Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1034
Menu

ENTRE ASPAS >

SIP condena críticas de Lula à imprensa

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 17/03/2009 na edição 529

Leia abaixo a seleção de terça-feira para a seção Entre Aspas.


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 17 de março de 2009


 


GOVERNO
Folha de S. Paulo


Lula faz ‘críticas desmedidas’ à imprensa, afirma entidade


‘Em relatório divulgado ontem no Paraguai, a SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa) afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz ‘críticas desmedidas’ aos meios de comunicação.


O Palácio do Planalto não comentou oficialmente o documento, no qual o comportamento de Lula em relação à imprensa é comparado ao do colega venezuelano Hugo Chávez.


‘O presidente brasileiro sempre ataca a imprensa e lança críticas desmedidas quando o enfoque do noticiário ou de um comentário não lhe agrada’, diz o relatório sobre liberdade de expressão no Brasil.


A SIP, organização sem fins lucrativos que reúne empresários e editores de meios de comunicação da América, menciona a recente entrevista de Lula à revista ‘Piauí’, na qual ‘chegou a dizer que a leitura dos jornais lhe causa azia’.


Um dos casos mais polêmicos ocorreu em 2004, quando o jornalista Larry Rohter, correspondente do ‘New York Times’, publicou reportagem sugerindo que havia ‘preocupação nacional’ com supostos excessos do presidente no consumo de bebida alcoólica.


Lula determinou o cancelamento do visto de Rohter, o que levaria à sua expulsão do país, mas, sob pressão, voltou atrás. Em fevereiro passado, durante encontro com prefeitos em Brasília, Lula reclamou da imprensa mais uma vez. ‘Fiquei triste como leitor porque estão abusando de minha inteligência. Tem gente que pensa que o povo é marionete. Disseram que é um ato para promover dona Dilma Rousseff. São pessoas pequenas’, disse.


Lula só concedeu a primeira entrevista coletiva em 2005, dois anos e quatro meses depois de assumir a Presidência.


Em seu relatório, a SIP destaca ainda que o governo tentou criar, também em 2004, um Conselho Federal de Jornalismo para disciplinar e fiscalizar a atividade da imprensa, iniciativa que acabou suspensa após repercussão negativa.


A SIP menciona ainda o empenho do Planalto para promover uma Conferência Nacional de Comunicação neste ano (leia texto abaixo), iniciativa que a entidade diz ver com preocupação.


Além de criticar a impunidade de crimes contra jornalistas, a SIP chama a atenção para o aumento de casos de agressão governamental. ‘Agora são os governos que não só estão abusando da imprensa, como estão atiçando as chamas do ódio’, diz o texto, que aponta para a piora do clima de liberdade de imprensa na América Latina.


Segundo a entidade, na Venezuela o presidente Chávez ‘segue com sua tarefa de humilhar oficialmente a imprensa’.


‘Sua retórica tem consequências reais, como se pode ver nos violentos ataques a repórteres da Globovisión em outubro passado’, afirma a SIP.


Segundo a organização, ‘essa tática tem sido adotada entusiasticamente por outros chefes de Estado’, como Evo Morales (Bolívia), Álvaro Uribe (Colômbia) e o próprio Lula.


Após ser reeleito, Lula participou de evento com Chávez na Venezuela, onde disse ter sido ‘vítima da incompreensão e do preconceito’ da imprensa.’


 


 


Andreza Matais


União prevê R$ 8,2 mi para debater comunicação


‘O governo reservou R$ 8,2 milhões para realizar uma conferência nacional que irá discutir a comunicação social no país. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já determinou a três ministros a realização do evento ainda neste ano para discutir temas como concessão de rádio e TV e convergência tecnológica.


O foco do evento, segundo a Folha apurou, estará voltado para as novas mídias, como internet, TV a cabo e celular.


O governo está definindo os detalhes do decreto que irá convocar a conferência, prevista para dezembro. O valor do evento foi incluído no Orçamento de 2009 pelo Congresso e, segundo o deputado Walter Pinheiro (PT-BA), preservado dos cortes do início do ano.


O montante supera o valor gasto com o encontro nacional dos prefeitos, que reuniu 15 mil pessoas, e teria custado mais de R$ 2 milhões. O governo ainda não tem o valor exato do custo, nem a definição de quantos serão os participantes da conferência. Porém, as realizadas pelos ministérios da Saúde e Cidades, por exemplo, reuniram em média 2.000 pessoas.


Auxiliares de Lula dizem que ele decidiu convocar a conferência neste ano para evitar a discussão em 2010, ano eleitoral. Será a primeira vez que um governo realiza conferência sobre o assunto. A pressão partiu de movimentos sociais e do PT, mas a realização da conferência também agrada o setor.


Segundo o ministro Franklin Martins (Comunicação Social), concessão de radiodifusão, propriedade cruzada dos meios de comunicação, fortalecimento da imprensa regional e concentração de veículos nas mãos de um mesmo grupo devem ser debatidos. Esses pontos são similares aos defendidos pelo PT, que discutiu o tema em conferência, em 2008.


‘O objetivo é que o país debata as questões de comunicação de forma plural. Há muito tempo que não discute o assunto’, disse Franklin. O marco regulatório da radiodifusão é de 1962, e o das telecomunicações, de 1995. Os ministros Hélio Costa (Comunicações) e Luiz Dulci (Secretaria Geral) também estão envolvidos no debate.


Para Paulo Tonet, da Associação Nacional de Jornais, discutir monopólio e propriedade cruzada é um retrocesso. ‘O tema tem que ser conteúdo nacional e igualdade de tratamento regulatório’, disse.


O presidente da Abert (Associação Brasileira de Rádio e Televisão), Daniel Pimentel Slaviero, também defende que a conferência seja ampla, incluindo discussões sobre jornais e revistas.


Antes do evento nacional, haverá discussões nos Estados.’


 


 


ESCOLA
João Carlos Magalhães


Pará compra livros de agência publicitária


‘Apesar de ter vencido licitação para prestar serviços de publicidade para o governo do Pará, a agência Double M também foi paga pela gestão de Ana Júlia Carepa (PT) para produzir kits escolares (com uniformes, agendas e mochilas) e manuais pedagógicos para professores.


Dois especialistas em direito administrativo e um promotor afirmaram à Folha que essas compras podem indicar um desvio do objeto de um contrato de publicidade, cujo foco deve ser específico, como manda a Lei das Licitações, de 1993.


A agência alega que o contrato prevê serviços de ‘publicidade, propaganda, ações promocionais [e] ações de marketing’ para a administração estadual, e afirmou que cumpre fielmente suas cláusulas. Ela diz que os bens comprados para o governo, como os manuais pedagógicos, são itens promocionais.


Até a conclusão desta edição, o governo paraense não divulgou sua versão sobre o caso.


Em relação aos manuais, a Secretaria da Educação diz que eles são livros que contêm uma ‘normatização da educação’. Seu objetivo, segundo a pasta, é dar ao corpo docente estadual ‘orientação para saber como formular o projeto pedagógico’ executado nas aulas. Segundo documentos fiscais obtidos pela reportagem, foram feitas ao menos 45 mil unidades, ao custo total de R$ 106,4 mil.


Em relação aos kits, foram feitos 1 milhão deles para os alunos da rede estadual, ao custo total declarado pelo governo de R$ 47,8 milhões. Nos dois casos, as impressões foram feitas em uma gráfica da Paraíba.


A Double M é a mesma empresa que atuou na campanha que elegeu Ana Júlia ao governo em 2006, pela qual recebeu R$ 67 mil, segundo o TSE.


Para Carlos Ari Sundfeld, fundador da Sociedade Brasileira de Direito Público e professor da FGV-SP, o problema não é a confecção dos manuais e dos kits, mas supor que eles são peças promocionais: ‘Aí os objetos não têm nada a ver com publicidade. Realmente é uma extrapolação’.


‘Se é assim, então o governo pode comprar laptops para os professores e dizer que é publicidade. Isso fere o princípio [constitucional] da moralidade pública. Não é razoável’, afirmou Elival da Silva Ramos, professor da USP. Um promotor que já investigou supostas irregularidades em contratos publicitários em outros Estados disse que a situação do Pará é ‘irregular’. Ele preferiu ter sua identidade preservada.


Os três afirmaram que tanto os kits quanto os manuais deveriam ter sido adquiridos por meio de uma licitação.


Se alguma irregularidade for de fato constatada, o Ministério Público Estadual ou o Federal poderão pedir a anulação do contrato com a agência e a suspensão das entregas dos materiais, assim como a apreensão do que já foi distribuído.


Em relação aos kits, os dois órgãos já abriram procedimentos investigativos preliminares. A ideia é saber se houve superfaturamento e promoção pessoal da administração -o que pode gerar uma ação por improbidade administrativa. Segundo versão da Secretaria da Educação, esse material escolar foi chancelado por um parecer de sua assessoria jurídica.’


 


 


***


Agência diz que bens são promocionais


‘A Double M defendeu a legalidade das compras dos kits e e manuais e disse que cumpre o contrato. ‘São bens promocionais. Uma camisa, uma propaganda. É um bem? É um bem, mas é promocional’, disse o diretor-executivo Carlos Eduardo Costa.


‘Tudo o que a gente faz para o governo tem que ser uma campanha, tem que estar dentro de um conceito de campanha publicitária ou de ação de marketing. A gente está seguindo dentro do contrato’, disse.


Questionado se a empresa vê algum problema no fato de prestar serviços ao governo depois de ajudar a eleger Ana Júlia Carepa, Diego Correa, diretor de Atendimento, disse: ‘Problema? Não. Nada mais justo. Você faz a campanha para a governadora, ela ganha e você participa de uma licitação normal’.


A secretária da Educação, Iracy Gallo, disse que os kits tinham parecer favorável da assessoria jurídica. A reportagem tentou ouvir a versão do governo do Estado sobre os manuais. Ligou cinco vezes e mandou e-mail para dois assessores da Secretaria da Comunicação e da Educação. Não teve resposta.’


 


 


CAMPANHA
Paulo Peixoto


PSDB deve ‘tirar da imprensa’ divergências internas, diz Aécio


‘O governador de Minas, Aécio Neves, afirmou ontem que o PSDB está tentando ‘tirar da imprensa’ as divergências internas em torno das prévias para a escolha do tucano candidato a presidente em 2010. Aécio e o governador de São Paulo, José Serra, são os possíveis candidatos do PSDB.


‘O que buscamos fazer é tirar um pouco essas nossas divergências da imprensa, tratá-las -é natural que elas existam- internamente e passarmos, como pretendemos fazer hoje [ontem], uma sinalização de unidade do partido’, disse Aécio, antes de viajar para Recife (PE), onde participaria de eventos ao lado de Serra.


Ele pregou ‘cautela nas declarações’ dos líderes tucanos dispostos em lados diferentes da disputa interna.


Na semana passada, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse ser contra as viagens dos governadores para fazer campanha pelas prévias. O mineiro respondeu que não se constrói projeto de dentro de gabinetes da avenida Paulista.


A formatação desse entendimento, que resultou na ida de Serra a Recife, ocorreu na última sexta, em São Paulo, durante almoço de Aécio com FHC e o senador Sérgio Guerra (PE), presidente nacional do PSDB. Aécio disse que estava ‘feliz’ e ‘alegre’ por Serra ter aceitado o convite que fizera a ele para viajarem juntos pelo pais.’


 


 


TODA MÍDIA
Nelson de Sá


Lula isso, Lula aquilo


‘No alto das buscas de Brasil pelo Google News no fim do dia, com Reuters, ‘Lula diz que a economia vai crescer em 2009’. Logo embaixo, com Bloomberg, ‘Lula chama nações a evitar droga do protecionismo’. No alto pelo Yahoo News, com a Associated Press, ‘Lula quer apoio para derrubar as tarifas americanas sobre etanol’, até ‘implora’. Era o presidente brasileiro em Nova York, cercado de ministros e empresários no evento do ‘Wall Street Journal’ e do ‘Valor Econômico’.


Por aqui, o Terra alternou manchetes como ‘Lula: resgatar banco é importante, mas salvar emprego é mais’ e ‘Lula elogia Dilma: é uma mulher apta para qualquer coisa’. Na Folha Online, ‘Lula vai propor a democratização do FMI’. Na manchete do ‘Jornal Nacional’, ‘O presidente Lula anuncia, em Nova York, que a remuneração da caderneta de poupança vai ter que mudar’. E na do ‘Jornal da Band’, ‘Lula diz em Nova York que vai ao G20 pedir aos países ricos que aumentem controle sobre os bancos’. Etc. etc.


LULA E A AIG


O ‘WSJ’, propriamente, deu reportagem destacando que o ‘Presidente do Brasil pressiona por negociações comerciais’ na Rodada Doha. Em seu encontro com ‘os editores’ do jornal, disse estar ‘otimista’, notando que foi Obama quem puxou o tema, na conversa dos dois. Lula falou ao ‘WSJ’ até dos bônus de milhões dados aos executivos da AIG, assunto da semana nos EUA.


LULA E O G7


E ele surgiu em declarações ao londrino ‘Telegraph’ de ontem, concedidas antes da viagem, dizendo que o G7, o grupo dos países ricos, ‘não fala mais pelo mundo’, para ‘respostas coordenadas realmente globais’.


ALTERNATIVA


O ‘Valor’, na cobertura do evento que faz com o ‘WSJ’, optou por Guido Mantega, não Lula. E por sua avaliação de que ‘o desafio é recuperar bancos e crédito’. Mas o que ecoou mais da participação do ministro, nas agências, foi sua defesa da dívida brasileira como ‘uma alternativa aos Treasuries’, os títulos do Tesouro dos EUA, para os investidores como a China.


UM POR UM


A estatal Agência Brasil também deu Mantega na manchete, mas seguido dos enunciados do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, do chanceler Celso Amorim e da chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.


CITI & BRASIL


William Rhodes, que preside o conselho do Citigroup, falou em portunhol ao ‘WSJ’, no evento: ‘O Brasil vai sair mais rápido do que possivelmente qualquer outro, do problema econômico’.


OUTRAS APOSTAS


Por outro lado, agências diversas despacharam do Brasil que os economistas ouvidos em levantamento do Banco Central reduziram à metade, para 0,59%, sua previsão de crescimento em 2009. E a Reuters despachou, de Xangai, que o Merrill Lynch cortou sua previsão de crescimento do Brasil para 0,8%, este ano. E um economista, Marcelo Carvalho, que avalia o Brasil para o Morgan Stanley, foi além e apostou em ‘contração’ de 4,5%, que segundo a Bloomberg ‘seria a maior queda no PIB em pelo menos 61 anos’.


BRASIL EM 10.000 VOZES


Na primeira página de ontem, o ‘WSJ’ publicou longa reportagem sobre o Museu da Pessoa, onde brasileiros ‘contam a história da nação’ em relato oral. Entre eles, Lula, há uma década, fala das maldades de seu pai.


MODELO…


Por agências e jornais, o presidente esquerdista eleito em El Salvador ‘diz ser mais identificado com Lula do que com Chávez’. E ‘chama Lula de seu modelo’.


MARQUETEIRO


Até no ‘New York Times’ de hoje, adiantado no site, ‘ele diz que vai liderar seguindo o modelo do presidente Lula’. O marqueteiro, João Santana, já é o mesmo.


SÓ WEB


O ‘NYT’ deu no alto da home o anúncio de que o ‘Seattle Post-Intelligencer’, um dos dois jornais da cidade, publica hoje a sua última edição e passa agora a se restringir à internet.’


 


 


GEOGRAFIA
Juliana Coissi


Livro da rede estadual tem dois Paraguais


‘Um livro de geografia distribuído pelo governo paulista aos alunos da sexta série do ensino fundamental traz duas vezes o Paraguai no mapa da América do Sul e ainda inverte a localização do Uruguai e Paraguai.


O erro repete-se também no livro do professor. Outra incorreção é a não-inclusão do Equador no mapa ‘Fronteiras Permeáveis’. Sem isso, o aluno não tem informação para responder à seguinte questão, na página ao lado: ‘Quais são os países sul-americanos que não fazem fronteira com o Brasil?’


A Secretaria da Educação da gestão José Serra (PSDB) diz, em nota, que o erro é de responsabilidade da empresa que produziu o material e que as escolas já foram alertadas sobre a falha por meio do site. A Fundação Vanzolini, responsável pela edição, disse que o material foi produzido por professores indicados pela secretaria.


O material começou a ser distribuído na rede, mas não há informação se já chegoua a todas as escolas do Estado. A empresa diz que 1,55% dos livros distribuídos têm erros, mas a Folha localizou o problema em várias cidades.


Um professor de São José do Rio Preto disse que identificou a falha no mapa em sala de aula. O erro foi motivo de piada entre os alunos. Segundo ele, há erros em quase todos os cadernos, mas, geralmente, são de grafia, não de informação. Cingapura, por exemplo, foi grafado com ‘s’. Mas o erro do mapa, diz, ‘é gravíssimo’.


‘Um horror e um erro gravíssimo’, concorda Sonia Castellar, professora de metodologia do ensino em geografia do curso de pedagogia da USP (Universidade de São Paulo).


‘Esse material do Estado não está passando por avaliação rigorosa’, disse.


Um outro docente de geografia, de Franca, disse já ter notado erros em outras apostilas. Segundo ele, é comum haver exercícios no caderno do aluno que não se repetem no livro-manual do professor, e vice-versa, além de exercícios sem resposta no livro do docente.


Alertado pela Folha ontem, um professor de Ribeirão Preto questionou a direção de sua escola no início da tarde sobre o erro. No final do dia, recebeu por e-mail um aviso de que precisaria alterar o material.


Uma coordenadora pedagógica de uma escola estadual de Ribeirão Preto (interior do Estado) disse que o governo estadual orienta as escolas a periodicamente observar no site as erratas dos cadernos.


Ela diz que, além do mapa, detectou no site erratas no caderno do aluno de outras séries nas disciplinas de arte, história, geografia, inglês e matemática. Mas ela não quis mostrar à Folha esses outros erros.’


 


 


***


Secretaria diz que já alertou professores


‘Em nota, a Secretaria de Estado da Educação afirmou que já havia identificado os erros apontados no caderno e que já informou os professores de toda a rede, pelo site www. educacao.sp.gov.br. Mas a errata só pode ser consultada pela direção da escola, por meio de senha.


A secretaria disse que a falha partiu da Fundação Vanzolini, ‘que elaborou os mapas e o projeto gráfico’. Diz ainda que o material não será trocado e que a orientação é que os professores informem seus alunos sobre a correção.


Sobre erratas em outras disciplinas, disse que o erro mais grave foi o do mapa e que o restante se restringe a erros de grafia ou gabarito. A secretaria não respondeu a outras perguntas, como o total de cadernos impressos.


A Fundação Vanzolini alega que o erro atingiu 1,55% dos cadernos e que todo o conteúdo do material é desenvolvido por professores indicados pela secretaria.’


 


 


TELEVISÃO
Daniel Castro


Custo racha parceria entre Globo e SporTV


‘Depois de quatro anos sob o domínio da TV Globo, o SporTV deverá voltar para o guarda-chuva da Globosat, programadora de canais pagos das Organizações Globo.


O SporTV passou a ser produzido pelo jornalismo esportivo da Globo justamente porque, acreditava-se na época, reduziria os custos. Mas a prática revelou o inverso, principalmente porque a Globo paga mais pelos direitos esportivos e oferece salários melhores.


A Globosat, que paga à Globo pelos custos de produção do canal, solicitou à família Marinho o SporTV de volta. Seus executivos afirmam que conseguem fazer o canal gastando menos.


O assunto está em discussão entre executivos das Organizações Globo. As relações entre diretores da Globo e da Globosat não andam das melhores.


Se a separação for concretizada, haverá consequências internas, como remanejamento de pessoal. Para o telespectador, será visível apenas o uniforme dos jornalistas, que deixarão de ter dois logotipos.


Pesa contra a permanência do SporTV na TV Globo ainda o fato de o canal estar perdendo audiência, o que, para a Globosat, seria consequência da falta de prioridade à TV paga.


Em uma transmissão de futebol no modelo Globo/SporTV, a única economia de escala que existe é no compartilhamento de câmeras no estádio. Profissionais e caminhão para edição não podem ser divididos.


FÉ RASGADA 1


A notícia de que o bispo Romualdo Panceiro traiu a confiança de Edir Macedo, publicada pela revista ‘Carta Capital’, caiu como uma bomba na Record. Panceiro foi anunciado pelo próprio Macedo como seu sucessor no comando da igreja. Seu preferido agora seria Paulo Roberto Guimarães.


FÉ RASGADA 2


A mudança repercute diretamente na Record porque Guimarães e o também bispo Honorilton Gonçalves, presidente de fato da emissora, não se bicam. A Universal é o maior ‘cliente’ da Record.


FÉ RASGADA 3


Segundo a ‘Carta Capital’, Panceiro teria transferido bens da igreja para seu nome. A revista confirmou que Edir Macedo está doente.


BOLA MURCHA


Sem Ronaldo, Santo André x Corinthians, anteontem, rendeu 20,4 pontos à Globo na Grande São Paulo. No domingo anterior, com o jogador em campo, Palmeiras x Corinthians deu 24,9 pontos à TV.


FURO


A Globo confirmou ontem a aquisição dos direitos dos jogos das quartas da Copa dos Campeões da Uefa, que até maio pertencem à Record. Pretende transmitir os principais jogos, as semifinais e a final. Os demais, repassará à Band.


ADEUS


O último capítulo de ‘Negócio da China’, que não deixará nenhuma saudade aos executivos da Globo, marcou 23,2 pontos. Fez sua antecessora, ‘Ciranda de Pedra’, parecer um sucesso, com 28 pontos no fim.’


 


 


Daniel Castro


TV Cultura sob pressão


‘Secretário de Relações Institucionais do governador José Serra e presidente do PSDB paulistano, o advogado José Henrique Reis Lobo, 65, sacudiu o conselho curador da Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TV Cultura.


Em carta enviada aos conselheiros (são 47), Lobo questionou a falta de preocupação com a baixa audiência da emissora e defendeu a implosão do próprio conselho, além da ‘profissionalização’ da diretoria executiva, presidida por Paulo Markun. A Cultura tem média atual de só 1,4 ponto no Ibope da Grande SP, equivalente a 80 mil domicílios sintonizados na emissora por minuto.


As críticas de Lobo foram o principal assunto da reunião mensal do conselho, ontem.


Lobo diz à Folha que está provocando o ‘imobilismo’ da TV Cultura por conta própria, mas sua atuação é avaliada por alguns como um balão de ensaio do governo para tentar implantar mudanças na TV.


Serra tem o desejo de reformar o conselho curador, mas nunca manifestou preocupação com a audiência. Se mudar o sistema de gestão, não será sua primeira interferência. No final de 2008, o governo do Estado, que banca 42% dos R$ 194,7 milhões do orçamento da Cultura, impôs um contrato de gestão em que a fundação terá de cumprir metas, como a redução de publicidade.


Lobo diz que o contrato de gestão deveria ter incluído também metas de audiência, o que não ocorreu. Ele considera um absurdo uma emissora que consome quase R$ 200 milhões por ano registrar pouco mais de um ponto no Ibope.


Diz que é preciso ‘traduzir’ esse dinheiro em audiência, para ‘justificar o investimento feito com recurso público’. Os programas, defende, têm de ter uma relação custo-benefício. ‘Não é porque se trata de uma emissora pública que não se deve se preocupar com isso.’


Mas, segundo ele, dar audiência na Cultura é algo que ‘envergonha’: ‘Falar em audiência na TV Cultura parece uma preocupação plebeia, o que é um engano. É perfeitamente compatível ter programa de qualidade que ao mesmo tempo tenha quem assista’.


Na reunião de ontem, João Sayad, também secretário de Serra (Cultura), se opôs a Lobo: ‘A TV Cultura é um instrumento de política cultural, que tem muitas preocupações, e a menor delas é a audiência’.


Elitismo


As principais funções do conselho curador são fiscalizar a aplicação dos recursos e as ações da diretoria executiva, além de eleger o presidente da emissora a cada três anos e zelar pela autonomia. O órgão é composto por reitores de universidades, secretários do Estado e do município, empresários, políticos, acadêmicos e artistas. Para Lobo, é tudo ‘gente muito séria e competente’, mas que não entende nada de TV. Ele mesmo se sente incompetente para analisar programas e prega conselhos menores, compostos por especialistas.


Lobo critica Markun por tirar e colocar programas do ar ‘sem base técnica, profissional, científica’, o que ‘reforça a impressão de que a TV foi transformada em laboratório’.


Para o secretário (que diz só assistir ao programa ‘Café Filosófico’), é um equívoco a ênfase que a direção tem dado às ‘novas mídias’, com a transmissão do ‘Roda Viva’ antes na internet e só depois na TV.’


 


 


***


Presidente da emissora rebate as acusações


‘O jornalista Paulo Markun, presidente da Fundação Padre Anchieta, afirma que audiência é importante, sim, para a emissora, mas não é tudo. ‘A gente tem uma programação diferenciada, deve levar em consideração o alcance social daquilo que produz. Não estou me furtando a discutir o assunto, mas nosso foco não é só audiência’, diz.


Ele nega que não haja preocupação com audiência. Diz que o assunto é estudado e debatido diariamente. ‘Não faz sentido fazer TV para ninguém.’ Markun enfatiza que a baixa audiência não é um problema exclusivo da TV Cultura, mas de várias emissoras públicas que não seguem lógica comercial, como a PBS, dos EUA.


Ele avalia que a Cultura apresenta ‘um bom resultado’ na relação custo-benefício e que ‘está acima da média no que diz respeito a gastar bem o dinheiro’. Segundo Markun, a emissora custa 50 vezes menos do que a Globo, mas sua audiência é só 17 vezes menor.


O executivo apresenta dados de audiência que mostram ‘que não houve uma derrocada’. Em 20 anos, a média anual oscilou de 0,7 a 2,9 pontos.


O jornalista refuta a afirmação do secretário Lobo de que a emissora é usada como ‘laboratório’ de programação.


‘Não é verdade. Acho que a gente tem que ter uma fase de experiência, sim. Mas não são experiências ditadas por quem está na diretoria de programação. Ao contrário, eu eliminei isso’, afirma.


Markun também nega haver entra-e-sai de programas e falta de critérios para isso. ‘No ano passado, nós entramos com novos programas, mas a redução foi muito pequena.’


Por fim, devolve as críticas a Lobo, que, enfatiza, não representa no conselho o governo do Estado, mas a sociedade civil. ‘O conselheiro talvez devesse acompanhar mais de perto a programação.’’


 


 


Fernanda Ezabella


Fashion TV investiga Ronaldo Fraga


‘Delicadeza é a palavra de ordem na vida e no trabalho do estilista mineiro Ronaldo Fraga. É o que mostra o capítulo sobre ele na série ‘Nomes da Moda’, que o canal pago Fashion TV exibe hoje e na quinta.


‘Para mim, ele não tem defeito. Ele não tem tempo, mas defeito também não tem’, diz a costureira Nilza Vilela, que acompanha Fraga desde os anos 80. Ela foi homenageada no desfile da coleção de verão 2006, quando o estilista colocou costureiras trabalhando na passarela, incluindo Nilza.


O carinho da relação se estende aos demais colaboradores, que tecem elogios no programa, intercalados por imagens de diversos desfiles, como o do inverno de 1996, chamado ‘Eu Amo Coração de Galinha’. ‘Era muito improvável, quando eu comecei, trilhar um caminho falando de cultura brasileira’, diz Fraga, que já criou inspirado em Lupicínio Rodrigues, Nara Leão e no rio São Francisco. ‘Quando eu vejo que pelo menos agora não me enchem o saco, não ficam nessa discussão se o que eu faço é moda ou teatro […] eu já acho que está muito bom.’


O programa também fala da infância de Fraga e visita a escola que ele frequentou em Belo Horizonte. ‘Moda tem a ver com os vestígios de um olhar que você vai somando.’


NOMES DA MODA – RONALDO FRAGA


Quando: hoje, 13h30; quinta, 19h30


Onde: Fashion TV


Classificação: livre’


 


 


INTERNET
Cristina Fibe


Conspiração em pedaços


‘Seita pretende acabar com 90% da humanidade e robotizar os 10% restantes -e tudo começará pelos EUA.


Teorias como essa (melhor explicada em tinyurl.com/ bdvxde) se proliferam na rede, construídas por internautas que se apropriam de imagens de reportagens, entrevistas e filmes de outros autores para reeditá-las e transformá-las na narrativa que os apetece.


O objetivo principal desses ‘montadores’ é alertar a humanidade sobre uma ordem mundial que, segundo eles, está sendo imposta à nossa revelia, secretamente, para dominar a população. Apoiados em legendas, narrações e reedição de depoimentos, os vídeos, que nem sempre avisam sobre a utilização de imagens alheias, procuram provar o que afirmam.


Entre os assuntos preferidos dos ‘documentários frankenstein’ estão o sistema monetário -o débito é ‘uma das mais antigas formas de manipulação da humanidade’-, o 11 de Setembro -alvo de filme que esteve em cartaz nos cinemas brasileiros neste ano, ‘O Novo Século Americano’- e o emburrecimento da população.


A culpa, segundo os teóricos da conspiração, é, em geral, da seita secreta Illuminati (tinyurl.com/cafbo2), dedicada a controlar assuntos globais e que imporá a tal nova ordem, estabelecida quando a população estiver sob controle, para resumir várias das teorias espalhadas pela rede.


Entender para enfrentar


‘A verdade vai te libertar. Se você acredita nos Illuminati ou não, se perde seu tempo ouvindo as chamadas teorias conspiratórias ou não-há algumas coisas que deveriam ser entendidas por todos. Essas não são teorias conspiratórias. São fatos documentados, rastreáveis e fáceis de provar.’


A introdução é do vídeo ‘Enfrente a Nova Ordem Mundial Globalmente Discordando’ (tinyurl.com/dbyz8n), que ‘explica’ que uma só linhagem sanguínea impera na Terra, e ela inclui todos os presidentes americanos (o filme é pré-Obama) e está ligada à monarquia britânica e ao antigo Egito. Aliás, todos os presidentes americanos foram maçons, diz.


Outro exemplar do gênero ‘o inimigo está dentro de casa’ é o título ‘O que É a Nova Ordem Mundial?’ (tinyurl.com/ ckplsw), que relaciona o governo dos EUA ao nazismo.


Inúmeros outros vídeos estão agregados em um site dedicado a teorias conspiratórias, conspiracyrealitytv.com, com um link só para montagens do gênero.’


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem