Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

FEITOS & DESFEITAS > LEITURAS DO ESTADÃO

Pluralismo ou escorregadela?

Por Alberto Silva Cerri em 09/01/2007 na edição 415

No dia sete de janeiro de 2007, comprei o jornal O Estado de São Paulo.

Comecei a ler o caderno ‘Nacional’, que fala sobre política. Quando abri o jornal na página A6, deparei com uma reportagem sobre a sucessão da presidência da Câmara dos Deputados com o seguinte título: ‘Vença Aldo ou Chinaglia, desgaste é inevitável’.

Claramente pode-se notar um posicionamento do jornal sobre a questão.

Na mesma página, Dora Kramer escreveu sua coluna. No finalzinho do texto, a colunista citou a sucessão na Câmara: ‘…em qualquer hipótese, ganhe Aldo Rebelo ou Arlindo Chinaglia, o governo sai vencedor’.

Claramente pode-se notar um posicionamento da colunista sobre a questão.

Em quem acreditar?

A colunista é paga para dar opiniões, portanto, não fez nada mais do que sua obrigação. O jornal deveria ser isento, mas todos sabemos que (muitas vezes) os jornalistas seguem a linha editorial que lhes é imposta.

O grande problema é que um dos dois lados vai sair sem crédito.

A própria colunista do jornal desmentiu a informação que o jornal acabara de dar ao seu leitor.

Podemos pensar que O Estado de S.Paulo é um jornal que segue uma linha ‘pluralista’ e permite que seus colunistas tenham um pensamento divergente do conjunto apresentado pela publicação. E podemos pensar que foi um erro crasso de organização do jornal, que colocou na mesma página duas informações completamente contraditórias.

Em quem acreditar?

Só espero não ler no jornal de amanhã que Dora Kramer foi demitida.

******

Estudante de Jornalismo da UNESP, Bauru, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem