Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

FEITOS & DESFEITAS > FEBRE AMARELA

Nos bastidores da informação

Por Moises Viana em 04/02/2008 na edição 471

Nas últimas semanas, um dos assuntos mais veiculados na mídia brasileira foi a febre amarela. Esta doença causada por um vírus tem duas formas, a silvestre e a urbana. Ela provoca complicações ao fígado e os rins, podendo levar à morte.


Nossa reflexão é sobre como essa doença tornou-se ‘coqueluche’ nas rodas de conversa, nas pautas do dia e conseqüências no cotidiano das pessoas. A teoria da agenda setting, nesse caso, torna-se um referencial teórico e nos aponta uma direção reflexiva. Como podemos entender o aumento da busca pela vacina numa comunidade que não está na zona de risco da doença?


Num semanário de Itapetinga, no interior da Bahia, pautamos o assunto, dado que a cidade não está em zona de risco, mas fica próximo de Minas Gerais e houve uma demanda espontânea da vacina nesse município. Desde o início, procuramos as fontes (autoridades responsáveis e técnicos) que nos passaram informações básicas sobre o assunto: o que é a doença e quem está em perigo; o que é a vacina, como, quando e por que tomá-la; quais os riscos da doença na região.


As informações que divulgamos no periódico, entretanto, foram limitadas e restritas aos grupos de leitores do impresso e da internet por onde se veicularam as informações. No entanto, grande parte da população recebeu informações de outras fontes, como TV e rádio. Tivemos que concorrer com veículos poderosos e nossas informações se diluíram, enfraquecidas em meio à torrente informacional que mobilizou a comunidade.


Situação de medo


Percebemos na cidade uma agonia em busca de vacinação, o que levou ao aumento da demanda de doses da vacina contra a febre amarela. O estoque preventivo para dois meses esgotou-se em poucos dias. Houve, então, uma ação emergencial dos órgãos de saúde para repor os estoques e para não faltar doses para os casos prioritários. Além disso, as autoridades restringiram o acesso às vacinas que serão aplicadas apenas nas crianças a partir de nove meses (calendário básico de vacinação) e nas pessoas que possam provar que vão viajar para áreas de risco.


A densa divulgação da doença na mídia levou a população a buscar proteger-se e provocou atitudes não esperadas pelas autoridades. A situação que parece endêmica (casos isolados da doença, restrita a um local) apresentou-se midiaticamente como uma epidemia ameaçadora à saúde de toda população.


O assunto, como de praxe, foi apresentado à comunidade por grande parte da mídia. Todavia, faltou tocar em pontos-chave como a questão ambiental, o sistema de saúde brasileiro e falta de informações oficiais ou exercício da cidadania.


Percebemos que, em geral, as autoridades não se mobilizaram pela ‘gravidade’ e iminência de uma epidemia, pois elas possuem informações técnicas que minimizam ou mesmo descartam essa possibilidade. Percebeu-se que as autoridades foram levadas mais pela reação da população diante das informações, em meio à repercussão negativa (agenda setting), que pelo risco real de uma epidemia.


Assim, aqui no município, no contexto, as informações da TV e rádio levaram a população a ter atitudes fora do normal. Os sujeitos receptores parecem ter assimilado pela mídia que há um grave perigo ameaçando o Brasil. Criou-se uma situação de medo desnecessário e até perigoso.


Senso crítico


Interessante que a população, ao ser informada, buscou imediatamente os postos de saúde. A tendência em geral dessas pessoas foi de querer se vacinar sem nenhum critério estabelecido. Não houve uma reflexão, mas se tendeu para um impulso gerado pelo medo da iminência da doença.


É sabido através das fontes oficiais que 90% da população do município passara por campanhas de vacinação. No entanto, muita gente não se lembra da vacina, não guardou seu cartão que registra essa ação. Interessante saber, ainda, que a dose do fármaco que dura por 10 anos, numa superdosagem, pode causar males semelhantes aos da própria doença da febre amarela.


No que tange à saúde no Brasil, a mídia, principalmente TV e rádio, torna-se a principal fonte informativa da população. Entretanto, ao assimilar essas informações sem outros referenciais e sem crítica, leva-se ao oposto do esperado: um desespero, um caos e até mesmo um processo danoso ao atual sistema de saúde, já precário, em especial nesse município – Itapetinga, BA.


A potencialidade jornalística é grande, entretanto deve estar relacionada a outros referenciais como educação, transparência governamental, sistema de saúde eficiente. Não adianta uma rede sofisticada de informações em tempo real sem um contexto que a sustente. Ela é insuficiente diante de uma população desprovida de mecanismos capazes de engendrar uma análise crítica dos processos sociais, econômicos e culturais que a envolve. A eficiência da informação é estruturada sobre uma base educativa, bem-estar social e maturidade política, formando o senso crítico capaz de dotar o receptor da capacidade de ver, julgar e agir. Enfim, assimilar ou rejeitar as informações. Daí, sem o senso crítico dos receptores, a agenda setting, por mais interessante que seja com os infográficos, informações científicas e abordagens midiáticas, torna-se pura desinformação.

******

Jornalista, escritor e pós-graduando em Meio Ambiente e Desenvolvimento na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), em Itapetinga, BA

Todos os comentários

  1. Comentou em 07/02/2008 CidElias

    Olha, em relação à matérias e artigos levianos sobre governo – febre amarela, entre outros escândalos fabricados pelo pig, eu já li e assisti diversos absurdos. O top da categoria jornalismo leviano dou pra eliane catanhede, responsável por várias internações hospitalares. Suas vítimas, as quais não precisavam e/ou não podiam tomar a vacina, tomaram devido ao terrorismo midiático-partidário(pra quem não sabe, a catanhede é casada com o marqueteiro dos tucanos). O segundo lugar, darei pra este troço aí acima. O jornalista, em vez de criticar a irresponsabilidade criminosa dos colegas do pig, diz que ‘faltou tocar em pontos-chave como a questão ambiental, o sistema de saúde brasileiro e falta de informações oficiais ou exercício da cidadania.’ Pééraí! Pééraí! Tá pensandoquê?! Tá pensandoquê?! Questão ambiental? Falta de informações oficiais? Exercício do quê? O Ministro da Saúde falou em rede nacional, para, em seguida a grobo dizer que o governo não tinha credibilidade! Sabias? Ou seja, o alarmismo da mídia, com objetivos políticos gritantes, sobre uma epidemia inexistente, o ‘jornalista’ achou normal…Estarrece o autor descrever o fato citando, talvez inconscientemente, o papel criminoso desempenhado pela mídia, no entanto, além de não dar um piu criticando a imoral campanha desta, ainda joga, sutil como um elefante, a culpa pra cima do governo, das autoridades, etcetc.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem