Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

FEITOS & DESFEITAS > LA REPUBBLICA

Mudando para continuar o mesmo

Por Giulio Sanmartini, de Belluno (Itália) em 25/09/2007 na edição 452

Os dois mais importantes jornais da Itália são o vetusto Correire della Sera, fundado em 1876, e la Repubblica, com exatos cem anos menos. Este último surgiu quando o milagre italiano já era uma realidade irreversível e chegou para inovar, além do conteúdo, da paginação e da linha editorial – apareceu em forma de tablóide.

Sou leitor de la Repubblica, todos os dias da semana menos às quintas-feiras, quando vou para o Corriere pois traz o encarte ‘Magazine’ e confesso que me tornei totalmente dependente da forma tablóide; o outro tamanho me é estranho e é até difícil virar as páginas.

Agora, que completa 31 anos, la Repubblica mais uma vez resolveu inovar mudando a estrutura e a própria concepção do jornal.

Desde quarta-feira passada (19/9), o jornal passou a dividir-se em três. A parte principal conterá as notícias mais importantes do dia; aqui que se faz necessário saber para entender com maior clareza, na forma gráfica e na riqueza informativa.

Pensamentos de Sarkozy

No coração do quotidiano, nasce o ‘R2’, que recolherá diariamente os serviços especiais de la Repubblica. Um jornal de investigações, histórias, dossiês, reportagens e contos para aprofundar fatos e protagonistas da grande crônica italiana e mundial. Nesse novo espaço, a política também terá seu lugar, não uma política que fale de si própria, mas aquela que fale das pessoas e do mundo.

Na parte central do jornal se poderão encontrar as cartas dos leitores, precedidas de uma nova página de idéias, que diariamente apresentará um documento inédito elaborado pelo testemunho de quem o viveu.

Nesse primeiro número, a parte de idéias trata da mudança do mundo pela arquitetura, com pensamentos do presidente francês Nicolas Sarkozy, externados quando da inauguração da ‘Cité de l’architecture’, em Paris, tais como: ‘A arquitetura é a identidade de um país. Me empenharei totalmente na missão de restituir a esse mister a possibilidade de ser audaz’.

Completo em seus temas

No ‘R2’ propriamente dito, a matéria de capa é sobre a Camorra (a máfia napolitana) e ocupa ainda mais duas páginas. As duas seguintes têm por título ‘Maddie não mora mais aqui’ e tratam do desaparecimento da menina inglesa Madeleine McCann, de 4 anos, fato ocorrido no dia 3 de maio em Portugal, onde estava junto aos pais passando as férias. Hoje os principais suspeitos do ocorrido, depois de investigações da polícia local, são os pais da menina. Segue-se um trabalho sobre as dificuldades da igreja católica na China, com depoimentos do cardeal (Hong Kong) Joseph Zen ZeKuin.

Na parte de pesquisa, o assunto é o aumento do preço do pão. Na seção ambiente, trata-se do aumento de temperatura dos mares.

A seção de cultura do ‘R2’ é dominada por Delio Cantimori (1904-1966), historiador interessado profundamente nos documentos sobre os heréticos do Renascimento. ‘R2 espetáculos’ é dedicada à maior cantora de música latina da atualidade: a cubana Gloria Estefan, com mais de 90 milhões de discos vendidos e diz: ‘Canto para minha Cuba sem Castro’.

A mudança parece que foi de agrado geral. Tem-se um diário que tenta ser completo nos seus temas, como diz o jornalista Ezio Mauro (diretor responsável): três partes diversas em um só jornal, todas reunidas ao que mais nos liga a nossos leitores – aquela certa idéia da Itália que la Repubblica continua a testemunhar depois de mais de 30 anos, fiel à obrigação de mudar permanecendo a mesma.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem