Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

FEITOS & DESFEITAS > IMPRENSA & PRECONCEITO

O silêncio da mídia com os povos indígenas

Por Wemerson Augusto em 09/10/2007 na edição 454

A mídia, sendo um palco social de embates e conquistas, cede aos indígenas um recinto de segundo plano, para não dizer que encara os nativos como meros coadjuvantes da história. O índio brasileiro é visto pela imprensa nacional, com a ressalva de poucas exceções, como um entrave ao progresso, ou ainda algo engraçado, pitoresco, entre outras sutilezas.

Podemos dizer que o último aspecto mencionado é um dos mais explorados pela grande mídia. Uma simples leitura dinâmica dos meios de comunicação poderá ser capaz de captar esta afronta aos nativos – que aqui estavam desde o desembarque dos homens que ofereciam espelhinhos.

Os mecanismos de construção do discurso desta cultura pelos não-índios ocidentais no noticiário há quinhentos e poucos anos são muitas vezes equivocados. ‘Ora, se fulano invade a sua casa e leva seus pertences, quando em sua moradia esteve, qual é a moral que ele tem para dizer se é legitima ou não sua causa’.

Mesmo com o passar de vários anos, muitos destes valores continuam sendo (re)construídos inveridicamente. Contradição que é reiterada diariamente pelos enunciadores (mídia). E este aparelho midiático, com seu discurso tecnológico de maximização de tudo e rompimento de inúmeras fronteiras, esquece questões básicas e primordiais: escutar e refletir sobre a história do sujeito-indígena.

Os quadrinhos infantis

A repetição do discurso com relação ao indígena também é encaixotada na imprensa infantil – histórias em quadrinhos (HQ). As narrativas quadrinísticas podem parecer simples e descompromissadas com seus conteúdos.

Ledo engano. As HQ estão carregadas de discursos ideológicos, como pode ser visto nos quadrinhos da ‘Turma da Mônica’, de Maurício de Souza. O trabalho deste sujeito-autor é espalhado pelo mundo afora. Atualmente é considerado o maior quadrinista em atividade no mundo.

Suas publicações representam 70% do mercado editorial dos quadrinhos no país. Entre os personagens de sua autoria, temos o simpático Papa-Capim. O próprio título já dá uma leve apresentação sobre o personagem. O indiozinho vive no coração da floresta amazônica de forma romântica e bela.

Nas historinhas, o jovem indígena não reclama de nada. Está tudo nos conformes. A Amazônia vai bem. A questão indígena não existe. E em seu contato com não-índios, seu papel é de coadjuvante em sua própria casa, seu habitat. É uma relação de submissão. Isto é, seu papel é sempre secundário. Relação que é materializada no discurso que é reiterado diariamente entre os co-enunciadores (leitores dos quadrinhos).

******

Jornalista, pós-graduando em Linguagem, Cultura e Ensino na Universidade Estadual do Oeste do Paraná; Foz do Iguaçu, PR

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem