Sábado, 22 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

FEITOS & DESFEITAS > CASO FRANKLIN MARTINS

O achincalhe no lugar do debate sobre a mídia

Por Alberto Dines em 09/05/2006 na edição 337

É surpreendente a decisão da Rede Globo de não renovar o contrato com o jornalista Franklin Martins no exato momento em que este profissional está sendo alvo de uma abjeta campanha de difamação por parte do McCarthy tupiniquim, Diogo Mainardi.


A mais poderosa empresa de comunicação brasileira abdica publicamente dos critérios de seleção de seus quadros, delega-os a uma empresa concorrente, a Editora Abril, e consagra de forma ostensiva o jornalismo de chantagem batizado em 1960 de ‘imprensa marrom’.


A nota emitida na sexta-feira (5/5) pela Central Globo de Comunicação informa que ‘a emissora não fará outros comentários mas acrescenta que a não-renovação não tem qualquer relação com colunas de Diogo Mainardi’.


Significa justamente o contrário: a Rede Globo manda dizer ao distinto público que é, sim, sensível ao sistema de achincalhes institucionalizado pelo semanário de maior tiragem do Brasil.


De forma lacônica e brutal escancara-se a dura realidade do jornalismo brasileiro: o que vale é o escândalo, a irresponsabilidade. A verdade é o que menos interessa.


Infeliz coincidência


Durante duas décadas Veja foi uma ostensiva extensão dos domínios do ministro, depois governador e depois senador Antonio Carlos Magalhães. A coisa não envolvia apenas matérias de favor, mas outros favores. Mas como o resto da mídia também era dependente da generosidade do vice-rei baiano, calaram-se todos.


Até hoje Veja mantém uma implacável e sórdida Lista Negra que contraria todos os princípios de decência jornalística. Todos os jornalistas brasileiros sabem disso, mas quem manda nos jornalistas não está interessado em desvendar esta excrescência porque cada veículo tem a sua Listinha Negra particular – operada no ‘andar de cima’ ou, quando não, no recôndito das almas de alguns gatekeepers. As exceções são raríssimas.


O caso do afastamento de Franklin Martins da Rede Globo não pode ser encerrado com aquela nota oficial. Transcende à emissora e às suas razões. O método de linchamento mainardiano não pode ser oficializado e convertido em substituto da observação e do debate sobre a mídia.


No exato momento em que se reúne em São Paulo a fina flor do jornalismo internacional [26ª Conferência Anual da Organization of News Ombudsmen, seguida do Fórum Folha de Jornalismo] para discutir a implementação dos procedimentos éticos, uma parte expressiva da imprensa brasileira exibe um espetáculo deprimente.

Todos os comentários

  1. Comentou em 10/10/2007 Mariângela Paz

    Boa tarde,
    Gostaria de fazer uma entrevista, via e-mail, para a Disciplina de Jornalismo Digital, ministrada pela Profª Raquel Recuero, pela Universidade Católica de Pelotas.
    Tenho 5 perguntas voltadas ao site.
    posso mandar por aqui? Ou tem algum e-mail específico?

    Desde já, AGRADEÇO atenção e peço uma BREVE resposta!

  2. Comentou em 10/10/2007 Mariângela Paz

    Boa tarde,
    Gostaria de fazer uma entrevista, via e-mail, para a Disciplina de Jornalismo Digital, ministrada pela Profª Raquel Recuero, pela Universidade Católica de Pelotas.
    Tenho 5 perguntas voltadas ao site.
    posso mandar por aqui? Ou tem algum e-mail específico?

    Desde já, AGRADEÇO atenção e peço uma BREVE resposta!

  3. Comentou em 03/10/2006 Fábio costa santos junior Costa Santos

    Compulsão ou obssessão, o que podemos usar como definição para os constantes ataques perjorativos , dirigidos ao presidente lula pelo Sr. Diogo Maynardi . O que vai ele escrever, ao fim do mandato de lula?
    será que entrará em depressão ? pode ser, é uma hipotese , será que ele sabe escrever outras coisas além de agressões ? Freud certamente explicaria. diante destes fatos podemos concluir que o mesmo , deve possuir atrás da porta do seu quarto uma foto cheia de dardos do senhor de seus pensamentos.

  4. Comentou em 15/05/2006 jose carlos de oliveira

    O Mainardi está fazendo aquilo que grande da população pensante gostaria!. Esse Franklin Martins ficou devendo uma explicação sobre a exagerada competência de sua familia. O fato é que espernear não é explicar e isto ficou bastante claro no episódio.
    Quanto a vc. Dines, manter equilibrio para julgar mesmo desafetos é fator importante para alguém que é lido, visto e ouvido por muita gente!
    Sds

  5. Comentou em 15/05/2006 Silas Sarmento Sarmento

    Vendo tantos e tão dispares comentários fiquei tentado a também comentar. Depois lembrando do samba canção de Aldir Blanc e João Bosco que descrevia um sujeito que tinha uma estranha dor que começava no dedão do pé e dizia: ‘ a mulher chama o padre e a rezadeira, cada um diz um monte de besteira, segundo seu credo e profissão’. É isso aí. Este assunto não vale comentar, os envolvidos se merecem.

  6. Comentou em 15/05/2006 Ricardo Fernandes

    Assim como Franklin sairão aos poucos de cena a turma do morde e assopra. Sras Tereza Cruvinel, Cristina Lobo e Helena Chagas. Como assinante do jornal O GLOBO por mais de 20 anos e dos canais pertencentes ao mesmo grupo, acho que a fizeram muito bem. Comercialmente falando então, fizeram muito melhor. Pessoas que defendem o estado de direito não compactuam com proteção de uma quadrilha por questões ideológicas. Os organizações Globo fizeram e farão o necessário para manter seus Clientes. Se mantém jornalistas que protegem uma quadrilha estão desagradando a boa parte das pessoas que garantem a rentabilidade da empresa. Se quer agradar às esquerdas e não respeitar o estado de direito, vá trabalhar para a Carta Capital, Carta Maior e outros veículos do tipo. Os clientes não pagam para verem e lerem a defesa de uma quadrilha.

  7. Comentou em 14/05/2006 Thiago Fernandes

    Depois de ler tantos comentários discordantes, acabei intrigado com uma questão nessa história toda.
    Se a imprensa é o Quarto Poder, onde fica o Mercado Financeiro?

    O que o economista Emerson tem a dizer?

  8. Comentou em 14/05/2006 Carlos T. Costa

    Impressionante falta de autocrítica de Dines. Quem ele pensa que é para querer ditar regras para uma empresa privada, para dizer quem ela deve ou não demitir ou as explicações que esta empresa tem de dar? Uma espécie de Papa da Imprensa? Se, como ele escreve, não se pode oficializar o método mainardiano de linchamento (acho que ele que vê desmascaramento como linchamento, mas a redação do texto está muito ruim neste parágrafo; passou pela revisão mesmo estando assinalado em vermelho) deduz-se que vamos então linchar à moda dinesiana. Ora, faça o favor. Uma sugestão a ele e às ‘viúvas’ do enganador Franklin Martins: façam uma vaquinha ou arrumem um emprego para o Franklin no OI. Neste veículo ‘isento’ ele terá o público que o merece e o OI poderá ganhar alguns anunciantes estatais. A propósito, às quantas anda o processo que o Franklin Martins iria mover contra o Mainardi??

  9. Comentou em 13/05/2006 amarildo silva

    ‘ ARNALDO JABOR’ ELE ACHA QUE SUAS OPINIÕES REFLETEM AS DOS OUTROS
    Muita gente se horroriza com o que o Evo e o Chávez estão fazendo com o Brasil. Eu não. Eu acho muito bom.
    Por quê?

    Primeiro, porque acaba o mito dos irmãozinhos de esquerda em que o Lula acreditava. “Ah, hermanito Chávez, a gente vai financiar seu metrozinho na Venezuela, tá bom?”. Porrada. “Oi, argentino caolho muy amigo, Kirchner…” Pau! Tarifas contra o Brasil! “Oh, grande cacique Evo Morales, companheiro dos tupis-guaranis”… Trolha na Petrobras.

    Aprendemos que só há interesses…ponto. Isso é bom também porque vai isolar a maluquice populista bolivariana lá nos Andes, naquela mediocridade.

    E suas provocações vão nos obrigar a esclarecer nossa diferença contra esses populistas hispânicos, essa piada no mundo moderno.

    Ficou claro que o Brasil não pode brincar de esquerdinha tardia, de comunismo pós-moderno, como queria a quadrilha do PT que caiu. Nós somos um país tentando ser republicano, capitalista sim, e só avançamos até hoje nos grandes movimentos da economia, com JK, com a abertura comercial para o mundo e com o plano Real. Só a economia pode nos segurar, como, aliás, aconteceu nesses três anos sem governo que tivemos.

    Apesar das sanguessugas, somos uma democracia com 182 anos de parlamento e temos de impor respeito. Ou temos vergonha de ser mais ricos e maiores?

  10. Comentou em 11/05/2006 janice tomanini

    Caro Jorge C. Nogueira Lins, sei bem acerca da figura que Diogo passa. Apenas brinquei com o cineasta que comentou sobre a antipatia do Mainardi. Pura ironia, só isso. É que no Brasil, a ironia e a polêmica geram ódio. Mas, concordo com você, colega engenheiro. Trabalho no odiado ‘mercado’, mas sou engenheira por formação. Caro Ivan Teixeira, com sua linguagem altamente sofisticada, tenho até medo de responder. Sou burrinha para isso. Mas, vou dizer uma coisa: não critico o ‘mercado’. Afinal, gosto muito de poder escolher entre várias marcas de sabonete líquido. Fútil? Pode despejar seus xingamentos. Caro Professor Ezequiel Simões, acho muito justo o Diogo ganhar suas moedinhas, desde que não seja dinheiro público.

  11. Comentou em 11/05/2006 Alexandre Souza

    Prezados comentaristas:
    Imparcialidade na Imprensa ou na Justiça é UTOPIA. Ambas são feitas de seres humanos (assim como os leitores). Todos temos nossas fraquezas, e dificilmente seremos imparciais ao abordar qualquer assunto.
    Acredito ser importante, para qualquer jornal/revista/jornalista citado deixar claro a posição em relação aos assuntos tratados. A conclusão fica por conta do leitor. A maioria das publicações por aí, está servindo ‘prato pronto’ e os leitores ‘apaixonados’ por este ou aquele, estão ecoando sem avaliar a veracidade da informação.
    Por outro lado, estamos no momento certo em criarmos meios/mecanismos das pessoas se defenderem e apresentar contraditório quando acusadas pelo órgão de imprensa.
    Já passou da hora dos jornalistas e órgãos de imprensa arcarem com as consequências de acusações baseadas em suposições e disse-que-disse. Uma vez feito o estrago no nome de alguém, a reparação nunca será a altura.
    Os jornalistas precisam ser menos ávidos em publicar ‘furos’ sem base ou provas. Se o fizer, arque com as consequências morais e financeiras.
    Recomendo aos leitores, antes de tirar conclusão e espalhar pro mundo, avaliarem as origens, bases e provas das reportagens. Vai passar por bobo aquele que ecoar ‘denuncismo’ sem prova.
    No mais, temos de respeitar a opinião e posicionamento de todos.
    Peço ao OI e aos órgãos da imprensa em geral que deixem claro em suas publicações, como as pessoas podem se defender daquilo que acharam ofensivo. Ao praticarmos com mais frequência o contraditório, traremos às publicações a posições menos radicais e mais comedimento aos ‘denuncistas’, digo jornalistas.

  12. Comentou em 11/05/2006 Rachel Figueiredo

    Por favor, concorrentes, contratem o Franklin Martins urgente.
    A análise da conjuntura política na TV é muito pobre, pelo menos com ele ficava mais suportável, um banho de cultura e inteligência.

  13. Comentou em 11/05/2006 Rolf Ezequiel Simões

    Diogo foi, no mínimo, irresponsável em suas acusações. O famoso bordão ‘contra fatos não há argumentos’, utilizado por muitos para ratificarem as idéias de Diogo, é um verdadeiro cuspe de totalitarismo.

    O que vejo sobre as conclusões de Mainard (e de muitos leitores aqui) é que não passam de ‘possibilidades’, de ‘conjecturas’. É de fato conslusões pessoais. O tempo, a apuração dos fatos e a justiça farão o seu papel.

    Eu me perguntava, as vezes, como podia um profissional como Franklin (que possui uma sensibilidade política fora do comum) trabalhar lado a lado com o triste encenador Willian Waak.

    Sim, Mainard é ‘o verdadeiro observatório da imprensa’: Ele mesmo já confessou ser um jornalista vendido. ‘Hoje em dia, só dou opinião sobre algo mediante pagamento antecipado.’

    Como não poderia deixar de ser, Franklin não ficou calado aos ataques. Respondeu, sem sair de seu tom equilibrado e objetivo. Vale a pena ler.

    As conclusões que tiramos ao ler Diogo depende de dois elementos: Da nossa ideologia e dos nossos valores como seres humanos. Por exemplo, posso interpretar seu artigo como uma verdadeira dissimulação acerca do que ele mesmo faz, ou seja, acusa os outros para disviar a atenção de todos sobre aquilo que ele mesmo está fazendo. No entanto, como diria um famoso seriado norte americano: ‘A verdade está lá fora’. O resto é inquisição.

  14. Comentou em 11/05/2006 Douglas Yamagata

    Gostaria de parabenizar o autor do texto e dizer que esse tal de Diogo Mainard simplesmente é o maior exponte da canalhice jornalística que existe neste país. Faz seus comentário traçados de fora do país, num discurso mais que liberal. Aliás, a revista Veja que sempre apoiou setores conservadores, agora se vê como a vanguarda da imprensa liberal no país. Dizem até que a Veja faz parte de um plano liberal para a América Latina, cujo objetivo é a aniquiliação política de toda a esquerda, e que está sendo captaneada por políticos estunidenses. É necessário de fato democratizar a imprensa e deixar todos as classes sociais falarem. Enquanto a imprensa estiver nas mãos de burocratas burgueses, o povo não saberá de fato a verdade.

  15. Comentou em 11/05/2006 Douglas Yamagata

    Gostaria de parabenizar o autor do texto e dizer que esse tal de Diogo Mainard simplesmente é o maior exponte da canalhice jornalística que existe neste país. Faz seus comentário traçados de fora do país, num discurso mais que liberal. Aliás, a revista Veja que sempre apoiou setores conservadores, agora se vê como a vanguarda da imprensa liberal no país. Dizem até que a Veja faz parte de um plano liberal para a América Latina, cujo objetivo é a aniquiliação política de toda a esquerda, e que está sendo captaneada por políticos estunidenses. É necessário de fato democratizar a imprensa e deixar todos as classes sociais falarem. Enquanto a imprensa estiver nas mãos de burocratas burgueses, o povo não saberá de fato a verdade.

  16. Comentou em 10/05/2006 Sérgio Troncoso

    Leio desde a Folha até a Carta Capital,e a meu jeito eu digiro o que acho que é crível,mas como tenho pessoas comuns como eu trabalhando em grandes empresas,sempre vi que o Mainard chuta muitos dados e pseudo informações,para fazer com que casem com suas afirmações,se colar,colou.Para mim êle não é exatamente partidário,e sim arrogante e venal.Está a quilômetros de um Paulo Francis,que era conservador assumido,mas geralmente procurava estudar e se aprofundar sobre os temas que tratava.

  17. Comentou em 10/05/2006 Daykerson Alonso

    Observando alguns comentários favoráveis à publicação semanam Veja, me sinto como poucos dias antes, numa banca de jornal, onde tres trabalhadores vistavam a capa da revista em questão e dela tiraram informações e se disseram chocados. Dias depois foi comprovado que o que estava na capa nunca havia sido provado e nem até hoje passaram perto disso.
    Sei que não é motivo de tristeza só minha ao observar acadêmicos com pontos de vista favoraveis a publicação. Uma revista mentirosa, caluniosa que trabalha pela maquinação de matérias visando seu interesse político e economico, e digo mais, que descumpre as normas éticas quando esta não trabalha com fontes verdadeiras e confiáveis.
    Belíssimo texto de Alberto Dines pude ler agora, e espero que muitos o leiam e percebam em que país moram e em quem se pode confiar, pois depois de ver elogios a Diogo Mainardi e críticas a revista Carta Capital fiquei estarrecido e desesperançoso, que pena!

  18. Comentou em 10/05/2006 janice tomanini

    Hoje, li um artigo do jornalista Mauro Malin, neste Observatório, em que ele discorre sobre a posse de um senador que tem ligação com redes públicas de televisão e rádio. Ele diz que pode não ser ilegal, mas é antiético. Finalmente concordei com Malin em algo, mas fiz uma ressalva em meu comentário. O fato de Franklin Martins, defendido por esse observatório, ter sua esposa secretariando o lider do governo no senado em plena crise do mensalão, e ele comentar somente coisas boas do mesmo governo, procurando descaracterizar todas as denúncias; pode não ser ilegal, mas também é antiético. Li alguns comentários e tenho algumas observações. Cara Beatriz Alonso, ou você não lê Diogo Mainardi ou lê e não entende. Diogo jamais elogiou FHC, muito pelo contrário.
    Sr. Denilson Matos, é só ler as duas colunas de Diogo ‘Jornalistas são brasileiros’ e ‘Franklin, o conceituado’. Entenderá tudo.
    Sr. Hélio Amaral, a vida particular do jornalista é importante, a partir do momento que ele tem rabo preso com algum governista ou político. A isso chamamos conflito de interesses. Ser anti alguma coisa, mas não beneficiar-se do poder é válido, bem como ser a favor de algo e não beneficiar-se do mesmo poder.

  19. Comentou em 10/05/2006 Hélcio Lunes

    Seria muito bom que o proprietário do OI, fizesse uma matéria falando sobre essa tal ‘lista negra’ da Veja! Não fica bem o ex-jornalista Dines ficar a todo momento citando a tal lista, sem dizer ‘onde, quando, como e por que’ da tal lista. Poderia citar gente incluida nessa fantasmagórica lista, dar a eles a chance de contar sua estória, entrevista-los, dar a nós modestos leitores a oprtunidade de saber ‘dos terríveis bastidores da imprensa’, de que só Dines fala, não prova, deixa as coisas no ar, fazendo assim mau jornalismo!

  20. Comentou em 10/05/2006 laila araújo

    Com matérias deste nível, não dá pra criticar ninguém…O jornalista Dimes infelizmente esqueceu dos fatos e partiu ele mesmo para o achincalhe que tanto condena. Nos traz uma matéria cheia de ressentimento e suposições e promovendo o linchamento de Mainardi, perde totalmente a razão por criticar alguém que pelo menos apresentou fatos contra o Sr. Martins. fatos que ninguém até agora desmentiu…

  21. Comentou em 10/05/2006 Maria Helenice Carneiro

    Sr. Dines. Qualquer pessoa com o mínimo de entendimento, sempre soube que o Sr.Franklin Martins era tendencioso ao governo, apenas ninguém teve coragem de dizer. O sr. Mainardi teve.
    O senhores que foram citados, em vez de ficarem ofendidos e revoltados, que tal, refletirem e tentarem lembrar do juramento que fizeram ao se graduarem em jornalismo e começarem a respeitar esse juramento. Jornalista não pode demonstrar nenhum tipo de ideologia o sr. concorda? Se os senhores não se policiarem, acabarão como o Sr. Franklin. Eu entendo que a esquerda é muito mais romântica e policitamente correta. Em algumas situações também sou. Melhor distribuição de renda através do trabalho, não através de assistencialismo, é o que apoio. Quando da fundação do PT, no início dos anos 80, fui petista de doação e recebimento do jornalzinho ‘Pois Zé’. Mas, hoje Sr. Dines não dá. Excetuando alguns, que conseguiram manter-se à margem dessa vergonha, mantenho meu voto apenas ao José Eduardo Cardoso e apesar das confusões que faz, continuo Suplicy. O resto, quem os defende, ou apoia o que fazem ou também está recebendo para defendê-los.
    Qualquer pessoa com o mínimo de honestidade e conhecimento não pode compactuar com o que está acontecendo.
    Assim, Sr. Dines, usar termos chulos e apelidos para o Sr.Mainardi não vai fazer o senhor ficar mais forte e verdadeiro, pois ele não o fez em nenhum momento com relação aos senhores. Apenas disse que são alinhados a partidos do governo, o que não é mentira.
    Falar em Lista Negra da Veja também não resolve. Se há alguma Editora que pode ter publicações melhores que a Abril apresentem-se. A Editora Globo tentou e não conseguiu. A Época é uma revista horrorosa. Carta Capital? impossível; a não ser que faça parte do MST, CUT ou governo. Assim, enquanto não tem nada mais sério, vai a Veja mesmo.
    Senhores reflitam e lembrem-se do juramento de graduação.

  22. Comentou em 10/05/2006 Castor Fernandez

    Caro Dines
    Há muito deixei de ler a Veja. Não só ela como também a Isto É. Minha leitura de semanal é a edição do ‘Le Monde hebdomadaire’. No Brasil só são confiáveis o Valor Econômico (não tudo), Carta Capital e Carta Maior. O resto é resto mesmo. Ilegível. TV- só a Band News e mesmo assim com severas ressalvas. Agências leio a Reuters, ANSA e EFE. AP está uma porcaria. Jornais diários (on line) NYT e WP nos EUA. Na Europa o Guardian e o já mencionado Le Monde.
    No entanto quero render homenagens ao OI. Leio quase sempre através de amigos como o excelente Fernando Soares Campos e o autor do artigo acima.
    Será que o senhor pode me responder? Quanto custa um desses mainardis que andam por aí? Preciso comprar um para denegrir a imagem de uns concorrentes…
    Abraços
    Castor

  23. Comentou em 10/05/2006 Sylvio Cademartori Neto

    Começo a leitura de VEJA pela coluna do Diogo Mainardi. Depois vou para a Carta dos Leitores. Ele é ético e não tem rabo preso. Além do mais tudo que foi escrito sobre o petista Franklim Martins não foi desmentido nem mesmo por ele. Justa a posição da Globo.Dizer a verdade não é linchamento!Crime é omitir os interesses escusos utilizando-se da Imprensa, tal como fazem os jornalistas Chapas Brancas.O seu comentário é corporativista em defesa (fraca) de um ‘companheiro’ Chapa Branca. O Mainardi presta verdadeiro serviço semanal a Nação.

  24. Comentou em 09/05/2006 Pedro Rodrigues

    É inacreditável mas existem pessoas que defendem o Mainardi. E dizem que ele não trabalha para nenhum partido? Por acaso a Miriam Leitão também não? O Merval? Se todos não são tucanos-pefelistas escancarados, como a própria Globo e a Veja, então haja ingenuidade.

  25. Comentou em 09/05/2006 Pedro Arnaldo Ribeiro

    Dines, acabei de assistir a recomendação do Luis Weis, no fim do O.I. de hoje…
    Acredito que esse tal Diogo Mainardi não merece ser citado por um verdadeiro jornalista como você. A glória deste mediocre ser é ver comentários contra ele serem proferidos por pessoas conscientes, criticas e propositivas.
    O esquecimento é o seu maior medo, portanto, Dines, esquecê-lo-emos.
    Franklin, agora alforriado, poderá alçar novos voos bloguisticos, e a Globo, perde o seu ar pseudo-democrático que possuia, com o desligamento coerente comentador político. MELHOR ASSIM

  26. Comentou em 09/05/2006 Pedro Arnaldo Ribeiro

    Dines, acabei de assistir a recomendação do Luis Weis, no fim do O.I. de hoje…
    Acredito que esse tal Diogo Mainardi não merece ser citado por um verdadeiro jornalista como você. A glória deste mediocre ser é ver comentários contra ele serem proferidos por pessoas conscientes, criticas e propositivas.
    O esquecimento é o seu maior medo, portanto, Dines, esquecê-lo-emos.
    Franklin, agora alforriado, poderá alçar novos voos bloguisticos, e a Globo, perde o seu ar pseudo-democrático que possuia, com o desligamento coerente comentador político. MELHOR ASSIM

  27. Comentou em 09/05/2006 pedro silva

    Alberto Dimes não contesta em nada o que Mainardi escreveu e afirmou em sua coluna. Hora, a imprensa assim como todos os setores sociais, públicos e privados devem ter a ética como pedra fundamental. O que Dimes escreveu nem deveria ir ao ‘ar’ pois não acrescenta em nada os fatos já colocados, ao contrário do Mainardi que esclarece que na imprensa a ética também tem seus repúdios. Nosso país só será sério quando todos entendermos que a corrupção tem de ser extirpada, doa a quem doer, Dimes não pensa assim, acha que as colocações de Mainardi são espúrias. Pensem no seu país e que a imprensa – neste caso – vá á merda!

  28. Comentou em 09/05/2006 pedro silva

    Alberto Dimes não contesta em nada o que Mainardi escreveu e afirmou em sua coluna. Hora, a imprensa assim como todos os setores sociais, públicos e privados devem ter a ética como pedra fundamental. O que Dimes escreveu nem deveria ir ao ‘ar’ pois não acrescenta em nada os fatos já colocados, ao contrário do Mainardi que esclarece que na imprensa a ética também tem seus repúdios. Nosso país só será sério quando todos entendermos que a corrupção tem de ser extirpada, doa a quem doer, Dimes não pensa assim, acha que as colocações de Mainardi são espúrias. Pensem no seu país e que a imprensa – neste caso – vá á merda!

  29. Comentou em 09/05/2006 Emerson Mathias

    Dines. Admiro muito o Observatorio como instituição paladina desse quarto poder que exerce cada vez mais papel essencial no jogo democratico, porém não sou a favor dessa ‘demonização’ do colunista da Veja. Sou a favor de criticas ao veiculo de comunicação ‘revista semanal’, entre os quais situam-se Veja, Epoca, Isto E, Carta Capital, entre outros. Criticar pessoas fisicas é fragilizar o potencial de uma critica, pois gera uma indesejavel ‘torcida’ contra e a favor, como é possivel perceber aqui nos comentários postados. Os leitores ficam à margem do processo critico, com opinioes superficiais sobre o ‘certo e o errado’. Continuo sendo partidario da necessidade do ‘media watch’, mas sou contra a personalização dessa critica, que se perde em conteudo e se dirige ao mesmo publico que gosta de sensacionalismo. O caso Veja e Franklin Martins merece outras criticas que não devem ser focadas no articulista macartiano, mas sim no seu conselho editorial e no modo de seleção das pautas e escolha das mensagens lançadas ao publico leitor, o qual é cada vez mais similar ao ‘analfabeto politico’ de Brecht, como se pode constatar no teor dos comentarios aqui feitos. Fico no aguardo de sua sempre essencial reflexao sobre o atual quadro institucional brasileiro. Até.

  30. Comentou em 09/05/2006 Emerson Mathias

    Dines. Admiro muito o Observatorio como instituição paladina desse quarto poder que exerce cada vez mais papel essencial no jogo democratico, porém não sou a favor dessa ‘demonização’ do colunista da Veja. Sou a favor de criticas ao veiculo de comunicação ‘revista semanal’, entre os quais situam-se Veja, Epoca, Isto E, Carta Capital, entre outros. Criticar pessoas fisicas é fragilizar o potencial de uma critica, pois gera uma indesejavel ‘torcida’ contra e a favor, como é possivel perceber aqui nos comentários postados. Os leitores ficam à margem do processo critico, com opinioes superficiais sobre o ‘certo e o errado’. Continuo sendo partidario da necessidade do ‘media watch’, mas sou contra a personalização dessa critica, que se perde em conteudo e se dirige ao mesmo publico que gosta de sensacionalismo. O caso Veja e Franklin Martins merece outras criticas que não devem ser focadas no articulista macartiano, mas sim no seu conselho editorial e no modo de seleção das pautas e escolha das mensagens lançadas ao publico leitor, o qual é cada vez mais similar ao ‘analfabeto politico’ de Brecht, como se pode constatar no teor dos comentarios aqui feitos. Fico no aguardo de sua sempre essencial reflexao sobre o atual quadro institucional brasileiro. Até.

  31. Comentou em 09/05/2006 paulo perez

    Pois é, como o debate partiu para o achincalhe, o público ficou apenas com indícios do que realmente teria ocorrido, do que seria verdade. A Globo, por mais reacionária que fosse, não se atreveria a demitir o Sr. Franklin Martins se não houvesse um ‘pingo de verdade’ nas palavras de Mainardi. Martins aqui veio, destilou seu nervosismo, mas nada negou das afirmações de Diogo Mainardi. E depois ainda levou ‘o bilhete azul’ para casa…
    Pra bom entendedor, meio pingo é letra! Então podemos supor que não haviam mentiras nas denúncias contra Martins, eis que até mesmo a ‘vênus platinada’ se assustou com o grau de ‘envolvimento’ de seu ‘ex jornalista’.
    Agora é a vez da Carta ‘vermelha’ Capital….

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem