Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

ENTRE ASPAS > VIDA DE JORNALISTA

Leitura boa, leitura ruim

Por Fausto José de Macedo em 05/08/2008 na edição 497

Na quarta-feira (23/7), o Jornal Nacional abriu com uma matéria dando como boa notícia o fato de que milhares de estágios estavam superando as ofertas normais de empregos no Brasil e assim mais jovens teriam realizado o sonho de seu primeiro emprego.

Mas um fato às vezes pode ter duas leituras possíveis, uma boa e outra ruim. E a ruim, neste caso, é que quanto mais jovens estagiários, menos profissionais formados estão no mercado.

Outra conseqüência é o efeito perverso de que a idade máxima no mercado vai caindo de 50 para 40 anos e de 40 para 30 anos. Já ouvi um professor da Escola de Comunicação e Artes, da USP, dizer a seus alunos que o estagiário de hoje é o desempregado de amanhã.

Voltando ao Jornal Nacional, parece masoquismo certas informações que veiculamos com óculos cor-de-rosa. Claro que não queremos ver só Observatórios da Imprensa veiculados pelo JN, mas seria necessário contrabalançar e mesclar as informações.

Rindo e chorando

A categoria profissional dos jornalistas foi uma das primeiras a testar a terceirização, uma das principais na alta rotatividade do emprego. Em um ambiente de pequena oferta e grande procura, o que ocorre é que o desemprego dos mais velhos se torna uma sentença mortal.

Estou à margem do mercado desde os 43 anos, quando deixei para trás um emprego e uma carreira em que estava decolando para mergulhar nos baixos salários e nos trabalhos rarefeitos. Isso sem falar que nunca mais encontrei redação que me desse acolhida por mais de um ano e salários condizentes com aquele que deixei para trás.

Minha filha é meu atestado de competência e, como eu, escolheu o jornalismo por profissão. Porém, costumo dizer-lhe que tenha cuidado e faça um bom pé-de-meia até os 30 anos, do contrário poderá sofrerá o ostracismo, como eu.

Até quando nós, jornalistas, faremos como o palhaço, rindo para fora e chorando por dentro as mazelas da vida? Tenhamos consciência crítica de que o famoso mercado nos odeia e gostaria de exilar alguns de nós – o quanto antes e mais cedo.

******

Jornalista, São Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem