Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

FEITOS & DESFEITAS > POLÍTICA NA REDE

Políticos argentinos trocam jornalistas pelo Twitter

Por Maira Magro em 27/07/2010 na edição 600

Quando políticos elegem a internet como local principal para comentar suas atividades e opiniões, como fica o trabalho do jornalista? Esse questionamento começa a ser feito na Argentina, onde diversos políticos vêm mostrando uma adoração pelas redes sociais acompanhada de um desdém pelo trabalho da imprensa.

Esta semana, o chefe de gabinete do governo argentino, Aníbal Fernández, anunciou que responderá perguntas de cidadãos através de uma ‘vídeo-entrevista’ que será publicada na sexta-feira em seu blog pessoal. As perguntas serão feitas através de ferramentas como Twitter, Facebook e o próprio blog.

Se por um lado as redes sociais facilitam o contato entre cidadãos e governantes, elas também podem virar um artifício para fugir de perguntas desagradáveis da imprensa. A agência EFE identificou o problema ao comentar a vídeo-entrevista de Fernández: ‘o vício de alguns integrantes do gabinete argentino pelas redes sociais contrasta com seu escasso interesse em responder as perguntas da imprensa, especialmente dos correspondentes estrangeiros na Argentina, que há anos vêm insistindo, sem êxito, em ter contato com a presidente’.

Contato direto

O jornal espanhol ABC aponta que, em meio à ‘twittermania’ que tomou conta dos políticos argentinos, até os jornalistas estão recorrendo às redes sociais para contatar autoridades no país. O chanceler Héctor Timerman, outra estrela na internet, usa seu perfil no serviço de microblogs para falar de viagens, reuniões, analisar notícias do dia, defender o governo, criticar a oposição – e ‘atacar sem piedade os jornalistas’, observa o ABC. ‘O bom do Twitter é que se pode debater sem o filtro dos meios de comunicação. Aqui ninguém edita o material’, celebrou Timerman no serviço de microblogs. ‘Cidadãos perguntando diretamente: isso é democratizar a informação’, diz ele em outro comentário.

O contato direto com o público pode certamente trazer benefícios, especialmente em ano pré-eleitoral, como lembra o ABC. Mas não pode tomar o lugar de um debate nacional mais amplo, mediado pela imprensa.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem