Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

FEITOS & DESFEITAS > ANÚNCIOS DE CERVEJA

Medidas louváveis, mas fracas

Por Marcus Tavares em 10/06/2008 na edição 489

É ultrajante assistir às campanhas publicitárias que vêm sendo exibidas na TV defendendo a permanência e a legalidade dos anúncios de cerveja. Uma delas, veiculada pela Associação Brasileira de Agências de Publicidade, afirma que a ‘publicidade de cerveja não é culpada pelos irresponsáveis que dirigem embriagados, pelos criminosos que vendem bebidas a menores e pelos covardes que praticam violências de qualquer espécie’.


É óbvio que a publicidade não pode ser apontada como culpada por estas questões, mas é fato que ela estimula o consumo das bebidas alcoólicas e também desperta o interesse de crianças, jovens e adultos, ainda mais quando explora o erotismo e vincula o produto ao sucesso profissional, social ou sexual.


Mas os interesses econômicos falam mais alto. No início deste mês, projeto de lei que restringe a propaganda no rádio e na TV foi retirado da pauta de votações da Câmara dos Deputados por pressão e lobby dos fabricantes de cerveja, das agências de publicidade e das emissoras.


Sem bebida


O caso é tão polêmico que o Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária entrou no circuito e divulgou novas restrições para a propaganda. Pelo documento, os anúncios só podem ser exibidos entre 21h30 e 6h.


As medidas são louváveis? Sim, mas fracas diante dos efeitos da publicidade sobre os consumidores e dos males que a bebida causa à saúde.


A Universidade Federal de São Paulo e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo lançaram a campanha Movimento Propaganda Sem Bebida. Anuncie. Talvez, a moda pegue. Clique aqui.

******

Editor do RioMídia/MultiRio

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem