Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

FEITOS & DESFEITAS > iG

Mario Vitor Santos

02/10/2007 na edição 453

‘Neste sábado, 29, o acidente com o avião da Gol completa um ano. O iG conclui a cobertura especial sobre a crise aérea. O principal destaque foi o infográfico, já analisado aqui. Além disso, o iG realizou chats e algumas reportagens, em geral repetitivas, em número limitado, sem trazer novidades relevantes.

A iniciativa do Último Segundo de realizar um esforço especial em torno de uma efeméride importante merece elogios. Deve ser repetida no futuro.

Nesta cobertura, foram publicados quatro chats. O primeiro foi na terça-feira, com Angelita Marchi, presidente da Associação de Familiares e Amigos do Vôo 1907. Na quarta, foi a vez do representante da Comissão dos Familiares das Vítimas do Acidente com o Airbus da TAM Dario Scott conversar com os internautas sobre o acidente, responsável pela morte de sua filha. Na quinta, o presidente da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Transporte Aéreo (SBTA), Anderson Correia, participou de um bate-papo em que chamou a atenção para a falta de segurança no aeroporto Santos Dumont, no Rio. Para completar, na sexta, a técnica da Fundação Procon-SP Márcia Christina Oliveira falou sobre os acordos feitos com as famílias do vôo 1907, da Gol.

Uma vantagem do chat é que o internauta pode conseguir a informação mais diretamente da fonte, sem depender tanto do critério do jornalista, que normalmente corta trechos e edita a reportagem. Entretanto, só a conversa com Scott foi reproduzida na íntegra. Quem perdeu qualquer um dos outros três bate-papos teve que se contentar com o texto de uma reportagem como outra qualquer.

Outra limitação, talvez a maior, está na forma de apresentação do especial. O sistema de ‘Tempo Real’, elogiado aqui em outras ocasiões, não deu certo neste caso. As informações se repetiam. Além disso, a ferramenta do ‘Tempo Real’ não permite muitos recursos para destacar o que é importante das notícias. Ela não favorece a edição das informações, mas apenas a publicação de alguns títulos pequenos, em que o que mais aparece, estranhamente, são a data e o horário das notas.

A iniciativa de coberturas especiais é louvável e mostra uma intenção que pode ser muito decisiva no futuro. Mas ainda faltam condições humanas e materiais adequadas. A expectativa para o futuro é que o resultado desses esforços de reportagem corresponda, em qualidade e volume de informações, às expectativas criadas em seu anúncio.

Veja as notas desta sexta-feira:

‘28/09/2007 15:04:44

Após um ano do acidente com o vôo 1907, ocorrido em 29 de setembro de 2006 e que causou a morte de 154 pessoas, a Gol anunciou nesta sexta-feira que já fechou acordos de indenização com as famílias de 32 vítimas, beneficiando 82 pessoas.’

28/09/2007 14:59:18

Em bate-papo realizado nesta sexta-feira, a técnica da Fundação Procon-SP Márcia Christina Oliveira afirmou que TAM e Gol são as empresas aéreas com maior número de reclamações dos consumidores.’

‘28/09/2007 14:07:27 Agora no iG Papo!

A técnica da Fundação Procon-SP Márcia Christina Oliveira participa agora de chat no iG Papo com os internautas do Último Segundo para falar sobre os direitos do consumidor na hora de viajar. Participe agora do chat!’

‘28/09/2007 08:14:45

O Último Segundo realiza nesta sexta-feira seu último chat sobre a crise aérea, que completa um ano neste sábado. A técnica da Fundação Procon-SP Márcia Christina Oliveira vai tirar as dúvidas dos internautas sobre como agir diante de problemas em viagens aéreas. O bate-papo acontece a partir das 14h’

Os quatro posts falam do mesmo chat e dificultam a leitura. Apesar dos recursos como as abinhas para o infográfico, comentários, notícias ou ‘iGpapo’, todos presentes no ‘Tempo Real’, uma apresentação em forma de página de notícia, que pudesse ser editada em vez de só atualizada, ajudaria na navegação.

***

Abaixando o jornalismo (27/9/2007)

O iG publicou hoje em sua capa, como se fosse um furo, uma informação velha, de quatro anos atrás no mínimo. Com base em ‘notícia’ oriunda do ‘iG Gente’, o portal publicou os seguintes títulos: ‘Kiefer muito louco – Astro de ‘24 Horas’ abaixa as calças’. Ao lado, o iG publicou uma foto do ator Kiefer Sutherland sem camisa. Como não poderia deixar de ser, a notícia gerava curiosidade imediata, ainda mais diante do fato de que Sutherland já tinha sido detido nesta semana por dirigir bêbado, violando a liberdade condicional.

O leitor que acreditasse no iG e clicasse no texto ou na foto era remetido a uma página interna com as seguintes informações (note bem, sob uma vinheta chamada ‘Notícias’): ‘Kiefer Sutherland abaixa as calças em restaurante americano’. Vinha em seguida uma foto de Sutherland de cuecas, com as calças arriadas. Como fonte, a ‘notícia’ refere-se apenas a ‘fotos, que já circulam pela internet e pela imprensa internacional’. Não é citado o nome de nenhuma agência de notícias, jornal, revista ou mesmo site da internet. Nenhuma fonte.

O texto faz afirmações graves: ‘Não bastasse ter sido preso na madrugada de terça-feira (25) por dirigir bêbado em Los Angeles, o Jack Bauer da série 24 horas agora exibe o corpinho em fotos nada discretas’.

E continua: ‘Kiefer surge no que parece [parece ou é?] ser um restaurante fino [por que parece fino? Parece normal] dando o maior bas-fonds, as calças abaixadas, o sorriso alcoolizado e, para terminar, uma rosa colocada sobre a mais íntima das partes da anatomia masculina.’ Ponto final. O texto não identifica nem onde nem quando o fato ocorreu. Não aponta testemunhas.

Uma simples pesquisa na própria internet leva à conclusão de que se trata de notícia velha, uma ‘barriga’, como o jargão jornalístico denomina a notícia inverídica. Na verdade, a foto foi feita há mais de quatro anos. O ‘fato’ não aconteceu nem agora nem nas condições em que o iG o descreve. A edição toda é um grande equívoco e, provavelmente, está baseada apenas em ‘fotos que circulam na internet’. É quase certo ser falsa a afirmação do texto segundo a qual essas fotos também ‘circulam na imprensa internacional’. O iG deveria apontar quais os veículos da imprensa internacional que publicaram as fotos depois do dia 25 e que publicaram que elas eram recentes. Fotos velhas e requentadas, dessas que circulam sim pela internet, mas não têm nenhuma atualidade e ninguém lhes dá nenhuma credibilidade.

Um portal sério não pode inventar nem publicar esse tipo de informação. Quando um leitor clica em algo, ele empresta sua credibilidade ao portal. Se a informação é falsa, inventada com fins sensacionalistas, a imagem do iG é gravemente corroída. Alguém pode querer alegar que as mesmas imagens foram publicadas pelo Terra (veja aqui) horas antes do iG. O erro seria antes do Terra, então. Além de não justificar, a cópia, se ocorreu, talvez seja ainda mais grave. O texto do Terra afirma que as fotos de Sutherland com as calças abaixadas eram de cinco meses atrás, o que já é uma desinformação. Elas são bem mais antigas. O iG porém agravou o erro do Terra ao dizer que as fotos haviam sido feitas nesta semana.

O Manual de jornalismo do Último Segundo, o jornal informativo do iG, tem regras éticas que deveriam, adaptadas, valer para todo o portal. Publicar a verdade, verificar antes de divulgar, distinguir qual informação é relevante, identificar as fontes e, quando errar, publicar correções. Fora dos marcos da boa ética, as intenções podem até ser boas, mas o desastre é um risco permanente.

Veja outras reportagens, em inglês, sobre o caso:

– ‘Kiefer strips for partygoers’, de 30 de abril de 2006. Apesar de não ter fotos do local, relata o caso, que aconteceu na boate Dimples.

– ‘Kiefer Sutherland caught with his pants down’ – imagem, postada em 8 de abril de 2005, já com a mesma foto

– ‘Jack Bauer caught with his pants down’ – post de 5 de maio de 2006 em um blog dos Estados Unidos com mesma reportagem e foto

***

Desastre e superação (26/9/2007)

Um ano depois do desastre com o avião da Gol, o iG prometeu uma ampla cobertura sobre o acidente e a crise aérea desencadeada no seu rastro. Nesta quarta-feira, 26 de setembro, o Último Segundo lançou o infográfico ‘1 ano de crise aérea no Brasil’.

O infográfico merece elogios. Trata-se de um material diferenciado, com informações organizadas sobre diversos aspectos do acidente e suas repercussões. Essas informações são apresentadas com grande harmonia visual. Os textinhos jornalísticos não chegam a ser profundos, mas são relevantes, escritos em tamanho curto e estilo objetivo. É o resultado de um investimento da equipe de jornalismo do iG, que procura oferecer aos leitores um produto de maior qualidade. No material, não há furos de reportagem, nem análises inovadoras. É um trabalho de ‘memória’, feito corretamente.

Um problema, porém, importante é falta de um texto que faça um apanhado geral e dê sentido aos fatos mais importantes, organizando e hierarquizando as informações. O leitor ao clicar no símbolo da porta de entrada da cobertura é apresentado a uma linha do tempo e a um índice. A forma principal da pesquisa dos acontecimentos no infográfico é pela data. Uma linha do tempo vai guiando o internauta para que ele relembre o que aconteceu ao longo dos meses. Aqui vale uma ressalva. O sistema é bom, mas poderia ter uma linha fina sob cada data em destaque, dizendo o que aconteceu naquele dia. Quem quiser saber, por exemplo, do motim dos controladores de tráfego e não lembrar a data em que isso aconteceu, terá que percorrer cada destaque para achar.

No índice, aparecem, por exemplo, depoimentos dos parentes, a lista dos acusados, uma ilustração e um mapa localizando algumas cidades e a situação dos aviões que colidiram. É um material volumoso e relevante. Mas o leitor tem dificuldade de se localizar, não há uma ordem de leitura, provocando uma certa desorientação.

O infográfico foi publicado ao lado de uma lista de textos relevantes, mas também de difícil identificação. São notas soltas. Elas não têm título. O leitor não tem como saber do que tratam. É incrível como a cultura virtual às vezes também engessa e limita os recursos de edição já existentes no velho jornalismo. Esses textos em ‘tempo real’ são relevantes, mas sobre eles vai apenas um registro estranho, a data e o horário irrelevantes em que foram publicados. É o chamado ‘Tempo Real’, uma espécie de minuto a minuto contando os principais fatos que desencadearam a crise no sistema aeroportuário.

Uma boa escolha foi a criação do ‘acesso rápido’, onde é possível ir diretamente aos conteúdos multimídias, além de seções como dicionário e frases. O mérito do trabalho está claramente identificado, dessa vez. Um expediente informa o nome dos criadores do trabalho. Nesta quarta-feira o iG também lançou um ‘chat’ com parentes de vítimas da crise. O balanço desse primeiro dia, portanto, é bem positivo. A iniciativa pode servir como marco de qualidade que sirva como patamar mínimo para todas as coberturas relevantes. Assim se cria a excelência. Propõe-se uma tarefa com objetivos especiais. A partir do sucesso, tenta-se generalizar a experiência para o dia-a-dia das atividades. Aquilo que era de exceção passa a ser de rotina. Desde que sejam providenciados as condições e o suporte adequado.

***

Vale o que está escrito (25/9/2007)

O Último Segundo, serviço de notícias jornalísticas do iG, anunciou hoje que fazer ‘uma série com reportagens especiais e vários chats com especialistas no assunto e personagens da tragédia’ do dia 29 de setembro do ano passado, em que morreram 154 ocupantes de um Boeing da Gol que caiu no Mato Grosso após chocar-se com um jatinho Legacy, fabricado pela Embraer.

Essa não é a primeira vez que o Último Segundo realiza esses ‘chats’, nem que anuncia a realização de reportagens especiais. O jornal do iG ensaia um passo no sentido de concentrar e coordenar esforços próprios (não só a reunião do trabalho dos parceiros, espera-se) para impor a sua marca a uma cobertura. É a oportunidade de realizar um panorama dos acontecimentos, colocar os fatos em perspectiva, tentar compreender suas razões, registrar as reações dos diversos envolvidos e os desdobramentos. Como intenção, não poderia haver melhor. Merece, portanto, um acompanhamento crítico à altura.

Ironia

O iG destacou hoje em sua capa reportagem do Minha Notícia, produzida por colaboradores internautas, segundo a qual a ‘Argentina mostra força no Mundial de futebol gay’. Numa notícia só, duas ironias unidas, sem muita sutileza, atingindo alvos favoritos, gays e argentinos.

Reportagem do Minha Notícia, com uma foto visivelmente produzida para chamar mais a atenção do internauta

Ainda sobre o tempo

A respeito da ausência de um noticiário do tempo na home do iG, assunto abordado na nota ‘A capa do iG não tem previsão do tempo’, a editora-chefe do Último Segundo, Mariana Castro, enviou nesta segunda-feira a seguinte mensagem:

‘Oi Mario, tudo bem?

Além da previsão do tempo estar na home e em todas as páginas internas do Último Segundo, a nota ‘Frente fria vira o tempo na região sudeste’ foi destaque na primeira página do iG na manhã de hoje.

Agora, esta é destaque da home ‘Frente fria causa chuva em SP e rajadas de vento no RJ’. Mas concordo sobre a importância de ter destaque fixo para a previsão do tempo. Abraços.’

Mariana Castro’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem