Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

FEITOS & DESFEITAS > MÍDIA & PRECONCEITO

Mulheres no marketing político

Por Thaís Raeli Mussauer em 10/11/2009 na edição 563

Outro dia me dei conta que todas as minhas referências bibliográficas sobre o marketing político tinham apenas homens como autores. Comecei a observar ao meu redor e – realmente – é um universo masculino e, como em outras áreas, eles não querem saber de dar muito espaço. Lembrei-me de uma vez em que um grupo de marqueteiros de Brasília me isolou das conversas sobre o tema e espontaneamente um deles sugeriu: ‘Por que você não vai ali atualizar o site?’ Dos males, o menor. Antes da revolução feminina, iriam me mandar pegar um cafezinho ou fazer o almoço.

A verdade é que a política por si é um universo de homens. Vejo algumas referências de lideranças, como a agora vereadora Heloísa Helena e a ministra Dilma Rousseff‎ e o comportamento feminista descaracterizando o feminino. Sabe-se que, nos bastidores, ambas são conhecidas por serem ‘sargentos’ em seus staffs. Cabe a nós, mulheres, a tarefa de assessoria de imprensa como um braço do marketing e ponto final. Mas, o dia-a-dia vai muito além disso. Seria uma mera questão de nomenclaturas? Como no caso das aeromoças e dos comissários de bordo?

Estamos passando por um momento de transição no que se refere ao lugar da mulher nesse universo machista, capitalista e globalizado. Ocupamos nossas cadeiras nas universidades, espaços no mercado de trabalho, mas não dividimos de forma igualitária a tarefa de ser mãe ou dona de casa. E recebemos salários 30% menores. Ainda não colhemos os melhores frutos das americanas que queimaram sutiãs em praça pública. Da pílula anticoncepcional para cá, só vimos a desconstrução da família.

O mundo machista

Dos 30% de vagas reservados às mulheres dentro dos partidos políticos, não chega a 10% de preenchimento. Queria saber esse percentual no marketing político. Precisamos de mais candidatas para as políticas públicas femininas. Precisamos de mais marqueteiras, ou marquetólogas. Precisamos discutir mais a gravidez precoce ou o aborto. Precisamos de mais campanhas sobre o assunto.

Esses números são a demonstração de que a mulher ainda não absorveu a ideia de ocupação deste espaço, assim como a sociedade. Em que momento estamos?

Talvez a política fosse mais doce com as marqueteiras. A velha guarda do marketing não cansa de repetir que política é guerra e é daí que surgem os ataques morais nas campanhas, os carros apedrejados, os militantes perseguidos ou os debates de baixo nível. (Não estou generalizando.)

Mas política também é emoção, é pele, é o sorriso e a sedução. E disso nós entendemos bem. Somos poderosas consumidoras desse produto. Por que não temos vozes mais ativas na linha de produção? Também temos a ferramenta do boca a boca e estamos lá, na linha de frente, quando o assunto é educação, saúde ou qualidade de vida para nossas famílias.

Então, achem marqueteiras para nossas candidatas ou vamos girar 360º graus e acabar no mesmo mundo machista.

******

Jornalista e militante do Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Mato Grosso (Sindsep-MT)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem