Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ENTRE ASPAS > SBT

Taíssa Stivanin

21/10/2005 na edição 351


‘Quem não assina a TV paga deve notar em alguns momentos no monitor do televisor que a imagem às vezes parece duplicada, como um ‘fantasma’, e o som, cheio de ruídos. Isso acontece porque a transmissão dos sinais de TV no País ainda é analógica.


Essa migração para a TV digital, que envolve governo, emissoras e mercado de eletroeletrônicos – as pessoas vão precisar comprar um receptor digital para ter acesso a uma imagem de mais qualidade – faz parte de um projeto de lei do Ministério das Comunicações que começou a ser discutido pelo ministro Miro Teixeira e continua na pauta do atual, Hélio Costa. ‘A promessa é de que o projeto entre em pauta até fevereiro de 2006’, diz Roberto Franco, diretor de Tecnologia do SBT e presidente da SET (Sociedade Brasileira de Engenharia e Televisão).


Antecipando-se à votação, o SBT digitalizou, a custos não revelados, todo o jornalismo. Com a vinda de Ana Paula Padrão, todo o processo, desde a captação de imagens até o arquivamento das reportagens, está conectado a um único servidor. Isso acaba com o tráfego interno de fitas e agiliza o trabalho. Os editores podem compartilhar todo o material ao mesmo tempo, usando um único software. Depois de utilizado, tudo volta ao arquivo, digital.


Em dois meses, os equipamentos foram encomendados a dois fabricantes e importados. ‘Por enquanto, o telespectador pode sentir a diferença de forma sutil, mas quando o sistema digital entrar em vigor haverá uma grande mudança’, observa Franco.


Ainda há discussão sobre o tipo de modelo digital a ser adotado no País. Para Franco, a conclusão é que o sistema japonês, ISDB, e o DVB, europeu, são os mais adequados ao Brasil.’



TV PAGA


Amir Labaki


‘Um ano de realidade na televisão’, copyright Valor Econômico , 21/10/05


‘Nesta terça-feira, 25, o programa ‘É Tudo Verdade’ comemora um ano no Canal Brasil (Net 66). Tenho semanalmente escolhido e apresentado documentários nacionais, muitas vezes comentando-os com os próprios realizadores. O repertório inclui produções clássicas e recentes, inéditas ou há muito distantes da telinha. Não se trata, assim, do festival na tv, mas de uma extensão do trabalho de difusão do melhor do documentário brasileiro.


Amplia-se dessa forma a ação do festival em tempo (de algumas semanas ao ano todo) e espaço (das praças do evento, São Paulo, Rio, Brasília e Campinas, a todo o país).


O ‘É Tudo Verdade’ no Canal Brasil já apresentou 61 títulos, entre longas, médias e curtas. O destaque mais antigo foi ‘Garrincha, Alegria do Povo’ (1962), o pioneiro ensaio sobre o futebol brasileiro dirigido por Joaquim Pedro de Andrade na aurora da escola do cinema Verdade por aqui. O filme mais recente foi ‘Rua de Mão Dupla’ (2004), original estudo sobre a solidão metropolitana, de Cao Guimarães, exibido com total ineditismo antes de salas ou TVs.


Entre os principais lançamentos dentro do programa, destacaram-se ainda ‘A Caminho de Bagdá’ (2003), de Simone Duarte, sobre o embaixador Sérgio Vieira de Mello; ‘Samba Riachão’ (2002), retrato do célebre sambista baiano por Jorge Alfredo; e ‘Os Melhores Anos de Nossas Vidas’ (2003), sensível visita a uma antigo asilo de hansenianos no interior paulista, que marcou a estréia na direção de Andrea Pasquini.


Mas talvez o grande marco deste ano tenha sido a primeira exibição em tv de ‘Wilsinho Galiléia’ (1978), documentário realizado por João Batista de Andrade para a primeira fase da série Globo Repórter e censurado pela ditadura militar. Na época da interdição, um representante do governo militar justificara o veto asseverando que aquele filme ‘não seria visto em casa de família’. Mais de um quarto de século se passou até que ‘Wilsinho Galiléia’ finalmente alcançasse os lares brasileiros. Em entrevista ao programa, João Batista lembrou aquela fase áurea da produção independente na televisão, as circunstâncias da censura e a originalidade do dispositivo do documentário, que lançava mão de reencenações para reconstituir a meteórica ascensão e queda de um jovem bandido na periferia paulistana.


Este período inicial do Globo Repórter, em que a produção se realizou em parceria com cineastas independentes, foi lembrado em oito programas, a partir da pioneira retrospectiva realizada pelo festival em 2002, com curadoria de Beth Formaginni. Além de João Batista, participaram do programa, depondo sobre seus filmes na mesma série, os diretores Gregório Bacic (‘Retrato de Classe’) e Hermano Penna (‘Mulher no Cangaço’).


Tive o privilégio ainda de entrevistar com exclusividade vários outros mestres do documentário brasileiro e algumas das principais revelações recentes. Entre os primeiros, destaco de pronto o mestre paraibano Vladimir Carvalho (‘O Homem de Areia’), que por três vezes honrou o programa com seu.depoimento – numa seqüência de projeções dedicadas a celebrar seu 70º aniversário.


Não menos que preciosas foram também as entrevistas de Eduardo Coutinho (‘Babilônia 2000’), Eduardo Escorel (‘Chico Antônio’), Sílvio Tendler (‘Os Anos JK’ e ‘Jango’), Jorge Bodanzky (‘Igreja dos Oprimidos’), José Joffily (O Chamado de Deus) e Zelito Viana (‘Terra dos Índios’). Foi emocionante ouvir Lucélia Santos falar da luta pela independência retratada em ‘Timor Leste – O Massacre que o Mundo Não Viu’ (2003).


Desde a estréia, o ‘É Tudo Verdade’ tem sempre ficado entre as cinco atrações mais vistas semanalmente no Canal Brasil. Reafirma-se, assim, o crescente interesse pelo gênero no país. Pena que ainda sejam raras as janelas regulares para o documentário nas grades das emissoras de sinal aberto ou fechado, como o DocTV das redes educativas e as produções da tv SescSenac.


Inexiste, por exemplo, um programa similar ao ‘É Tudo Verdade’ para destaques internacionais. Tomara que seja questão de tempo. Para celebrar o primeiro aniversário, o ‘É Tudo Verdade’ fecha um círculo. Escolhi dois documentários já clássicos, cada qual dirigido por um dos irmãos Escorel. De Lauro Escorel será apresentado ‘Libertários’ (1976), que trata dos primeiros passos do sindicalismo no Brasil. Já de Eduardo Escorel, trouxe de volta o título exibido em nosso programa de estréia, ‘Chico Antônio, Um Herói com Caráter’ (1984). Não adianta: este retrato do cantador de cocos celebrizado nas páginas de Mário de Andrade sempre me vem à mente quando a intenção é lembrar quão poderoso pode ser o documentário nacional.


PS – O ‘É Tudo Verdade’ no Canal Brasil vai ao ar semanalmente, às 22h35 das terças, com reapresentações às 14h30 das quartas, às 10h dos sábados e às 16h30 e 21h dos domingos.’



Daniel Castro


‘Idoso compra mais TV paga do que a média’, copyright Folha de S. Paulo, 21/10/05


‘A TV costuma investir em programas para crianças e adolescentes, que a estão trocando por novas mídias, mas não produz quase nada especificamente dirigido à terceira idade. Pesquisa do Ibope divulgada nesta semana indica que um público fiel está sendo desprezado pelas redes.


Em setembro, o instituto ouviu 2.200 pessoas com mais de 60 anos nas nove maiores regiões metropolitanas do país para aferir seus hábitos de consumo.


A pesquisa mostra que 95% dos idosos assistem à TV, dos quais 80% diariamente, como ‘distração e companhia’. A maioria (61%) só viu TV pela primeira vez quando já tinha mais de 21 anos.


O Ibope revela também um alto índice de posse de TV paga nesse público: 17% deles assinam alguma operadora de cabo ou satélite. ‘A penetração da TV paga é de 13% nessas mesmas regiões metropolitanas’, diz Dora Câmara, diretora do Ibope Mídia. ‘Isso quer dizer que pessoas com mais de 60 anos possuem mais TV paga do que a média nacional’.


De acordo com o instituto, 39% dos idosos que possuem TV paga gastam até 90 por mês com o serviço e 10% ainda usam ‘pay-per-view’, principalmente de futebol.


A proporção de pessoas com mais de 60 anos no país subiu de 4% em 1940 para 8,6% da população em 2000. Nas nove capitais pesquisadas, correspondem a 5 milhões de pessoas, 19% delas das classes A e B, diz o Ibope.


OUTRO CANAL


Casulo 1 Apesar de o jogo ter sido no Pacaembu, Cléber Machado e Arnaldo César Coelho transmitiram Corinthians x Pumas (México), anteontem, diretamente dos estúdios da Globo no Brooklin. Segundo a Globo, foi por estratégia operacional, não por segurança.


Casulo 2 Em estúdio, Machado e Coelho poderiam imediatamente passar a narrar Ponte Preta x São Paulo, em Campinas, caso ocorressem incidentes entre torcedores. Mas essa partida, ao contrário do que se previa, foi tranqüila.


Baixa Vinte minutos antes de começar Corinthians x Puma, Walter Casagrande teve queda de pressão e foi socorrido no hospital Albert Einstein. A transmissão ficou desfalcada de comentarista tático.


Tititi 1 Voltaram os rumores de que Roberto Justus teria rompido com Silvio Matos, seu sócio local no grupo Newcomm, que controla a Y&R, maior agência do país. Segundo a revista ‘Propaganda & Marketing’, a tensão entre os dois teria ‘ganho voltagem extra’ quando Justus decidiu apresentar ‘O Aprendiz’, em 2004.


Tititi 2 A Record acompanha o caso à distância. Acredita que eventual mudança societária na Newcomm não comprometeria a terceira edição de ‘O Aprendiz’, que promete um emprego na Wunderman, em Nova York, do mesmo grupo. A assessoria de Justus diz que a história é só boato.’



TV BANDEIRANTES


Tela Viva


‘Bandeirantes volta a reivindicar espaço na TV paga’, copyright Tela Viva, 21/10/05


‘A distribuição de conteúdo, especialmente pela tv por assinatura, foi um dos pontos mais polêmicos do debate ‘A mídia do futuro e o futuro da mídia no Brasil’, realizado durante o Maxi Mídia 2005. Johnny Saad, presidente do grupo Bandeirantes e da ABRA, Associação Brasileira dos Radiodifusores, afirmou que um dos principais problemas de escoamento da produção é a estrutura de monopólio do satélite e do cabo, que distorcem o mercado. ‘Precisamos de equilíbro na produção nacional e internacional, além de criar espaços para que ela possa circular’, afirmou. Nelson Sirotsky, presidente da ANJ, Associação Nacional de Jornais, e do Grupo RBS, discordou de Saad, ao dizer que o modelo de tv satelital não é o inibidor do processo de produção de conteúdo, e que os programas de qualidade conseguem chegar à tv aberta e à tv por assinatura. O presidente do grupo RBS disse ainda que as fusões de grupos de tv por assinatura não representam um monopólio de distribuição de conteúdo, ainda que as discussões sobre o modelo sejam necessárias. ‘Acredito na multiplicidade de conteúdos’, disse. Saad rebateu, dizendo que existem distorções na distribuição de verbas, e que hoje não é possível para outros grupos criarem canais e os colocarem no cabo. ‘Isso se intensifica à medida que sai das mãos dos brasileiros e vai para grupos estrangeiros’, disse o presidente da Band. Sirotsky também demostrou a sua preocupação com a internacionalização das empresas de telecomunicação, satélite, cabo e MMDS. Saad afirmou ainda que a distorção vai acabar com a tv aberta a longo prazo, já quer esta vive exclusivamente de publicidade e não pode contar com os ganhos com assinatura. ‘Desse jeito vamos sair do mercado de produção’, alertou.’



BANG BANG


Flávio Ricco


‘Ibope das 7 preocupa’, copyright Tribuna da Imprensa , 20/10/05


‘O iminente fracasso de ‘Bang bang’, a novela das sete, a cada dia ganha mais força na Globo. Mario Prata, o autor, foi afastado – oficialmente para cuidar de um problema de saúde. Para aumentar o tamanho do mistério, ninguém aposta na volta. Na verdade, na verdade, a torcida é para que ele continue bem longe. Márcia Prates foi escalada para tocar o roteiro, interinamente. Encurtar a novela foi uma das hipóteses discutidas pelo alto escalão da Globo – entenda-se Mário Lucio Vaz. Porém, o mesmo Vaz já colocou outro importante autor da casa para acompanhar diariamente a exibição dos capítulos. Este mesmo profissional vem recebendo, por e-mail, os roteiros já fechados. Se a audiência desabar ainda mais, este profissional assumirá o comando de ‘Bang bang. E, para não deixar dúvidas, Canal 1 revela que Carlos Lombardi, que já assinou vários sucessos na Globo, é o novelista convidado por Mario Lucio Vaz para marcar ‘Bang bang’ de perto. Mas é bom deixar claro que ele só entrará em ação em caso de extrema urgência. Na última terça, o Ibope da história cresceu um pouco, marcando 37 pontos de média. Só que ‘Malhação’ registrou 36, e ‘Alma gêmea’, 40. Pela lógica, os índices de ‘Bang bang’ deveriam ser bem superiores aos das produções que a antecedem. Mas isso não vem acontecendo. É o que dizem


Se o Ratinho encontrar uma emissora disposta a comprar briga com o SBT e enfrentar o problema da multa contratual, ele abandona a Anhangüera. Segundo os mais próximos, o apresentador está muito infeliz. Esquentando Record e a dupla Eder Luiz e Neto estão próximos de um acordo, tudo com vistas ao futebol do ano de 2006. Revela-se, inclusive, que a emissora chegou a fazer uma proposta para a compra dos principais campeonatos da Uefa, mas a sua primeira oferta não foi aceita. Bola rolando Mesmo sem ter os direitos para a transmissão dos jogos, a Record decidiu realizar uma mesa redonda durante a Copa do Mundo, diretamente da Alemanha. Comando de Milton Neves, com as participações de Maurício Torres, Osmar de Oliveira, Paulo Roberto Martins e Dirceu Maravilha. Vendido Ainda a propósito do futebol da Record para o ano que vem, a Ambev acaba de renovar o patrocínio e o mesmo caminho deve ser tomado, nessas próximas horas, pela Petrobras, Caixa Econômica Federal, Casas Bahia, Penalty e Tim. Na tabela, o valor de cada cota é de R$ 64 milhões. Nova base A alta direção da Record não se pronuncia a respeito, mas a intenção é, gradativamente, transferir para o Rio boa parte do setor de produção, entenda-se novelas e linha de shows. A cabeça do jornalismo continuará em São Paulo.


Instalações


O complexo de estúdios RecNov (Record Novelas), localizado em Vargem Grande, no Rio de Janeiro, já consumiu até agora investimento da ordem de R$ 50 milhões. O valor foi divulgado por Hiran Silveira, diretor de teledramaturgia da Record. Quatro estúdios já estão prontos e outros dois serão entregues em janeiro. ‘Prova de amor’, que estréia segunda-feira, é a primeira novela da emissora gravada no RecNov. Sobrando Bem na base do vento a favor, dizem que a Record vai pagar a primeira parcela do 13º aos funcionários no final deste mês. Já tem gente gastando por conta. Slow motion O SBT transferiu para 2006, sem fixar data, as apresentações do ‘American idol’ e ‘Super Nani’. O ‘Casamento à moda antiga’ ainda pode estrear em dezembro, mas é bom não contar com isso. cinema Os longas-metragens exibidos pelo SBT na sessão ‘Cinespecial’ poderão ganhar outro horário. Silvio Santos mandou colocar nova enquete no site da emissora com a seguinte pergunta: Aos domingos, que horas você prefere ver os filmes do SBT, as oito e meia ou as dez e meia? Plano B Na verdade, o nosso herói tem gravado o ‘Rei Majestade’ a todo vapor e pretende promover a sua estréia quase que imediatamente, na faixa dominical das oito e meia da noite. O ‘Cinespecial’ tem tirado audiência do ‘Fantástico’, da Globo, mas ainda não consegue batê-lo. O novo horário poderia resolver o problema.’


Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem