Revista mira Guevara e dá tiro no pé | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

FEITOS & DESFEITAS > LEITURAS DE VEJA

Revista mira Guevara e dá tiro no pé

Por Celso Lungaretti em 02/10/2007 na edição 453

Os 40 anos da morte de Ernesto Guevara Lynch de la Serna, a se completarem em 9 outubro, dão ensejo a uma nova temporada de caça ao mito Che Guevara por parte da imprensa reacionária, começando por Veja, que acaba de produzir uma das matérias de capa mais tendenciosas de sua trajetória.


Veja conversou com historiadores, biógrafos, antigos companheiros de Che na guerrilha e no governo cubano na tentativa de entender como o rosto de um apologista da violência, voluntarioso e autoritário, foi parar no biquíni de Gisele Bündchen, no braço de Maradona, na barriga de Mike Tyson, em pôsteres e camisetas’, afirma a revista, numa admissão involuntária de que não praticou jornalismo, mas, tão-somente, produziu uma peça de propaganda anticomunista, mais apropriada para os tempos da guerra fria do que para a época atual, quando já se pode olhar de forma desapaixonada e analítica para os acontecimentos dos anos de chumbo.


Não houve, em momento algum, a intenção de se fazer justiça ao homem e dimensionar o mito. A avaliação negativa precedeu e orientou a garimpagem dos elementos comprobatórios. Tratou-se apenas de coletar, em todo o planeta, quaisquer informações, boatos, deturpações, afirmações invejosas, difamações, calúnias e frases soltas que pudessem ser utilizadas na montagem de uma furibunda catilinária contra o personagem histórico Ernesto Guevara, com o propósito assumido de se demonstrar que o mito Che Guevara seria uma farsa.


Raciocínio tortuoso


Assim, por exemplo, a Veja faz um verdadeiro contorcionismo retórico para tentar tornar crível que, ao ser preso, o comandante guerrilheiro teria dito: ‘Não disparem. Sou Che. Valho mais vivo do que morto’. Ora, uma frase tão discrepante de tudo que se conhece sobre a personalidade de Guevara jamais poderá ser levada a sério tendo como única fonte a palavra de quem posou como seu captor, um capitão do Exército boliviano (na verdade, eram oficiais estadunidenses que comandavam a caçada).


É tão inverossímil e pouco confiável quanto a ‘sei quando perco’ atribuída a Carlos Lamarca, também capturado com vida e abatido como um animal pelas forças repressivas.


E são simplesmente risíveis as lágrimas de crocodilo que a Veja derrama sobre o túmulo dos ’49 jovens inexperientes recrutas que faziam o serviço militar obrigatório na Bolívia’ e morreram perseguindo os guerrilheiros. Além de combater um inimigo que tinha esmagadora superioridade de forças e incluía combatentes de elite da maior potência militar do planeta, Guevara ainda deveria ordenar a seus comandados que fizessem uma cuidadosa triagem dos alvos, só disparando contra oficiais…


É o mesmo raciocínio tortuoso que a extrema-direita utiliza para tentar fazer crer que a morte de seus dois únicos e involuntários mártires (Mário Kozel Filho e Alberto Mendes Jr.) tenha tanto peso quanto a de quatro centenas de idealistas que arriscaram conscientemente a vida e a liberdade na resistência à tirania, confrontando a ditadura mais brutal que o Brasil conheceu.


Exercício de jus esperneandi


Típica também – e não por acaso – da retórica das ‘viúvas da ditadura’ é esta afirmação da Veja sobre o legado de Guevara: ‘No rastro de suas concepções de revolução pela revolução, a América Latina foi lançada em um banho de sangue e uma onda de destruição ainda não inteiramente avaliada e, pior, não totalmente assentada. O mito em torno de Che constitui-se numa muralha que impediu até agora a correta observação de alguns dos mais desastrosos eventos da história contemporânea das Américas’.


Assim, a onda revolucionária que se avolumou na América Latina durante as décadas de 1960 e 1970 teria como causa ‘as concepções de revolução pela revolução’ de Guevara e não a miséria, a degradação e o despotismo a que eram submetidos seus povos. E a responsabilidade pelos banhos de sangue com que as várias ditaduras sufocaram anseios de liberdade e justiça social caberia às vítimas, não aos carrascos.


É o que a propaganda enganosa dos sites fascistas martela dia e noite, tentando desmentir o veredicto definitivo da História sobre os Médicis e Pinochets, que protagonizaram ‘alguns dos mais desastrosos eventos da história contemporânea das Américas’.


Não existe muralha alguma impedindo a correta observação desses episódios, tanto que ela já foi feita pelos historiadores mais conceituados e por braços do Estado brasileiro como as comissões de Anistia e de Mortos e Desaparecidos Políticos. Há, isto sim, a relutância dos verdugos, de seus cúmplices e de seus seguidores, em aceitarem a verdade histórica indiscutível.


E a matéria de capa da Veja não passa de mais um exercício do jus esperneandi a que se entregam os que têm esqueletos no armário e os que anseiam por uma recaída totalitária, com os eventos desastrosos e os banhos de sangue correspondentes.

******

Jornalista, escritor e ex-preso político

Todos os comentários

  1. Comentou em 23/03/2010 CAMILA SOUZA

    OLÁ!GOSTARIA QUE VOCES FALASSEM DA CENSURA QUE O CQC SOFREU AO FAZER UMA DENUNCIA SOBRE UM DESVIO DE UM TV DE LCD A PREFEITURA DE BARUERI. A JUIZA PEDIO O CANCELAMENTO DA MATERIAL SEM TER ASSISTIDO?EM PLENO 2010 ANDA EXISTE CENSURA?O PREFEITO AINDA ESTA NO TEMPO DA DITADURA!! GOSTARIA QUE O TEMA FOSSE COMENTADO .

  2. Comentou em 14/11/2007 Maria Angela Silveira de Souza

    Caros,
    solicito informações para quem e para onde enviar lançamentos literários. A Editora de Cultura acabou de lançar o terceiro livro do jornalista e escritor Filippo Garozzo – Contos do outro lado – e gostaria de encaminhar um exemplar para possível comentário no Observatório da Imprensa. O primeiro livro de Filippo – Contos de São Paulo – ganhou excelete crítica deste site, em 14/9/2004, na seção Armazém Literário (N. 294).
    Agradeço a atenção,

    Maria Angela S Souza
    Assessoria de Imprensa – Editora de Cultura
    (11) 5549-3660

  3. Comentou em 08/10/2007 Marco Antônio Leite

    Senhor Faria, você tem dificuldade em interpretar um simples comentário. Será que você é estudante ou esta estudando. Quando escrevi que não sou pobre, é pobre de inteligência e saber daquilo que nos mostra às diversidade no cotidiano, bem como não sou parva. Saliento, pobre não divide nada com ninguém, porque não se divide o nada? Para o vosso conhecimento, socialismo é uma doutrina que prega a primazia dos interesses da sociedade sobre os dos indivíduos, e defende a substituição da livre-iniciativa pela ação coordenada da coletividade na produção de bens e na repartição da renda para todos. Espero ter entendido, ou não?

  4. Comentou em 08/10/2007 Juliano Baldassari Junior

    hehheheh…ainda existia guerra…hehehe..as bombas foram para mostrar a superioridade bélica perante a URSS….qualquer pesquisa histórica convicente tu encontra isso. Livro didática não vale, ta aluninho..
    hheh…Te aconselho o livro do Paulo Vicentini, historiador e professor aqui da UFRGS.
    heheh…Democracia, EUA???Por favor…Uma nação que até 1960 segregava seus filhos negros, usando uma lei em que obrigava os negros a darem o assento no onibus aos brancos..heheh…isso é democracia…onde a CIA matou e mata qualquer tipo de pessoa que se levante contra o país…e as intervenções na américa latina, só porque os comunistas iriam tomar ou poder, ou não, justifica um outro país interferir na politica de um país sobreno, seja ele comunista, socialista, capitalista??Por favor, cara…dois pesos duas medidas??
    Tu tem que estudar história cara..tu foi largado au léu sem nenhuma assistencia depois de ter sido trazido do seu país, ter sido separado da sua familia, ter sido escravizado, explorado, humilhado, vioentado por 300 anos??
    Não né/?
    Então opine em algo que você entenda…
    E eu sei que os eventos foram depois thiago – as ditaduras – quem disse que nçao tinha sido??
    É, não é só a veja que usa a manipulação da informação…
    obrigado

  5. Comentou em 08/10/2007 Juliano Baldassari Junior

    hehheheh…ainda existia guerra…hehehe..as bombas foram para mostrar a superioridade bélica perante a URSS….qualquer pesquisa histórica convicente tu encontra isso. Livro didática não vale, ta aluninho..
    hheh…Te aconselho o livro do Paulo Vicentini, historiador e professor aqui da UFRGS.
    heheh…Democracia, EUA???Por favor…Uma nação que até 1960 segregava seus filhos negros, usando uma lei em que obrigava os negros a darem o assento no onibus aos brancos..heheh…isso é democracia…onde a CIA matou e mata qualquer tipo de pessoa que se levante contra o país…e as intervenções na américa latina, só porque os comunistas iriam tomar ou poder, ou não, justifica um outro país interferir na politica de um país sobreno, seja ele comunista, socialista, capitalista??Por favor, cara…dois pesos duas medidas??
    Tu tem que estudar história cara..tu foi largado au léu sem nenhuma assistencia depois de ter sido trazido do seu país, ter sido separado da sua familia, ter sido escravizado, explorado, humilhado, vioentado por 300 anos??
    Não né/?
    Então opine em algo que você entenda…
    E eu sei que os eventos foram depois thiago – as ditaduras – quem disse que nçao tinha sido??
    É, não é só a veja que usa a manipulação da informação…
    obrigado

  6. Comentou em 06/10/2007 Marco Antônio Leite

    É a opinião de um bilhão que se recusam a conviver com essa fantasia. Dr. Bandarra, quanto delírio, quem esta vivendo numa fantasia ou se enganando é vossa senhoria. Pois, o povo em qualquer regime político não tem opinião, o que acontece de fato são os governantes corruptos de plantão que determinam o que você deve pensar, supor, vestir, comer, etc. O nosso caso não difere em absolutamente em nada desses povos, isto porque quem pensa pôr nós nada mais é que a elite política e econômica que manda e desmanda nesta quintal de macaquinhos, apenas imaginemos que pensamos pôr nós. Não se engane pensando que escrever neste espaço significa ‘democracia’, somos apenas usados como massa de manobra e inocentes úteis. Você tem uma bela profissão, mas no quesito cultural você esta deixando a desejar!

  7. Comentou em 05/10/2007 Paulo Robeto Farias

    Sr Paulo Bandarra o seu anti-esquerdismo é tão primário que temo que seja sintoma de falta de pacientes, posto que tempo lhe sobra.

  8. Comentou em 04/10/2007 Marco Antônio Leite

    . Todos nós sofremos um pouco de médico e louco. Contudo, você extrapola o nível entre a sanidade e a insanidade mental de um sujeito normal. Creio que, à sua educação foi toda ela pautada naquilo que seus genitores diziam, ou seja, cuidado filhinho comunista como criancinha. Procure combater com unhas e dentes esses indivíduos que causam pasmos, pois eles tomarão o seu quartinho, com isso você não será um menino feliz e saudável. Aconselho não tirar a vida desses monstros, mas procure mostrar para os seus coleguinhas que essa gentalha deve ser afastada de nosso lindo e adorável convívio.

  9. Comentou em 04/10/2007 Paulo Bandarra

    Caro amigo Marco Antônio Leite, a VEJA não disse em nenhum momento que a história de Che não seja verdadeira, apenas apontou que a sua adulação não se justifica. Os fracassos históricos do mesmo é que são citados como tal, e não como heroísmo, como defende Lungarethi! Guevara não privou a vida de nenhum ditador de direita, pois Fulgêncio Batista fugiu com os recursos de Cuba. Tanto no Ministério de economia quanto da industria não teve sucesso perto de Fidel, e nunca tentou a vida no desenvolvimento da saúde de Cuba. Em Angola e na Bolívia fracassou por inépcia sua longe de Fidel. Eu me baseio não na minha opinião, mas na opinião daqueles que viveram nestes regimes e que rejeitaram esta fantasia. Um comentarista argumenta que foram ouvidos historiadores dissidentes e refugiados cubanos! Seria o mesmo argumento dos católicos que quem condena Torquemada, as cruzadas, a inquisição, a Noite de São Bartolomeu, a opressão científica são os dissidentes e os protestantes. O que é a pura verdade. Nenhum fascista ou nazista condena Hitler ou Mussolini. Nenhum comunista abomina Mao, Stalin, Lênin pelos seus crimes que as vítimas padeceram. Então é esperado que Celso Lungaretti defenda as ações criminosas de Che, e que não aceite a critica da VEJA na manutenção da fantasia totalitária redentora da fome! Deseja apenas que as outras vitimam se calem! Aquelas que nunca serão indenizadas!

  10. Comentou em 04/10/2007 Giuliano Dias

    Sr Bandarra, o sr. deve saber que o cerco político/econômico é feito justamente para *estrangular* política e economicamente, um país. Quem fala em ‘poderio’ (ou ‘ameaça’) não sou eu, mas o governo americano. E sim, a Coréia do Norte está tentando acordo com os americanos há décadas. E também com os Chineses. Pra mim a tecnologia não era mistério algum , a pergunta só servia para apontar inconsistência em suas afirmações de que eram sociedades ineficazes. O sr. já mudou o foco da ineficácia, para a questão das prioridades de governo (e continua ignorando a natureza abrangente do cerco de 50 anos). Flexibilidade própria de análises superficiais.

  11. Comentou em 04/10/2007 Giuliano Dias

    Sr Bandarra, o sr. deve saber que o cerco político/econômico é feito justamente para *estrangular* política e economicamente, um país. Quem fala em ‘poderio’ (ou ‘ameaça’) não sou eu, mas o governo americano. E sim, a Coréia do Norte está tentando acordo com os americanos há décadas. E também com os Chineses. Pra mim a tecnologia não era mistério algum , a pergunta só servia para apontar inconsistência em suas afirmações de que eram sociedades ineficazes. O sr. já mudou o foco da ineficácia, para a questão das prioridades de governo (e continua ignorando a natureza abrangente do cerco de 50 anos). Flexibilidade própria de análises superficiais.

  12. Comentou em 03/10/2007 Felipe Faria

    E não é que o Espedito está dizendo a verdade…ele era comparsa do Lamarca, está no CV dele aqui: http://segundasintencoes.wordpress.com/2007/08/15/absurdo-jamais-visto/ já recebeu indenização?

  13. Comentou em 03/10/2007 Giuliano Dias

    Sr Bandarra: O que eu pergunto é como o sr. ignora centenas de fatores relevantes, (cerco politico, diplomático, comercial, por exemplo), deixando tudo na conta dos ‘comunistas’. Ou seja, Doutrina x doutrina. E a complexidade da realidade, que se dane. Superficialidade e flexibilidade semântica é o que costuma predominar nesse tipo de ‘argumentação’ que se atém a conceitos abstratos, retirados da doutrina em cujo contexto surgiram. Quanto á tecnologia de que falo, tratam-se da tecnologia nuclear/bélica norte-coreana, que os EUA dizem ser uma ‘ameaça’. Como é possível uma sociedade , segundo o sr. disse, ser incapaz de plantar com eficiencia (o que não é opinião de alguns que já estiveram em Cuba, como no comentario emitido por outra pessoa, aqui mesmo), mas ser eficiente a ponto de gerar tecnologias de mísseis e armas nucleares , coisa que nao é nada simples? Abstrações excessivas e conceitos retirados de seu contexto original geram esse tipo de lacuna.
    http://www.lrb.co.uk/v27/n24/cumi01_.html
    http://www.democracynow.org/article.pl?sid=04/11/09/1526251#transcript

  14. Comentou em 03/10/2007 Marcelo Ramos

    Paulo Bandarra, faz certo tempo, por ocasião de um debate que envolvia o Fascismo, que eu sugeri à você e outros que pesquisassem na Wikipedia, antes de debater. Como o senhor não fez isso e ainda escreveu algumas distorções, dei-me ao trabalho de ir na Wikipedia, copiar e colar aqui a definição correta. Dizer que Fascismo era um regime revolucionário é demais para qualquer cristão. Aproveito para sugerir novamente ao Thiago programado a mesma coisa: vá se informar. ‘O fascismo é uma doutrina totalitária desenvolvida por Benito Mussolini na Itália, a partir de 1919, e durante seu governo (1922–1943 e 1943–1945). Fascismo deriva de fascio, nome de grupos políticos ou de militância que surgiram na Itália entre fins do século XIX e começo do século XX; mas também de fasces, que nos tempos do Império Romano era um símbolo dos magistrados: um machado cujo cabo era rodeado de varas, simbolizando o poder do Estado e a unidade do povo. Os fascistas italianos também ficaram conhecidos pela expressão camisas negras, em virtude do uniforme que utilizavam. A palavra fascismo adquiriu o significado de qualquer sistema de governo que, de maneira semelhante ao de Benito Mussolini, exalta a nação e o Estado, e onde este usa modernas técnicas de propaganda e censura para suprimir pela força a oposição política.tssxw

  15. Comentou em 03/10/2007 Carlos Celestino

    Essa revista está morrendo, definhando, apodrecendo. Esse (Dito)veículo de comunicação está ultrapassado. Ficaram parados no tempo, num conservadorismo militar dos anos 60 e começo dos 70. O Brasil não precisa desse mau e o povo já percebeu que ela (Veja) quer é jogar contra o Brasil. Já existem até bancas de jornal que estão desistindo de vender esse tumor.

  16. Comentou em 03/10/2007 HUGO CARLOS LEÔNIDAS

    Celso,

    Bom artigo,

    Um amigo me indicou este seu texto. Você tem outros artigos publicados? Onde posso ler?

    O Che era uma figura controversa, mas a revista Veja é manipuladora e produz informações falsas. Eu nem sabia que a VEJA era uma revista racista. Eu não duvido mais de nada sobre aquela revista.

    Alguém aqui escreveu algo sobre o Reinaldo Azevedo da Veja, aquele cara é envolvido num escândalo com o BANCO NOSSA CAIXA. Não passa de um mensaleiro do Nossa Caixa. Tinha um site, primeira leitura, que foi um fracasso. É um tremendo reaça.

    Parabéns, Celso.

  17. Comentou em 03/10/2007 Marco Antônio Leite

    Caros Bandarra e Faria, vou mandar confeccionar muitas camisetas com às caras do Médice, Faustão, Marinhos, Silvio San.., Ana Maria Brega e agregados. Espero que vocês mandem seus endereços para que posso despachar pelo correios seus mitos e heróis que tanto amam, a fim de satisfazer seus desejos e satisfazer suas paixões intensas pela direita, ala que bajula a elite dominante.

  18. Comentou em 03/10/2007 Paulo Roberto degani

    Existe um video muito esclarecedor no You Tube – Guevara: Anatomia de Um Mito-
    http://www.youtube.com/watch?v=7jaYpTXG0EM
    Os entrevistados são outros terroristas, colegas do Guevara que, juntos com ele, anarquisaram a América Latina com sangrentas guerrilhas. Os depoimentos que dão nada de elogios para este mito charlatão criado e sustentado pela mídia totalitária de esquerda.

  19. Comentou em 03/10/2007 Marco Antônio Leite

    Senhores Bandarra e Faria, não sejam ingênuos com este sistema reacionário, no qual os tiranos de direita dominam toda à cena política ora em andamento. Fixei residência em Cuba pôr um período razoável, nunca tive conhecimento que o povo se alimenta mal, nunca soube ou presenciei crianças não freqüentado à escola. A medicina local é um das melhores do mundo, será que o Dr. Bandarra sabe desse fato, já o Faria é puro café com leite, não entende nada sobre como funciona o socialismo. Cuba é uma potência Olímpica em todos às modalidades esportivas. Em Cuba à polícia não mata a população, não existe crianças de rua, trombadinhas e assemelhados. Caros direitistas de ocasião, o comunismo no Leste Europeu teve um fim não muito bem explicado, isto em função dos políticos corruptos, os quais se venderam e venderam seus países para o capitalismo decadente. Vale lembrar, estamos envolvidos num sistema que existe poucas pessoas com muito dinheiro no banco, capitalismo perverso, não porque escolhemos, mas pôr imposição da escol de ontem, cuja mesma entregou a coroa para seus filhos e netos, hoje eles mandam e desmandam nesta nação sem rosto. Nação cuja polícia mata os pobres em profusão, isto a mando desse elite podre e fétida. Vocês dois não passam de proletários que sofrem com o desejo de um dia pertencerem a grupo dos minguados privilegiados do sistema ‘democrático’.

  20. Comentou em 03/10/2007 Manoel Leiva Caxim

    A perfeita complementaridade do esquerdismo histérico e obtuso está crescendo ‘como nunca na história deste país’. As razões são óbvias: desencanto com a esquerda no poder, revanchismo ou simplesmente oportunismo. Ora, ninguém minimamente sensato pode ser contra uma abordagem desmistificadora da personalidade de Che Guevara. Não é isso, claro, que faz a Veja. No lead da matéria, o semanário da Abril já diz a que veio: ‘Veja conversou com historiadores, biógrafos, antigos companheiros de Che na guerrilha e no governo cubano na tentativa de entender como o rosto de um apologista da violência, voluntarioso e autoritário, foi parar no biquíni de Gisele Bündchen, no braço de Maradona, na barriga de Mike Tyson, em pôsteres e camisetas’.
    Só um fronteiriço não reconhece que a revista simplesmente buscou comprovar as suas teses, submetendo as fontes da patética reportagem à sua cantilena anti-esquerdista. O artigo de Celso Lungaretti trata disso. Só não vê quem não quer.

  21. Comentou em 03/10/2007 Hélio Amaral

    A Veja não é apenas uma revista de direita, é acima de tudo uma revista que tenta destruir os valores da esquerda…

  22. Comentou em 03/10/2007 Márcio Pereira

    A Revista Veja mais uma vez tece mentiras que chegam a ser constrangedoras, e isso não é novidade. Porém, observa-se aqui neste espaço algumas opiniões que dão crédito aos absurdos da revista e que demonstram o reacionarismo típico da ‘viuvez’ da ditadura. Lamentável que tal publicação tenha tanto alcance nacional, pois a Veja sabota o intelecto dos incautos e dá margem pseudo-argumentativa aos cínicos direitistas de plantão…

  23. Comentou em 03/10/2007 Eider Dantas do Ó

    Como amante da boa leitura, da história, da verdade dos fatos e da boa imprensa, só tenho a lastimar a reportagem de capa da última edição da revista veja. A começar pela legenda de uma das fotos, ‘sua vida foi uma seqüência de fracassos’. Mesmo que fosse verdadeira a afirmação, valeria para Che Guevara, o que bem disse Darcy Ribeiro, ao dedicar o título de Doutor Honoris Causa pela universidade francesa de Sorbonne, às suas ‘derrotas’: ‘Somei mais fracassos que vitórias em minhas lutas, mas detestaria estar no lugar de quem venceu’.
    Possivelmente, o que mais incomode veja em sua visão maniqueísta e que tenha sido o motor desta ‘reportagem investigativa’ seja sua crença explicitada na carta ao leitor que abre a edição: ‘o herói romântico Che é um instrumento facilitador da doutrinação que continuam a fazer em escolas e universidades’. Esquece-se veja que estamos em outros tempos, a página da história foi virada, apesar da revista não querer aceitar tal fato e ansiar por uma recaída totalitária.
    Quanto mais o braço empresarial da editora abril se expande mais a revista se afasta dos bom jornalismo. Tristes dos leitores que ainda não se aperceberam disto. Talvez nem devesse ser mencionada neste Observatório, pois há muito deixou de ser jornalismo para ser panfleto da pior qualidade.
    Excelente e oportuno este artigo de Celso Lungaretti sobre a tal ‘reportagem’.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem