Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DO LEITOR > SENSACIONALISMO

O leitor de manchetes

Por Joêzer Mendonça em 26/01/2010 na edição 574

Quando algo de extraordinário acontece é porque sempre há um editor de manchetes por perto. Todo ano, milhares de pessoas morrem diante de motoristas bêbados, mas a manchete será para aquele que ocupa um posto público ou para quem é celebridade. Os anônimos precisarão envolver-se em acidente gravíssimo, logo extraordinário, para ser manchete. Dessa forma, se torna um anônimo que virou exceção.

Milhares de pessoas assistiram ao filme Avatar e voltaram para casa, jantaram, dormiram e foram trabalhar nas manhãs seguintes, talvez comentando com um e com outro sobre os incríveis efeitos visuais do filme mais espetacular de todos os tempos.

Mas, eis que, como demorou tanto? O noticiário avisa: homem morre depois de assistir Avatar em 3-D. O caso, acontecido na China, é triste e trágico para o homem e para a família, acreditamos. De outro lado, sites, blogs, jornais, revistas se fartarão de leitores que se espantarão com o fato. Os mais precipitados julgarão o feito técnico do diretor-produtor James Cameron como um caso típico de assassinato culposo. O ‘Extra!Extra!’ correrá o globo. Mas esse corre-corre não passa de lero-lero.

Nas letras menores sob a manchete, lemos que o falecido espectador de fato morreu depois de assistir Avatar em 3-D. Sua morte, porém, se deu 11 dias depois de ter ido ao cinema. E o homem já sofria de males do coração.

Uma minicruzada contra o filme

É mais ou menos assim: o pacato cidadão entra num parque temático, vai até o ponto mais alto da montanha-russa mais alta e tem um ataque cardíaco. Apesar das hordas que semanalmente invadem esses parques e saem sem um arranhão sequer, bastará um acidente para a manchete cair estrondosa: homem morre depois de passeio na montanha-russa mais alta do mundo.

A manchete da exceção prefere o incidente da minoria à rotina da maioria. Mil andarão na roda-gigante, dez mil na montanha-russa; porém só o único atingido merecerá a manchete. O cotidiano não é notícia. O fortuito é muito mais interessante.

A manchete da exceção não é um instrumento maligno. Mas ela costuma aproveitar a ocasião para criar excitação, geralmente por meio da distorção do fato. Se a manchete estampar ‘Homem morre 11 dias depois de assistir Avatar‘, a notícia está dada e, por conseguinte, esvaziada. Omita-se o tempo pós-ida ao cinema do espectador falecido, 11 dias, e o leitor é obrigado a ler a notícia até o fim. Principalmente, se essa era a notícia que ele esperava para fazer uma minicruzada para crucificar o filme, o diretor, o cinema, a tecnologia, esses jovens de hoje, essa mídia de sempre.

Sugestões para expectativas

Creditar a morte de um homem a um espetáculo assistido 11 dias antes denota um contorcionismo de edição jornalística que contaminou sites e blogs. Estes passaram a empregar a manchete sensacionalista na disputa por leitores. Observa-se, ainda, um desejo de atrair atenção que não esconde o gosto pela fabricação de factóides.

A manchete sobre a morte do espectador chinês atrai atenção ao mesmo tempo em que trai sua omissão planejada de um dado importante. No entanto, a questão ganha outros contornos quando a manchete da exceção depende do ponto de vista político, profissional, religioso ou ideológico do editor. Nesse caso, uma informação é reelaborada para angariar o assentimento do leitor, numa confirmação de suas expectativas, ou também para suscitar no leitor o interesse pelo fato, criando sugestões para suas expectativas. Alguns supostos exemplos:

** Veja: Avatar bate recordes enquanto o filme do Lula é um fiasco de bilheteria

** CartaCapital: Avatar, o filme do ano; Lula, o homem do ano

** Filosofia Hoje: Avatar não existe

** Exame: Tecnologia 3-D de Avatar estará em breve no seu home theater

** O Ambientalista: Avatar apoia a defesa da natureza

** O Ecorreligioso: Avatar confirma: somos todos um em Gaya

** O Comunista: Camarada chinês é vítima de produção imperialista

** O Fundamentalista: Morte de chinês atesta os efeitos danosos do cinema

** Notícias Populares: Avatar matou ‘China’

******

Arte-educador e mestre em Musicologia (Unesp)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem