efeito-dominó que maculou a imagem política, econômica e moral do pais-milagre, locomotiva europeia.

Intoxicados pela ótica e a semântica americana, estamos agarrados ao termo recall, fixados na consequência da insana burla tecnológica, esquecidos do fato em si, seus significados e as evocações que produz na comunidade mundial. A mídia alemã designa o episódio tanto como VW-Skandal (Escândalo Volkswagen) evidentemente mortificada com o aspecto moral ou como Abgas-Skandal, Escândalo das Emissões, justificando o apego germânico à precisão.

Deveria ser Kaputt (ruína ou debacle), título de um romance-reportagem publicado em 1944 que converteu o jornalista italiano Curzio Malaparte numa estrela literária graças à sádica maestria em evocar o clima de horror e perturbação daquele final da guerra. Ex-fascista convertido ao comunismo, Malaparte flagrou com nojo e fascinação os escombros de uma civilização apodrecida, ainda insepulta.

Ironicamente, o atual Kaputt não foi produzido por um país arruinado ou alucinado. Ao contrário, o capitalismo alemão é dos menos selvagens e mais inovadores, fortemente impregnado pela longa convivência com a social-democracia e com os valores que sempre permearam a cultura alemã antes do inferno nazista. Angela Merkel simboliza uma era de convergências pragmáticas, pós-ideológicas, tolerante (não obstante os surtos xenófobos de grupos de extrema direita).

Tal como importantes corporações alemãs, a Volkswagen é uma empresa que se pretende verde, comprometida com a preservação ambiental e a defesa da sustentabilidade. O diabólico projeto de falsificação de dados — digno de um filme de ficção-científica — foi empreendido pela subsidiária norte-americana para driblar as exigências locais e abocanhar um mercado sensível às questões ecológicas.

E, como se não bastassem infortúnios, a revelação da trapaça ocorreu justamente na véspera da visita aos Estados Unidos do papa Francisco, o mais verde de todos os pontífices, militante apaixonado pela causa da preservação da espécie humana.

A Volks, a Alemanha, a indústria automobilística mundial e as tecnologias irresponsáveis estão Kaputt – arruinadas, partidas, rotas, deterioradas. Numa hora que deveria ser marcada pela busca da verdade, fomos enfiados num gigantesco faz-de-conta, cada vez mais amplo, espesso, indevassável. Por casualidade ou causalidade, tudo nos aproxima do tenebroso Kaputt de 1944 que imaginamos reparado. Falta muito.

***

Alberto Dines é jornalista, escritor e fundador do Observatório da Imprensa

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem