Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1066
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Revista simula uma eleição planetária no dia da votação nos EUA

Por Carlos Castilho em 21/10/2008 na edição 508

A revista inglesa criou um sistema de votação mundial para eleger um colégio eleitoral integrado por representantes de 195 países para escolher entre Barack Obama e John McCain, usando as mesmas regras do sistema eleitoral norte-americano.

A simulação foi desenvolvida pelos editores da The Economist como um exercício de imaginação política sobre uma possível globalização eleitoral, na qual onde o voto é indireto e quem tem a palavra final são os 9.875 membros do ‘colégio eleitoral universal’.

E se depender destes eleitores privilegiados, Barack Obama seria eleito o líder deste planeta por uma acachapante maioria de 8.903 votos no colégio eleitoral global contra minguados 38 votos para John McCain.

É claro que o sistema criado pela The Economist não passa de uma grande fantasia política, mas o interessante é que a idéia de uma eleição global já não é mais vista como uma utopia, conforme mostram os comentários de leitores da matéria.

Primeiro-ministro global

A drástica redução das distâncias entre candidatos e eleitores, provocada pela internet, cria o ambiente para que os cientistas políticos possam imaginar cenários onde as pessoas comuns, independente de fronteiras, poderão interferir em questões globais como o meio ambiente e a economia, por exemplo.

Para montar o seu mapa eleitoral planetário, a revista selecionou 195 países e atribuiu a todos eles um mínimo de três votos no colégio eleitoral. O tamanho do colégio eleitoral de cada país é proporcional à sua população e o candidato vencedor leva todos os votos indiretos se vencer no pleito direto nacional.

O modelo da The Economist imita o sistema norte-americano onde os presidentes são eleitos pela via indireta, mas no Velho Mundo já existem proponentes de um sistema similar ao das eleições para o parlamento europeu, cujos membros elegeriam uma espécie de primeiro-ministro global.

Cuba e Brasil

Quem for navegar pelo mapa eleitoral criado pela revista vai perceber algumas incongruências, como a vitória parcial de McCain em Cuba e a ausência de votos em países populosos como Angola. É que para chegar a um voto eleitoral, além dos três básicos de cada país, é necessário atingir um quociente proporcional à população nacional.

No caso de Cuba, o resultado provavelmente foi influenciado pelos exilados em Miami, tradicionalmente conservadores. Os internautas da ilha enfrentam dificuldades para acessar a internet e votar na simulação. No Brasil, Obama ganha por um percentual de 80% dos 272 votos depositados até domingo à noite.

******

Jornalista, editor do blog Código Aberto

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem