Sexta-feira, 27 de Abril de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº984
Menu

FEITOS & DESFEITAS > JUSTIÇA & PRECONCEITO

Música marginal e o establishment

Por Enzo Menezes em 15/04/2008 na edição 481

Uma matéria incomum ocupou a Justiça (e a imprensa) brasileira no fim de março: a 7ª Vara Federal de Porto Alegre condenou a produtora de funk Furacão 2000, do Rio de Janeiro, a pagar R$ 500 mil reais por danos morais por conta da música Tapinha não dói, hit do ano 2000. A alegação da Justiça Federal: a letra da música representaria uma agressão às mulheres através de uma visão preconceituosa que banaliza a violência. O tema foi debatido nos meios de comunicação por juristas, jornalistas, ongueiros, blogueiros, adeptos e detratores do estilo.

O preconceito, nesse caso, foi demonstrado pela Justiça. Parte da sociedade que acusa a devassidão e a falta de profundidade das letras de funk não consegue compreender seu contexto de produção e sua inserção em nossa cultura – sim, música marginal também é cultura. Não, marginal não é feita por bandido, marginal é tudo que está à margem, ou seja, fora do establishment em voga. Marginal é toda forma de cultura localizada fora dos ‘bons costumes’ propagados e reproduzidos pelos diversos estratos sociais.

Se o funk – desde seus primórdios nova-iorquinos aos bailes cariocas – é extremamente politizado (ao denunciar a violência contra os excluídos) ou agressivamente permissivo (pelas letras de manifesto apelo sexual), seria proveitoso questionar suas razões. Não é curioso um gueto passar a ter voz, descrever sua realidade, tomar conta das festinhas da zona sul, fazer produtores mais ou menos estabelecidos lucrarem ao agregar freqüentadores que ‘estão na moda’ e depois ser condenado a pagar por ter causado danos à moral vigente?

Posso compartilhar diversas críticas ao funk (como a falta de vontade de tomada de consciência para mudar a própria situação, a variação insossa das batidas, que se resumem quase sempre à mesma programação), mas não posso deixar de assumir que, se as letras só sabem falar de um sexo descomprometido, animalizado, que transforma os seres em máquinas que não podem falhar para não perder a credibilidade, com relacionamentos fluidos e indiferenciados (força um pouco e pensa em Zygmunt Bauman), é porque quem compartilha essa realidade não tem acesso a outras formas simbólicas, que permitiriam uma abstração sobre o cotidiano e, conseqüentemente, levariam a outros temas. Ou você acha que são oferecidas muitas escolhas?

Colibri e Quebra-Barraco

O funk choca, né. Sem adentrar em comparações estéticas ou musicais, mas analisando apenas as acusações, observemos. Bater em música marginal é fácil. Imagine o choque que não provocou Elvis Presley, com aquela dança ‘com apelo sexual’, ‘selvagem’, cantando uma música ‘depravada’, nos anos 50, frente ao conservadorismo, o mesmo que condenava Jerry Lee Lewis e tantos outros, quando o rock era marginal.

Imagine o estrago causado nos anos 1970 pelo punk, uma resposta do submundo ao ‘papo cabeça’ do rock progressivo. Caras de roupa rasgada, moicanos coloridos, tocando muito pouco ou quase nada, cuspindo na platéia, quebrando os próprios meios de produção, com uma agressividade quase sem razão, refletindo a falta de perspectivas de uma geração desempregada e relegada a crimes fortuitos. Hoje é cult. Já foi marginal, ‘apelativo’, ‘depravado’, ‘baixo nível’, ‘imoral’ etc.

Se Tapinha não dói foi condenada uma década depois do lançamento a R$ 500 mil (com correções monetárias o valor pode ultrapassar R$ 1 milhão de reais!), imagine quando os magistrados conhecerem o Colibri (aquele do Bolete, do Carrinho de pipoca…) ou a Tati Quebra Barraco. Vai o PIB nacional da última década em indenizações por danos morais. Deixa só a Justiça ouvir Dako.

Corporação inocentada

Analisando a letra, Tapinha não dói não é preconceituosa, não carrega apologia à violência nem submete a mulher aos caprichos de um pretenso macho-dominador. Mas dar um tapinha em música marginal é fácil. Vamos ver exemplos de artistas que admiro, para não me acusarem de unilateral: quero ver condenar Jimi Hendrix por lançar Hey Joe em 67, já que sua letra descreve o assassinato de uma mulher pelo marido que a flagra com o amante na cama e em seguida foge para o México.

Quero ver condenar os Ramones por lançar 53rd and 3rd, título da música que se refere a um ponto de prostituição nova-iorquino, que canta as aventuras de um garoto de programa que mata a navalhadas seu cliente, um travesti, só para provar que é muito macho. Quero ver condenar a Vaca Profana de Caetano. Não questiono aqui o instante poético, a qualidade musical, a profundidade ou o conhecimento formal do letrista/músico. Mas, como diz o cantor de ‘Dona das divinas tetas/Derrama o leite bom na minha cara’: ‘(…) Eu também sei ser careta/De perto, ninguém é normal’. Bater em bêbado é fácil, né?

Segundo a Folha de S.Paulo de 29 de março, a mesma ação pedia a condenação da Sony Music pelo lançamento da música Tapa na cara, do Pagodart, e da União, por permitir que as músicas chegassem ao público. Mas só a Furacão 2000 foi condenada pela Justiça Federal. A corporação (do tapa) foi inocentada, o produtor independente (do tapinha), não.

******

Estudante do 7º período de Jornalismo da Fumec, Belo Horizonte, MG

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem