Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1024
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Ninguém contesta o coronel

Por Luciano Martins Costa em 10/02/2009 na edição 524

Quem acessar durante esta semana o site do Observatório da Imprensa vai encontrar na enquete a seguinte pergunta: ‘É correto um político usar uma concessão pública de TV para atacar seus adversários?’.


A questão vem à superfície porque o presidente do Senado, José Sarney, foi apanhado em gravação da Polícia Federal orientando seu filho Fernando a usar as emissoras da família para atacar um adversário político.


Sarney é dono de um conglomerado de comunicação que inclui emissora de televisão afiliada à Rede Globo. A legislação proíbe a concessão de serviços públicos, entre eles os de radiodifusão, a detentores de cargo eletivo.


O pesquisador Venício A. Lima, integrante deste Observatório, já demonstrou que 51 deputados são donos ou sócios de emissoras, enquanto o Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação constatou que pelo menos 27 dos 81 senadores são proprietários de veículos de comunicação, diretamente ou através de prepostos ou parentes. É o chamado coronelismo eletrônico.


O capítulo específico da Constituição de 1988 sobre Comunicação Social tem cinco artigos, que nunca foram regulamentados.


Pouco ânimo


Esse debate deveria estar fervendo na imprensa por esses dias, em função da conversa entre Sarney pai e Sarney filho, revelada pela Folha de S.Paulo. Mas o que os jornais destacam nas edições de terça-feira (10/2) é o projeto que livra da prisão os operadores ou responsáveis por emissoras clandestinas. Em vez de processo criminal, os acusados serão submetidos a processo administrativo no Ministério das Comunicações. Praticamente todos os jornais deram atenção à proposta, abordando corretamente o tema, com abertura de opiniões variadas.


A imprensa se manifesta contrária à existência das emissoras clandestinas, o que é razoável. Algumas delas estão nas mãos do crime organizado, mas na maior parte dos casos trata-se de emissoras comunitárias em situação irregular. É um problema que de fato precisa ser levado a debate, e até, eventualmente, a audiências públicas.


A imprensa está preocupadíssima com as emissoras clandestinas. Mas não tem o mesmo ânimo para a outra irregularidade, muito mais grave, que é a permanência do coronelismo eletrônico.


***


Muito número, pouca informação


Os leitores das seções de Economia dos grandes jornais devem estar acompanhando a sequência de notícias sobre medidas protecionistas anunciadas aqui e ali por governos dos países chamados desenvolvidos.


Da mesma, forma, os cidadãos andam atentos ao processo de aprovação, no Congresso dos Estados Unidos, das medidas de emergência propostas pelo presidente Barack Obama.


Em meio a tudo isso, ainda tem que absorver o chuvisco dos indicadores sobre a economia brasileira, dispersados aleatoriamente pela imprensa todos os dias.


Na terça-feira (10/2), por exemplo, ficamos sabendo que a indústria automobilística no Brasil reage bem à redução da carga de impostos. O setor apresentou, em janeiro, um aumento de mais de 92% na produção de veículos, em relação a dezembro. Ao mesmo tempo, persistem no noticiário os números negativos sobre o desemprego.


Com tantos dados aparentemente contraditórios, como formular um entendimento sobre o verdadeiro estado da economia nacional? Uma boa medida seria separar os dados comparativos anuais ou semestrais dos números que comparam um mês ao outro. Como se sabe, a economia sofre efeitos sazonais, e dezembro nunca é igual a janeiro ou março.


Na verdade, caberia aos jornais fazer essa distinção com clareza, mas ao que parece eles estão mais preocupados com o impacto do que com a precisão da notícia.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem