Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

FEITOS & DESFEITAS > LEITURAS DE VEJA

Montaigne e a questão da auto-estima

Por Gabriel Perissé em 10/07/2007 na edição 441

Das últimas dez capas da revista Veja, três dão destaque aos escândalos políticos, duas reeditam o clássico Papa x Darwin, a mais recente retoma a questão da saúde individual (relacionada a outra, sobre a luta contra os vícios), e outras duas referem-se a temas recorrentes da vida brasileira: racismo e emprego público.

A edição 2.015 (4/7) estampa o coração do amor-próprio. A auto-estima como garantia de paz interior num mundo estressante, corrupto, violento. Na ‘Carta ao leitor’, o editor cita Michel de Montaigne, cujos ‘ensinamentos embasam parte da reportagem especial sobre auto-estima’.

A fé em mim mesmo, ser o meu melhor amigo, acreditar em minhas capacidades – aí reside a mensagem fundamental dos livros de auto-ajuda. Isto já não é mais segredo, ou ainda é? Da lista dos livros atualmente mais vendidos, vários prometem revelar a chave secreta da felicidade: O Segredo, de Rhonda Byrne, Os Segredos da Mente Milionária, de T. Harv Eker, e O Segredo dos Campeões, de Roberto Shinyashiki.

No final do texto assinado por Rosana Zakabi, descobrimos o porquê da capa. Graças a uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association, Veja descobriu que a auto-estima dos brasileiros está baixa. Já os franceses têm alta auto-estima… talvez porque lêem Montaigne no original! Em compensação, a mesma pesquisa demonstra que somos campeões em otimismo… talvez porque não leiamos Montaigne direito!

Desprezo pela vida

O ensinamento do pensador francês, que fundamenta parte da reportagem especial, reduz-se a uma citação: ‘A pior desgraça para nós é desdenhar aquilo que somos.’ A frase poderia ser atribuída a Paulo Coelho ou Zíbia Gasparetto. O que a jornalista não fez (algum outro jornalista faria?) foi contextualizar a mensagem. Contextualizando-a, percebemos que Montaigne jamais poderia ter sido mencionado como ‘referencial teórico’ dessa matéria.

A frase pertence ao último capítulo dos Ensaios, no qual Montaigne discorre sobre a experiência como aprendizado. A uma certa altura, escreve: ‘de nos maladies la plus sauvage, c’est mépriser notre être‘. Tradução de Sérgio Milliet: ‘a mais terrível das moléstias é o desprezo pela vida’.

Essa moléstia se opõe à ciência de ‘savoir vivre cette vie’, isto é, Montaigne não se refere ao ‘eu’ que devemos amar sobre todas as coisas, mas à vida, a esta vida, à vida que Deus quis nos outorgar – ‘telle qu’il a plu à Dieu nous l’octroyer’.

Montaigne e Veja, nada a ver…

******

Doutor em Educação pela USP e escritor; www.perisse.com.br

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem