Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Manual de auto-ajuda para jornalistas fundamentalistas

Por Dioclécio Luz em 25/07/2005 na edição 339

Em meio as bombas nasce a esperança de um dia melhor, amanteigado, suave como as pétalas de uma rosa. Sim, os ricos também choram.

Este parágrafo adocicado acima é apenas um jeito meloso de atrair aqueles jornalistas mais radicais que acham que a guerra, a invasão e o massacre de todos e todas é a única forma de impor um modelo político-econômico que salva a todos e todas para a glória de Deus. É para aqueles que acham que um Estado que pratica o terrorismo tem o direito de matar, numa pretensa guerra contra o terrorismo. Aqui, finalmente, se apresentarão dicas de como este jornalista, obcecado por um único jeito de mudar o mundo, que é não mudar o mundo, pode acabar com o terrorismo no planeta.

Pela primeira vez na história do mundo ocidental é publicado um manual completo sobre o que este jornalismo de entretenimento, e o que ele pode fazer para acabar com o mal do século – satanás e o terrorismo praticado por ele, por grupos muçulmanos, de narigudos, gente da pele morena, árabes; todos os devotos de Alá e Maomé; e, agora, brasileiros. O manual é para estes profissionais do jornalismo que acreditam firmemente que todo não-cristão – como nos bons tempos da Idade Média, quando Bento 16 ou 17 era vivo – é suspeito e portanto deve ser morto. Como todo manual de auto-ajuda, este também é raso, superficial, embora se pretenda ter a solução para o terrorismo no mundo. Como o jornalismo que estes coleguinhas (a quem este manual é indicado) fazem também é superficial e arrogante (e tendencioso e mentiroso), embora se pretenda imparcial e sério, ficam elas por elas, e vamos em frente. Eis o manual:

Primeiro ponto – o diagnóstico

O terrorismo nasce como uma reação à tentativa sanguinária dos Estados Unidos (com a cumplicidade da Inglaterra), considerada legítima, conforme os patrões destes coleguinhas, de se tornar um império mundial. Ao legitimar isso, ao aceitar isto como verdade última, o jornalista se torna cúmplice de um processo histórico que gera mais desigualdades, mais fome, e, como se percebe, mais guerras e mortes.

Alguns estudiosos, descobertos ou criados por este jornalismo de sangue, tentam desqualificar o fato. Para estes não existem rebeldes, mas terroristas; e terrorista não tem nenhum objetivo, nenhuma idéia, nenhum propósito, são apenas assassinos em busca de sangue e da salvação em Maomé. Eis o crime maior, a mentira propagada como justificativa para o roubo mascarado como uma falsa guerra. São os mesmos que difundem que ser salvo em Cristo é o único caminho (praga que chegou aos campos de futebol). Jesus é muito mais porreta que esses árabes fanáticos. Só Jesus salva, garantem católicos e evangélicos, direita ou esquerda – nisso todos são iguais.

Afirmações assim explicam por que os pacatos cidadãos londrinos foram alvo de ataques que mataram 50 pessoas e feriram mais de 200. É porque o terrorismo se preocupa apenas em matar, seja adultos ou crianças. Mas não explica por que a polícia londrina mata um brasileiro à queima-roupa. Este jornalismo cuidou de destacar como os ingleses reagiram de forma calma e pacífica (se fosse em outro lugar, seria fria e sem sentimentos) ao ataque assassino. Reagir assim virou virtude. Oitenta linhas depois alguém assinala que o terror chegou a Londres porque, provavelmente, a Inglaterra se juntou aos Estados Unidos para invadir e massacrar o Iraque. É verdade: a imprensa noticiou que um estudioso chegou a esta conclusão. Era óbvia para todo mundo, menos para esse jornalismo especial.

A guerra contra o terror substitui o que já foi uma guerra contra o comunismo, guerra contra o tráfico de drogas, guerra contra as imoralidades, contra a minissaia, contra a cerveja em lata… Os Estados Unidos precisam de guerras para sustentar seu poder, e sempre contaram com a cumplicidade de boa parte da imprensa para cumprir seus objetivos. Diga-se a verdade, como bem relata Michel Moore em Tiros em Columbine, eles sempre fizeram isso. Mas sempre tem um jornalista (e principalmente uma empresa de comunicação) disposto a vender o que sobrou de sua alma sebosa para tentar mudar a história. Nesta versão, o inferno são os outros; terroristas são os outros. Por isso temos tanto ódio dos árabes, dos muçulmanos, de bin Laden, Sadam Hussein, de tudo que não serve aos interesses norte-americanos.

Ao se ver um jornal destes aí, a impressão é de que o mundo se divide em norte-americanos, nossos aliados, e os outros. Os outros, se não querem vir para o nosso lado, devem ser dizimados. A morte é justificada. Não tem nada de novo nisso: os mortos de lá sempre valem menos que os de cá. Já morreram mais de 100 mil iraquianos, mas o caso não provoca a comoção de um ataque suicida na capital londrina. Morrer no Iraque faz parte do cotidiano. Não é mais notícia. Ou, pelo menos, notícia que mereça destaque. Na verdade, não é mais espetáculo, perdeu a graça. Noticia-se apenas o número de mortos porque, afinal, a grande maioria é subgente, os iraquianos. Não fazem falta ao nosso mundo civilizado. O ‘mundo livre’, como dizem os nazistas de plantão. Estes mesmos jornalistas, não tendo o que criticar do encontro América latina e Árabes, disseram que no documento faltava a palavra ‘democracia’. Consideraram isto um crime. Foi manchete dos jornais maiores deste país. Povo de cabresto: a crítica tinha origem no Departamento de Estado norte-americano, porque estes nazistas modernos consideram ‘democracia’ um governo que não se submete a eles.

Mas essa questão do terrorismo lembra Canudos. Olha como é parecido…

Nos idos de 1893 um maluco, um fanático, como se dizia na época, Antonio Conselheiro, montou um grupo de rebeldes (terroristas?) com o objetivo de derrubar a República recém-instaurada e fazer retornar a monarquia. Três expedições de aniquilamento fracassaram. Uma quarta expedição foi formada, com mais de 10 mil soldados. Sob a tutela do exército, alguns jornalistas foram cobrir o último grande evento: um espetáculo? Entre estes havia o engenheiro-cientista-militar-jornalista Euclides da Cunha, a serviço do jornal Estado de S. Paulo.

Euclides foi para a guerra com algumas certezas: 1) O povo de Canudos era de fanáticos, malucos e deveria ser exterminado; 2) Era uma subgente, porque mestiça; 3) Era subgente porque nascida numa subnatureza, a Caatinga nordestina. Todos esses preconceitos contra o Nordeste, contra os nordestinos, os rebeldes, os diferentes eram correntes na época, e avalizados pela ciência, pela religião, até se tornar cultura. Ao fim do seu livro, meio ciência (e também falsa ciência) e meio literatura, Euclides concede uma palavra ao real: foi um massacre, não sobrou ninguém vivo para contar a história – até os sobreviventes foram degolados.

Este foi o grande mérito de Euclides com relação ao caso: não permitiu, pelo menos ali, que a história fosse distorcida.

No caso dos Estados Unidos e a construção do terror, a história é continuamente distorcida pelos jornalistas. Intencionalmente. Por exemplo, como já disse em outras ocasiões, todos estes jornalistas que cobriram a guerra sabiam que a invasão não era porque Saddam tinha artefatos de destruição em massa, mas porque os Estados Unidos queriam roubar as riquezas do Iraque e garantir uma posição geopolítica imperial na região. Não havia nenhum motivo nobre nesta ação – e estes ditos profissionais de imprensa se calaram. Já haviam se calado antes quando os Estados Unidos invadiram o Afeganistão, atrás de um inimigo invisível, bin Laden. Inimigos invisíveis são ótimos para justificar a guerra e o roubo, a expansão do império: eles podem estar em todo canto, por isso a guerra se faz em todo canto. É o que acontece quando o tema é terrorismo – garante ações beligerantes em qualquer lugar do planeta.

O jornalismo que se satisfaz com o espetáculo, com a superfície, que confunde a Disneylândia com o Afeganistão, não se preocupa em fornecer o contexto. A história não existe. É impossível saber hoje o que é, ou o que foi, a guerra do Iraque. O que conta é o fato. E, convenhamos e convenhamos, o que temos é o fato mal contado, numa versão oficial, tendenciosa, picaresca, ou pirandélica.

A TV, em especial, apóia descaradamente este Big Brother chamado EUA, não como o programa de TV, mas no contexto do livro de George Orwell – o totalitarismo.

Temos uma guerra onde só morre do outro lado. Não há fotos ou imagens de soldados norte-americanos feridos ou mortos. Aquele alguém que fez ou divulgou fotos dos caixões de defuntos chegando aos EUA, trazendo seus heróis (afinal, norte-americano quando morre sempre vira herói), este perdeu o emprego. Esta guerra é uma guerra noticiada a partir do Departamento de Estado norte-americano. E os coleguinhas da imprensazinha nacional aceitam isso passivamente. Os informes sobre os combates nascem e morrem em Washington ou Nova York, trazidos por coleguinhas que, barba feita, expressão dura, lêem o release chapa-branca.

Não se arriscam a dizer que os EUA reproduzem a pretensão nazista de tomar o mundo – Bush é igual a Hitler, coleguinhas. Estes coleguinhas da grande imprensa não informam que os Estados Unidos já foram condenados pela ONU por promover o terrorismo de Estado (é a única nação que tem esse status). Não têm coragem de ouvir o outro lado; por exemplo, o dos rebeldes, os que fazem a resistência no Iraque ou Afeganistão. Não relatam a história completa, o que aconteceu, e porque aconteceu, e o que está acontecendo no Iraque e no Afeganistão – as verdadeiras pretensões dos Estados Unidos na região.

Segundo ponto – como salvar a pele

A partir de agora, detalhamos como acabar com o terrorismo no mundo. Ponto a ponto.

1) Use a cabeça. Muitos jornalistas preferem passar por burros a mostrar a verdade. Por exemplo, quando estoura uma bomba no Iraque numa ação de rebeldes, ou você diz a verdade, que foram rebeldes, ou opta por ser burro – a mando do seu chefe – e informa ao mundo que foi a filial da al-Qaida do lugar. A al-Qaida é a personificação de Satanás.

2) Diga a verdade. Não insista em mentir para o mundo. Diga o que todos sabem: os ataques terroristas significam uma reação de povos à invasão norte-americana. Diga que George Bush não apenas forjou sua eleição, como tem uma proposta nazista de dominar o mundo. Diga que existe o terrorismo de Estado. Experimente falar a verdade, pelo menos uma vez na vida.

3) Não faça papel de idiota. Quando o Departamento de Estado norte-americano mandar você divulgar uma nota oficial, ou quando seu chefe determinar isso, diga que não é idiota para fazer isso. Não é por nada não, mas quem lê seu texto ou vê você lendo isso vai achar que é um grande idiota.

4) Não seja idiota. Não se satisfaça com uma única fonte de informações. Busque outras. Use a internet, se for o caso. Ou o telefone. Converse com seu filho de 5 ou 6 anos. Na escolinha dele os colegas sabem bem mais do que isso que você anda lendo.

5) Denuncie o nazismo de Bush e sua gangue internacional. Se você não tem tempo para ler um livro, ou uma revista que não seja a Veja, pesquise na internet. Há um monte de páginas na internet que mostram o aparato militar norte-americano espalhado pelo mundo, e de como esse nazista age. Se você falar ou escrever que ele é um nazista, se revelar suas pretensões de expansão do império, não será novidade para o mundo, mas será pelo menos para você (que não conhece outra coisa na vida além do seu jornal e sua TV).

6) Divulgue as fotos do massacre no Iraque. Todos os dias são assinadas dezenas de pessoas no Iraque. O Departamento de Estado norte-americano não quer que o mundo veja as fotos das vítimas, por isso faz censura. Mas basta procurar na internet, ou um correspondente de um veículo sério e decente, que você consegue estas fotos. A guerra do Vietnã só teve fim quando mostraram as cenas mais chocantes do que acontecia por lá. Ah, sim, informe ao mundo que há censura na cobertura desta guerra.

7) Guerra não é jogo de futebol. Numa guerra morre gente, as famílias são atingidas, casas são destruídas, não existe segurança. Não há como tratar essa desgraça como um espetáculo. Por isso, toda vez que for fazer matéria tratando de guerras, não relate o caso como se fosse um jogo de futebol ou um programa de entretenimento.

8) Terrorismo não cai do céu. É doloroso dizer a verdade a você, mas Papai Noel não existe. É uma mentira. Como também é mentira essa história de que o terrorismo surgiu do nada e tem como único objetivo o nada – somente matar e matar. Experimente ler um livro sobre o assunto. Qualquer um. De repente até Paulo Coelho tem alguma informação. Isto porque você não pode continuar repetindo as mentiras sobre o tema. Se você, um dia, contar no seu veículo o que é o terrorismo, ou o falso terrorismo, ou contar o porquê desses atos considerados terroristas…

9) Jornalistas alimentam a guerra. Todo veículo de informação é formador de opinião. Por isso você pode alimentar ou ajudar a acabar com a guerra. Se ficar do nosso lado, revelando os fatos, você pode não acabar com o terrorismo (o de Estado e o outro), mas já terá contribuído muito para a paz deste planeta. E para criar a impressão de que é possível uma comunicação honesta, decente, séria e preocupada com as pessoas.

******

Jornalista e escritor, diretor do Comitê de liberdade de expressão do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF, estudioso e militante da mídia alternativa, tem livro publicado sobre rádios comunitárias e liberdade de expressão

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem